Quais são as técnicas de psicoterapia para o estresse pós-traumático?

O estresse pós-traumático é um transtorno psicológico associado a uma experiência traumática que produz sequelas que podem durar anos ou mesmo décadas se não tratadas por profissionais. Por isso é importante conhecer suas características para ir à terapia assim que seus sintomas aparecerem, sem deixar o tempo passar e a psicopatologia se consolidar no sistema de memória de quem a sofre.

Neste artigo falaremos sobre transtorno de estresse pós-traumático e as técnicas psicoterapêuticas utilizadas para sua intervenção.


    O que é estresse pós-traumático?

    O transtorno de estresse pós-traumático aparece pela primeira vez como um transtorno independente na terceira edição do Manual de Diagnóstico da American Psychiatric Association (DSM III). Atualmente, o DSM 5 afirma que o diagnóstico de um paciente requer o cumprimento de pelo menos 4 critérios ou categorias de sintomas para diagnosticar TEPT. Os sintomas também precisarão estar presentes por mais de um mês e, como em outros distúrbios, que a situação gera desconforto no sujeito ou que sua funcionalidade é afetada.

    Os critérios diagnósticos são os seguintes:

    • Deve haver a presença de uma experiência limítrofe pela qual a vida do sujeito ou de um indivíduo muito próximo está em perigo.
    • Reexperimentação: O paciente apresenta pensamentos intrusivos relacionados ao trauma.
    • Evitação: O sujeito evita estímulos ou pessoas que o lembrem do evento traumático.
    • Cognições e afetos negativos: O humor e o padrão de pensamento tornam-se mais negativos após o evento traumático.
    • Hiperativação: aumento da ativação corporal relacionada ao evento traumático.

    Acredita-se que o trauma que desencadeia o TEPT seja na verdade a marca que a experiência traumática deixa na memória emocional da pessoa, ou seja, a parte de nossa atividade mental dedicada a armazenar e evocar a carga emocional ligada a um fato que vivenciamos (que não pode ser expresso diretamente em palavras). Como esse conteúdo de memória é “arquivado” de forma disfuncional, leva a ataques de ansiedade e desequilíbrios emocionais quando surge na forma de flashbacks, pensamentos intrusivos, etc.

      Técnicas de psicoterapia usadas para transtorno de estresse pós-traumático

      Agora que sabemos melhor quais são os sintomas característicos do TEPT e as alterações que causam, vejamos qual pode ser a intervenção de um psicólogo diante desse tipo de transtorno mental. Diferentes tipos de tratamentos farmacológicos e psicológicos foram tentadossendo estes últimos os que têm demonstrado maior eficácia, pois não se limitam a aliviar os sintomas a curto e médio prazo.

      Assim, aqui veremos as técnicas de psicoterapia mais utilizadas antes do TEPT e que permitem intervir na raiz do problema (bem ou porque todas elas devem ser usadas em um processo terapêutico, tudo depende das especialidades do psicólogo e das necessidades da pessoa que precisa de ajuda profissional).

      1. Terapia de Exposição

      A terapia de exposição é uma das técnicas mais eficazes. Como o nome sugere, geralmente é exposição repetida e prolongada do sujeito a estímulos ou sintomas relacionados ao trauma.

      A apresentação pode ser feita ao vivo e na imaginação, dependendo do tipo de evento traumático e dependendo de onde estamos na intervenção, a preparação do paciente. Em geral, a exposição ao vivo é mais eficaz, mas gera mais rejeição, pois muitas vezes é mais desconfortável e difícil de lidar.

        2. Terapia Narrativa

        A terapia narrativa baseia-se principalmente no diálogo e na fala., e é um dos recursos mais utilizados no campo da psicologia humanista. O objetivo é ajudar a pessoa a reinterpretar seu passado sem se deixar levar por um viés disfuncional de negatividade e pessimismo, para que seja capaz de se reconectar com a experiência de viver uma vida significativa. Desta forma, ajuda a pessoa a deixar de assumir que está destinada a estagnar em seu progresso em direção à felicidade e ao sofrimento, e poder continuar participando de um projeto de vida emocionante que pode ser o protagonista.

          3. Tratamento de movimentos oculares rápidos, dessensibilização e reprocessamento

          Essa técnica, conhecida como EMDR por sua sigla em inglês, tem como principal objetivo reprocessar a experiência traumática para tornar a memória mais integrada ao sistema de memória. Esta intervenção consiste em 8 fases, algumas mais importantes que outras, mas o resultado é que a experiência traumática deixa de ter o poder de desestabilizar emocionalmente a pessoa a ponto de torná-la um problema.

          4. Meditação e atenção plena

          Meditação e treinamento de atenção plena têm sido usados ​​principalmente com o propósito de reduzir o risco de recaídas e aumentar a resiliência do pacienteou seja, a capacidade de enfrentar e superar eventos negativos e continuar a desenvolver-se funcionalmente. Esses recursos terapêuticos contribuem para que a pessoa consiga se concentrar no momento presente a partir de uma atitude de aceitação, deixando de lado os pensamentos obsessivos que levam ao ressentimento psicológico e à revivência constante do trauma.

            5. Terapia Comportamental Dialética

            Essa terapia é usada principalmente para pacientes com transtorno de personalidade borderline, embora estudos iniciais com essa intervenção tenham relatado resultados positivos em indivíduos que apresentam má regulação emocional causada por trauma, como tratamento de pré-exposição.

            6. Uso combinado de técnicas de relaxamento

            As técnicas de relaxamento não são usadas de forma independente, mas são aplicadas em conjunto com outra intervenção, como exposição ou EMDR. Desta maneira, sua eficácia foi testada usando-o como técnica adjuvante, e sua aplicação em geral não é recomendada de forma isolada. Por outro lado, geralmente são exercícios simples, para que o paciente possa incorporá-los facilmente à sua rotina diária.

            7. Terapia cognitiva

            O principal objetivo desta terapia é alterar padrões cognitivos desadaptativos relacionados ao evento traumático para reduzir o desconforto. Uma das estratégias mais utilizadas nesse contexto é a reestruturação cognitiva, que está diretamente relacionada à modificação de crenças e interpretações disfuncionais do problema do paciente. Essa modificação de crenças pode ter como objetivo alcançar crenças mais funcionais relacionadas a trauma ou transtorno.

            Esforços também serão feitos para reduzir a preocupação, pensamentos negativos repetitivos, dissociação e dificuldade de concentração.

            O modo de intervenção geralmente consiste em reduzir a evitação da memória traumática, para poder aceitar e assim conseguir reduzir o impacto.

              Você gostaria de se beneficiar de ajuda psicológica profissional?

              Dentro Psicologia Adhara Trabalhamos tratando pessoas de todas as idades desde a psicologia humanista, intervindo em traumas e todos os tipos de distúrbios emocionais que dificultam o progresso em direção ao bem-estar físico e mental.

              Podemos ajudá-lo pessoalmente no nosso centro em Madrid ou online através de videochamada.

              Referências bibliográficas

              • American Psychological Association (2017) Diretriz de Prática Clínica para o Tratamento do Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) em Adultos.
              • Pujadas, MD e Pérez, J. (2013) Tratamento de um caso de estresse pós-traumático. Revista de casos clínicos em saúde mental.
              • Mayo Clinic (2018) Transtorno de estresse pós-traumático.

              Deixe um comentário