Psicologia materna

Maio é o Dia Mundial da Saúde Mental Materna. Um dia de sensibilização para os problemas de saúde mental das mães, para que mais mulheres procurem ajuda, recebam tratamento adequado e sofram menos.

A celebração deste dia é bastante desconhecida, mas acho muito interessante não tanto pela ideia de pedir ajuda, mas por mostrar que o processo que vai da vontade de uma criança até que ela nasça e um casal se torne pais, não é idílico. É uma experiência que além da expectativa e da excitação, pode levar a incertezas, imprevistos, acontecimentos traumáticos, angústias, sentimentos ambivalentes …


    A dimensão psicológica da maternidade

    Desde os anseios anteriores de conceber um filho até os primeiros momentos de criação, há uma grande variedade de situações que incluem este período:

    • Uma mulher que não sabe se quer ser mãe.
    • Uma mulher que quer ser mãe, mas tem medo.
    • Uma mulher que quer ser mãe solteira.
    • Uma mulher que quer ser mãe e não pode.
    • Duas mulheres que querem ser mães.
    • Dois homens que querem ser pais.
    • Uma gravidez não planejada.
    • Uma gravidez abortada.
    • Uma gravidez complicada.
    • Uma mãe recente que não sabe o que fazer com seu bebê.
    • Uma mãe ou pais com sentimentos conflitantes.
    • Um casal que se desestabiliza quando chega um filho, seja o primeiro, o segundo ou qualquer que seja o número.

    Obviamente, deixei muitas situações para trás, e tem alguém que não se identifica com nenhuma das que listei. Seria impossível listar todos, porque podem haver tantos motivos de consulta quanto pessoas. Mas … Por que alguém que deseja engravidar, ou uma nova mãe, deve procurar ajuda profissional?

      Bem-estar psicológico no processo de ser mãe

      Tudo pode correr normalmente, ou melhor, sem sobressalto, mas a pessoa pode ficar rarefeita, ou as suas dificuldades vitais podem ser acentuadas neste momento, ou pode ser dominada por dúvidas e medos prestes a surgir. Um sofrimento que a leva a consultar.

      Também pode acontecer que os acontecimentos se desenrolem com incidentes e te sobrecarreguem, e esta é a causa que te leva a consultar. A única coisa comum a todas as situações é desconforto, sofrimento, e isso já é motivo de consulta.

      A procura de uma gravidez, tratamentos de reprodução assistida, concepção, gravidez, parto, pós-parto, puerpério, luto gestacional ou perinatal, estamos a falar de um momento de transformação, mudança de mulher, mudança de companheiro, mudança de família.

      Isso implica um reajuste que às vezes se torna complicado. E não só você tem que buscar um novo conforto – uma reconfiguração de sua própria vida – mas é um momento muito fecundo para que apareçam medos, ideais, identificações, Deixe-os vivenciar esses momentos com mais sombras do que luzes.

      Você tem que ser capaz de acomodar o desejo de ser pai. A incerteza do projeto deve ser ultrapassada. A experiência da gravidez. E você deve poder conhecer a criança, porque às vezes é um puro mal-entendido. E a prevenção é complicada, porque a priori não sabemos quais aspectos subjetivos serão ativados no decorrer da maternidade. Além disso, é preciso considerar separadamente o que acontece com a mãe e o que acontece com o pai.

      Quem vem a uma consulta às vezes o faz por um assunto específico (dúvidas em ser mãe ou não, ansiedade durante a gravidez, perda de um filho, depressão pós-parto, etc.) ou o faz por um desconforto que não pode ser localizado. E o que observamos em muitos casos é que além desse mal-estar diante das circunstâncias, outras complexidades de seu personagem parecem se sobrepor.

      O que é essa ajuda específica?

      Existem diferentes possibilidades de ser acompanhado nestes horários. Seja acompanhado por uma escuta analíticaAlém de ter em mente as circunstâncias e diminuir a ansiedade, e poder viver a situação com a maior serenidade, é também uma aposta para investigar a relação, uma relação estranha, que temos consigo mesmo. E assim surgirão recursos que nunca sabíamos que tínhamos, e se revelarão as tendências e repetições que têm guiado nossas vidas como se fossem um destino.

      É uma escuta ativa que permite que a pessoa se acalme para não conseguir encontrar um sentido, para poder colocar os sentimentos em palavras que foram apenas ouvidos e que nenhuma palavra exata foi encontrada para nomeá-los, e também para ser capaz de fazer um buraco para o qual não há explicação.

      O tratamento psicanalítico é indicado para identificar o que está acontecendo, para poder tomar decisões, parar ou continuar, mas com certeza conseguir seguir em frente com a vida. É muito ineficaz se consolar com essas frases ou frases populares, como “isso acontece com muitas pessoas” ou “você não pode dar errado se acabou de ter um bebê” ou se dedicar a uma perda. Tenha outro filho.

      Não podemos perder de vista o que uma mulher que se torna mãe pode experimentar, pode prejudicar o relacionamento com seu parceiro, o recém-nascido ou outras pessoas que você tem. Manter isso em mente é muito importante para localizar o problema.

      A gravidez e o nascimento de um filho é um período rico em que ocorrem muitas mudanças: mudanças físicas, mudanças de postura (da esposa para a mãe, de ser filha de sua mãe para mãe de seu bebê). Também pode ser um momento em que conflitos não resolvidos são reativados (Como a relação da mulher com os pais, principalmente com a mãe). Ou se houver a perda de um bebê, um duelo incapacitante pode estar relacionado a outro duelo não resolvido anterior. É também uma época em que tudo relacionado à feminilidade pode vacilar.

      E não é apenas isso, por trás de uma demanda aberta, pode haver outra complexidade que parece se sobrepor. Além disso, a psicanálise abre um espaço para ser capaz de reconhecer e tolerar sentimentos normais de frustração, ansiedade, ambivalência, demandas pessoais e idealizações, que muitas vezes passam despercebidas.

      Deixo-vos com uma breve ilustração de dois casos simples.

      Lúcia fez terapia após o nascimento de seu segundo filho. A gravidez, o parto e os primeiros momentos correram bem e fiquei feliz. Mas havia algo que não lhe permitia tirar vantagem do fato de que agora eram uma família de quatro pessoas. Foram necessárias várias sessões para poder esclarecer que se identificava com a mãe – que também tivera dois filhos – e que vivia como viveria a sua família original e não como ela própria.

      Sandra veio para a terapia porque estava procurando um filho e não estava engravidando, e estava começando a considerar tratamentos de reprodução assistida. Desde o início ficou evidente a extrema dependência de Sandra em relação à mãe, e ao longo das sessões ficou claro que o desejo de ser mãe era o desejo de sua própria mãe que ansiava por ter um neto. Sandra decidiu parar com tudo e se dar tempo.

      Deixe um comentário