Psicologia da saúde: história, definição e campos de aplicação

Existe um grande número de disciplinas em psicologia. Embora alguns deles se concentrem em pesquisa, escopo de grupo ou prática clínica, A psicologia da saúde se concentra na promoção da saúde e no tratamento psicológico de doenças físicas.

Neste artigo, faremos uma revisão da história desse ramo da profissão, contextualizá-lo, defini-lo e descrever seus objetivos.


O que queremos dizer com “saúde”?

No preâmbulo de sua Constituição, elaborada em 1948, a Organização Mundial da Saúde definiu saúde como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social, E não a mera ausência de doença ou deficiência. “

A própria definição enfatiza fazer uma distinção com a antiga concepção de saúde como a mera ausência de problemas físicos; atualmente, o termo “saúde” é usado para se referir a mais de variáveis ​​psicossociais que influenciam a biologia humana, o que atribui um papel fundamental à psicologia da saúde.

Outras definições colocam saúde e doença em um continuum. Assim, em uma extremidade encontraríamos saúde total, enquanto na outra extremidade haveria morte prematura por falta de saúde.

Além disso, cada vez mais ênfase é colocada na compreensão da saúde como um estado e como recurso que ajuda a atingir objetivos e cobrir as necessidades de indivíduos e grupos sociais em relação ao seu meio ambiente.

História da psicologia da saúde

As funções atualmente desempenhadas pela psicologia da saúde têm tradicionalmente recebido atenção em várias disciplinas.

O surgimento da psicologia da saúde pode ser visto como um processo lento e gradual. Nele encontramos vários momentos e contribuições importantes que devem ser mencionados para compreender o desenvolvimento deste campo.

O modelo biomédico e o modelo biopsicossocial

Tradicionalmente, o saúde de uma perspectiva dualística que separa corpo e mente. Essa visão estaria incluída no que chamamos de “modelo biomédico”, que se popularizou no Ocidente durante o Renascimento, período em que houve um reencontro com a ciência e a razão, superando as explicações religiosas que prevaleciam na época. .

No final do século XIX e princípios do XX o progresso da medicina trouxe uma mudança de rumo neste campo e em outros relacionados. Além de melhoria das intervenções médicas e qualidade de vida em geral, as doenças infecciosas, que até então eram o foco principal da medicina, podiam ser tratadas com mais eficácia. Isso mudou o foco da medicina para doenças crônicas relacionadas ao estilo de vida, como distúrbios cardiovasculares e câncer.

O modelo biopsicossocial proposto por Engel acabou substituindo o modelo biomédico. Em contraste, o modelo biopsicossocial enfatiza a relevância e a interação de fatores psicológicos e sociais com fatores biológicos. Esta perspectiva levanta a necessidade de tratamentos personalizados e interdisciplinares, uma vez que a intervenção deve contemplar os três tipos de variáveis.

    Influências e contexto

    Johnson, Weinman e Chater (2011) apontam para vários antecedentes fundamentais próximos no surgimento da psicologia da saúde como uma disciplina independente.

    Isso inclui a obtenção dados epidemiológicos relacionados ao comportamento de saúde, O surgimento da psicofisiologia e da psiconeuroimunologia e o acréscimo das ciências comportamentais e das habilidades de comunicação (para melhorar o relacionamento com os pacientes) à educação médica.

    O desenvolvimento de disciplinas como Medicina psicossomática e medicina comportamental. Ambos enfocam o tratamento de doenças físicas por meio de técnicas de intervenção psicológica, embora a psicossomática tenha se originado das abordagens psicodinâmicas e a medicina comportamental do comportamentalismo.

    Atualmente, o termo “medicina comportamental” é utilizado para designar um campo interdisciplinar que engloba as contribuições da psicologia, mas também de outras ciências, como farmacologia, nutrição, sociologia ou imunologia. Isso lhe dá um campo de ação mais amplo do que o da psicologia da saúde.

    O surgimento da psicologia da saúde como disciplina

    Em 1978, a American Psychological Association criou a sua 38ª Divisão: a pertencente à Psicologia da Saúde. Joseph D. Matarazzo foi nomeado presidente e a Divisão 38 logo depois de publicar seu primeiro livro (“Psicologia da Saúde. Um manual”) e um jornal oficial.

    Desde então, a psicologia da saúde se especializou na tratamento de doenças físicas e psicológicas, Como depressão. No entanto, o avanço desse ramo da psicologia foi mais rápido em alguns países do que em outros, por causa de sua relação com a saúde pública; por exemplo, na Espanha, o baixo investimento governamental em psicologia torna a psicologia da saúde uma especialização relativamente rara.

    Definição de psicologia da saúde: o que é?

    Embora a psicologia da saúde não tenha uma definição oficial, Matarazzo (1982) a descreve como uma área que engloba várias contribuições da psicologia em relação à educação, ciência e profissão, aplicada à saúde e à doença.

    A American Psychological Association propõe que a psicologia da saúde seja um campo interdisciplinar que aplica os conhecimentos adquiridos em psicologia. saúde e doença em programas de saúde. Essas intervenções são aplicadas na atenção primária ou em unidades médicas.

    Thielke et al. (2011) descrevem quatro subdisciplinas da psicologia da saúde: psicologia clínica da saúde, psicologia da saúde pública, psicologia da saúde comunitária e psicologia crítica da saúde, visando as desigualdades sociais relacionadas à saúde.

    Diferenças da psicologia clínica

    Quais são exatamente as diferenças entre psicologia da saúde e psicologia clínica? Na Espanha é fácil confundir esses dois ramos da psicologia, porque ambos fazem parte da ideia de uma intervenção em pacientes com problemas que os fazem sofrer ou que limitam sua autonomia. Contudo, eles não são exatamente os mesmos.

    A psicologia clínica visa diagnosticar e oferecer psicoterapia a pessoas com probabilidade de desenvolverem um transtorno psicológico, ou seja, que visa a saúde mental em face de transtornos cognitivos, emocionais ou comportamentais cuja gravidade às vezes excede o limite. Isso é clínico e prejudicial para saúde mental. Em contraste, a psicologia da saúde não concentra seus esforços na psicoterapia para reverter os sintomas de TOC, transtorno bipolar ou outras complicações semelhantes, mas busca encorajar hábitos saudáveis ​​do paciente em geral, bem como ” certificar-se de que você está informado e sabe como prevenir e reduzir o desconforto causado por uma determinada doença física ou mental.

    Claro, tenha em mente que essa diferença de categorias depende dos regulamentos de cada paísE em alguns lugares a psicologia clínica pode ser praticamente sinônimo de psicologia da saúde.

    alvos

    Para Matarazzo, a psicologia da saúde envolve várias etapas específicas que descreveremos a seguir.

    1. Promoção da saúde

    É um dos aspectos mais característicos da psicologia da saúde. A medicina tem sido tradicionalmente inadequada no tratamento de muitas doenças, especialmente aquelas que são crônicas e exigem uma mudança de hábitos, como doenças cardiovasculares ou problemas respiratórios devido ao fumo.

    A psicologia tem mais recursos para melhorar a adesão ao tratamento e a relação de qualidadenão entre o profissional e o paciente. Ele tem Ambas as variáveis ​​têm se mostrado fundamentais para a eficácia dos tratamentos médicos.

    2. Prevenção e tratamento de doenças

    A medicina e a psicologia clínica têm historicamente focado no tratamento de doenças (físicas e mentais, respectivamente). No entanto, ambos negligenciaram a prevenção de doenças, um aspecto essencial para alcançar a saúde plena.

    A psicologia da saúde tem sido aplicada a um grande número de doenças físicas. esses incluem distúrbios cardiovasculares, câncer, Asma, síndrome do intestino irritável, diabetes e dores crônicas, como aquelas derivadas de fibromialgia ou dores de cabeça.

    Além disso, a psicologia da saúde é a chave prevenção de problemas relacionados ao hábito prejudiciais à saúde, como as causadas pelo tabagismo ou obesidade.

    3. Identificação de correlatos etiológicos e diagnósticos

    A psicologia da saúde não deve se dedicar apenas às tarefas aplicadas de prevenção e tratamento de doenças, mas também a investigar ativamente os fatores que o influenciam em sua aparência e em seu curso.

    Nesse sentido, a psicologia da saúde incluiria contribuições da epidemiologia, psicologia básica e outras áreas de pesquisa úteis para várias disciplinas relacionadas à saúde.

    4. Análise e melhoria do sistema de saúde

    Esse aspecto da psicologia da saúde é essencial e envolve um componente político, na medida em que as medidas de saúde preconizadas pelos profissionais da psicologia da saúde devem ser implementado através do sistema público de saúde para alcançar mais pessoas.

    Porém, como já dissemos, dependendo do país em que estamos, esse objetivo ainda é um pouco um sonho.

    Perspectivas nesta área

    Existem duas perspectivas principais sobre os rumos que a psicologia da saúde deve tomar, que é um campo ainda muito jovem.

    Um deles argumenta que a disciplina deve se especializar em trazer conhecimento psicológico para doenças físicas; A psicologia da saúde seria, portanto, concebida como equivalente à saúde física de o que a psicologia clínica é para a saúde mental. No entanto, isso implica um retrocesso na concepção dualista do ser humano, com a separação do corpo e da mente como entidades independentes.

    O outro ponto de vista propõe antes que a psicologia clínica e a psicologia da saúde pertencem de fato ao mesmo campo de ação. A maior diferença entre os dois seria a ênfase na prevenção por meio da psicologia da saúde, dado o foco tradicional da clínica na patologia.

      Referências bibliográficas:

      • Amic Vázquez, I., Fernández Rodríguez, C. e Pérez Álvarez, M. (2003). Manual de Psicologia da Saúde. Madrid: pirâmide.
      • Johnson, M., Weinman, J. e Chater, A. (2011). Uma contribuição saudável. Psicologia da Saúde, 24 (12); 890-902.
      • Matarazzo, JD (1982). O desafio da saúde comportamental na psicologia acadêmica, científica e profissional. Psicólogo americano, 37 anos; 1-14.
      • Thielke, S., Thompson, A. e Stuart, R. (2011). Psicologia da saúde na atenção primária: pesquisas recentes e direções futuras. Pesquisa em psicologia e gestão comportamental, 4; 59-68.

      Deixe um comentário