Psicodrama de Jacob Levy Moreno: em que consiste?

Desde que começou a ganhar popularidade na Europa e nos Estados Unidos no início dos anos 1920, O psicodrama de Jacob Levy Moreno chamou a atenção de muitose.

Isso pode ser devido, em parte, às marcantes sessões de psicodrama: um grupo de pessoas que parece representar uma peça baseada na improvisação. No entanto, Levy Moreno projetar essas sessões como uma ferramenta de psicoterapia com base em suposições que vão além de apenas querer se divertir. Vamos ver qual é a teoria por trás do psicodrama e como ela molda as sessões em que é usado.


Quem foi Jacob Levy Moreno?

O criador do psicodrama nasceu em Bucareste em 1889 em uma família judia sefardita. Poucos anos depois de se mudar para Viena, em 1915, Levy Moreno deu início a uma iniciativa baseada na improvisação teatral, que deu lugar a uma proposta psicoterapêutica que chamou de psicodrama. O psicodrama partia da ideia de que expressar-se por meio da espontaneidade e da improvisação significava uma espécie de liberação pela criatividade, que dizia respeito às próprias experiências subjetivas por meio de dramatizações.

Além disso, Moreno estudou medicina na Universidade de Viena e lá ele entrou em contato com as idéias da teoria psicanalítica, Que foi cada vez mais aceito na Áustria durante a primeira metade da arte. XX Embora o pai do psicodrama rejeite muitas das suposições de Sigmund Freud, a psicanálise teve uma influência marcante em seu pensamento, como veremos. Da mesma forma, ele experimentou um tipo de intervenção que poderia ser considerada uma forma primitiva de grupo de autoajuda.

Em 1925, Levy Moreno mudou-se para os Estados Unidos da América, e de Nova York, ele começou a desenvolver psicodrama e outros elementos relacionados ao estudo de grupos, Como a sociometria. Ele também teorizou sobre formas de psicoterapia de grupo em geral, a partir de uma perspectiva heterodoxa que rejeitava o determinismo e defendia o papel da improvisação. Depois de dedicar grande parte de sua vida ao desenvolvimento de métodos de terapia de grupo, ele faleceu em 1974, aos 84 anos.

O que é psicodrama?

Para começar a entender o que é o psicodrama e quais objetivos ele busca alcançar por meio dele, primeiro revisamos suas aparências: a maneira como uma de suas sessões se desenrola. Para entender pelo menos o que veremos a seguir, basta entender duas coisas: que as sessões de psicodrama acontecem em grupo, mas que o psicodrama não busca abordar os problemas expressos por um grupo, mas usa a presença de muitos. pessoas para intervir nos problemas dos indivíduos, por sua vez.

Curtiu isso, em todos os momentos há um protagonista claro, a quem a sessão deve ser dirigida, Enquanto o resto das pessoas são membros que ajudam a realizar a sessão e que em algum momento também serão os protagonistas de seu próprio psicodrama.

Aqui estão as fases de uma sessão de psicodrama:

1. Aquecimento

Na primeira fase da sessão de psicodrama, um grupo de pessoas se reúne e a pessoa que energiza o evento incentiva os outros a fazerem exercícios para quebrar o gelo. O objetivo do aquecimento é deixar as pessoas desinibidas, cientes do início da sessão e mais propensas a se expressarem por meio de ações que, de outra forma, seriam bizarras em outro ambiente.

2. Dramatização

A dramatização está no centro das sessões de psicodrama. Neste, é escolhida uma das pessoas que frequentam o grupo, e esta explica um pouco qual o problema que o levou a frequentar a sessão e qual o enquadramento autobiográfico a que está associado. A pessoa que lidera a sessão tenta fazer com que o protagonista da fase de dramatização explique como ele percebe esse problema no tempo presente, em vez de tentar se lembrar de seus detalhes exatos.

Em seguida inicia-se a dramatização, na qual o protagonista é auxiliado pelos demais integrantes do grupo, que desempenham um papel, e todas as cenas improvisadas relacionadas ao problema a ser resolvido. No entanto, essa performance não segue um roteiro fixo, mas é baseada na improvisação apoiada em muito pouca orientação sobre como deve ser o palco. A ideia não é reproduzir fielmente cenas baseadas na realidade, mas oferecer um contexto semelhante a certos pontos essenciais; então veremos por quê.

3. Eco grupo

Na última fase, ttodos os envolvidos no show explicam o que ouviram, A forma como a performance os fez evocar experiências passadas.

Os fundamentos do psicodrama

Agora que vimos em que consiste essencialmente uma sessão típica de psicodrama, vamos ver em que princípios ela se baseia, qual é a filosofia por trás dela. Para tanto, devemos primeiro partir do conceito de catarse, inicialmente explicado pelo filósofo Aristóteles, como um fenômeno pelo qual a pessoa se compreende melhor depois de ter vivido uma obra que representa uma série de fatos. Era muito aplicável a dramatizações teatrais, nas quais quase sempre havia um clímax que buscava provocar emoções intensas nos espectadores e entregar um resultado que represente um processo de liberação emocional.

Para Jacob Levy Moreno, a ideia em que se baseava o potencial terapêutico do psicodrama era que ele permitia que a catarse passasse de um status secundário, vivido pelo espectador, para o de catarse ativa, vivida pelos protagonistas das dramatizações.

A teoria da espontaneidade-criatividade

E por que essa forma de catarse deveria ser melhor? Esta ideia foi baseada na teoria da espontaneidade-criatividadeDependendo de quais respostas criativas a situações imprevistas é o melhor mecanismo para descobrir novas soluções para velhos problemas que permanecem arraigados por muito tempo.

Em outras palavras, a incapacidade de ver além do caminho mental a que nos acostumamos ao analisar um problema deve ser quebrada participando de situações imprevistas. Por aqui, o processo de liberação emocional nasce de um fato criativo e espontâneo, Um pouco mais significativo para você do que uma ficção vista de fora da sala. Para que essa catarse criativa ocorra, não é necessário reproduzir exatamente as experiências passadas, mas é preciso trazer à tona na sessão elementos que no presente o protagonista considera significativos e relacionados ao conflito a ser enfrentado.

A relação entre psicodrama e psicanálise

A ligação entre o psicodrama de Jacob Levy Moreno e a corrente psicanalítica repousa, entre outras coisas, na implicação de que existe uma instância inconsciente da mente das pessoas e uma instância consciente.

Alguns problemas são resolvidos na parte inconsciente, fazendo com que a parte consciente experimente sintomas sem ser capaz de acessar sua origem. É por isso que os problemas com os quais se tenta abordar o psicodrama são concebidos como “conflitos”. Esta palavra expressa o choque entre o consciente e o inconsciente: Uma parte contém representações relacionadas à origem do problema e luta para expressá-las, enquanto a parte consciente quer que os sintomas que produzem as tentativas do inconsciente de expressar o que ele contém desapareçam.

Para Moreno, o psicodrama torna possível reproduzir os sintomas do problema pelos próprios atos guiado pela parte consciente de si mesmo; de certa forma, o problema se repete, mas desta vez o processo é dirigido pela consciência, permitindo se apropriar do conflito travado e integrá-lo de forma saudável em sua personalidade.

A psicanálise também tem buscado o objetivo de que as experiências bloqueadas surjam na consciência de uma forma sistemática para que o paciente possa reinterpretá-las, assim como as suas. No entanto, Jacob Levy Moreno não queria que essa tarefa se baseasse apenas na reinterpretação de algo, mas ele enfatizou a necessidade de processo de envolver também a participação de todo o corpo por meio dos movimentos que são realizadas durante uma encenação no palco.

a eficácia do psicodrama

O psicodrama não é uma das propostas terapêuticas com eficácia comprovada cientificamenteComo resultado, a comunidade de céticos da psicologia da saúde não o vê como uma ferramenta eficaz. Por outro lado, os fundamentos psicanalíticos em que se baseia foram rejeitados pela epistemologia em que se baseia a psicologia científica hoje.

Até certo ponto, o psicodrama se concentra tanto em experiências subjetivas quanto em seus próprios processos de significação que deveriam seus resultados não podem ser medidos de forma sistemática e objetiva. No entanto, os críticos dessa perspectiva apontam que há maneiras de se considerar os efeitos de qualquer psicoterapia nos pacientes, independentemente da subjetividade do problema.

Isso não diminui o fato de que o psicodrama continua a ser praticado, como acontece com as constelações familiares, as sessões podem se assemelhar às do psicodrama clássico de Jacob Levy Moreno. Por isso, diante dos problemas relacionados à saúde mental, optamos por alternativas com eficácia comprovada em diversos tipos de problemas, como a terapia cognitivo-comportamental.

Deixe um comentário