Por que evitamos psicoterapia?

Você deve ter notado que os humanos geralmente têm medo do desconhecido. Este é um efeito nerubiológico primitivo, que funciona automaticamente, projetado para nos proteger de qualquer perigo.

Quando nos deparamos com uma situação que nos coloca em perigo, sentimos medo. O medo atua como um alerta que, se soubermos ler, será útil para nós, como uma ferramenta que nos mobilizará para nos colocar fora de perigo, iniciando os mecanismos fisiológicos de defesa de luta, fuga ou congelamento. Deste modo, aprendemos a ler no ambiente certos padrões que nos fazem perceber o que é quotidiano e normal e perante o qual estamos seguros porque os riscos existentes não estão mais alertas porque já aprendemos a nos defender.


O oposto acontece quando surge algo novo que está fora do modelo.. Diante dessa novidade, não apenas não sabemos o que é, mas também não sabemos como lidar com ela; portanto, consideramos que estamos perante um risco potencial (emocional, físico, de vida e muitos outros) e que surge o medo e com isso iremos reagir de forma fisiológica de luta ou fuga.

    Quando não sabemos um pouco, nossa primeira tendência é estar alerta e o medo surge

    Essa forma de nos proteger funciona em todas as áreas de nossa vida. Por exemplo, quando nos oferecem um novo emprego, quando chega um novo colega, quando iniciamos um novo emprego ou um novo projeto, quando somos convidados a fazer novos amigos, quando nasce um filho, quando viajamos, quando iniciamos um relacionamento e sempre que enfrentamos desafios juntos e, claro, diante da situação pandêmica do COVID-19, entre tantas outras possibilidades.

    eu da mesma forma que acontece com nosso mundo interior, com nossa subjetividade. Acontece com muitas pessoas que isso lhes causa muito medo e até mesmo a recusa de olhar para o seu próprio mundo interior. Realizar um processo de terapia psicológica EMDR é ver, enfrentar a vida interior, aprender a olhar e encontrar o que o incomoda.

    O sentimento de medo na promoção do autoconhecimento na terapia

    Espera-se que o medo apareça, pois é desconhecido. Normalmente ninguém nos ensina, não aprenderemos a nos relacionar conosco, apenas com o exterior. Ensinam-nos que quando a gente sente pena de ter que chegar lá, “não chore”, eles nos diziam: “não tem nada igual, enxugue as lágrimas e venha jantar, não existe isso. Motivo para ficar triste ” Em outras palavras, aprendemos a evitar nossa atividade subjetiva. Ou aprendemos a negar o que acontece com a gente, como quando aconteceu com a gente: “Papai, eu tenho um problema, todas as crianças usam mochila verde e eu amarela e riem de mim … não é problema, problema é o que eu tenho que trabalhar, vai fazer o seu dever de casa. “

    Ao nos encorajarmos a evitar, negar e minimizar ainda mais nossas necessidades infantis, deve-se esperar que seja difícil para nós, como adultos, cuidar de nós mesmos, entender o que está acontecendo conosco e resolver nossos problemas.

    Tem muita gente que não se conhece, E quero dizer além de qualidades ou comportamentos visíveis, (ou seja, eu sou inteligente, tenho criatividade, adoro cantar, fico com raiva quando eles mentem para mim ou que sou sociável …). Quero dizer, olhe para a nossa mente e observe quais emoções surgem, o que sentimos, com o que o corpo está relacionado, quais são os pensamentos, crenças positivas e negativas sobre mim, o mundo, a visão de mundo.

    Para conseguir isso, você tem que se relacionar consigo mesmo, o que já é complexo se nunca foi feito. E tentar fazer isso é opressor porque você não sabe como fazer; na verdade, algumas pessoas se sentem tolas. E existe o “risco” de que podemos ver algo que não queremos ver, porque não saberíamos o que fazer com isso ou tolerar, O que resulta em algo desconhecido. Lembre-se que temos medo do desconhecido, do que está fora do modelo, porque nos tira da zona de conforto.

    O problema é que estamos mais focados no exterior, com um locus de controle colocado sobre o outro, e quando as dificuldades começam a surgir, sempre percebemos o que o outro está fazendo ou não, as falhas do outro ”. que os outros não gostem de mim, não me escutem, não sei o que me faz feliz ”, e damos mais controle aos outros do que a nós mesmos. Esperamos que eles nos dêem soluções ou que o outro mude para se sentir amado e, como isso não acontece, os desconfortos continuam e vão se tornando mais evidentes, opressores e incontroláveis.

    O que fazer?

    Para resolver o que está acontecendo conosco, devemos começar a parar de evitar, negar, minimizar nosso mundo interior, nossas reais necessidades de amor, nossas emoções e pensamentos, e começar a nos relacionarmos, a nos relacionarmos, a nos olharmos, mesmo que não gostemos do que vemos. Só assim compreenderemos em profundidade o que nos está a acontecer, as possíveis e variadas causas, para encontrarmos soluções e tomarmos decisões mais adequadas.

    Este é um dos primeiros desafios da terapia psicológica EMDR, fazer com que a pessoa se conheça, pare de evitar, identifique e atenda às suas necessidades de cuidados pessoais. Aquele que consegue dar o mergulho melhora sua qualidade de vida interior e, conseqüentemente, muda a forma como se lança na vida.. Porque seu paradigma de como ele vê a sociedade, as pessoas e os relacionamentos e como ele se vê, está mudando. Pensamentos e emoções são regulados, tanto medo, ansiedade, tristeza não são mais sentidos. As crenças negativas “Sim eu mesmo” foram adaptadas com convicção, com “sou amado”, “posso fazer”, “estou seguro”, “posso superar desafios”, entre outros, conforme o caso.

    Deixe um comentário