Por que é importante distinguir entre estar deprimido e estar triste

Numa época em que, infelizmente, é comum que experiências humanas perfeitamente normais sejam patologizadas, muitos confundem tristeza com depressão.

Algumas dessas pessoas pensam que esses tipos de rótulos relacionados ao mundo da saúde mental são apenas isso, rótulos, e por isso não vale a pena parar para pensar muito sobre se devemos de alguma forma chamar como nos sentimos.


No entanto, no campo da psicologia e da psiquiatria, esforços são feitos para delinear conceitualmente os processos mentais e comportamentais, e isso é visto claramente no campo da traçar uma linha entre transtornos de humor, como depressão e emoções como tristeza. Vamos ver por que é importante conhecer esses tipos de diferenças.

    Distinguir entre um transtorno e uma emoção

    O que é depressão? A depressão maior é um transtorno psicológico, ou seja, aparece nos manuais diagnósticos utilizados no mundo da saúde metal., como o DSM-5 (oficialmente rotulado como “transtorno depressivo maior”). Na verdade, é uma das doenças mentais mais comuns, estando presente em aproximadamente 2% da população mundial. Além disso, estima-se que entre 7 e 22% das pessoas desenvolverão esse transtorno em algum momento de suas vidas.

    Mas a depressão não é apenas uma psicopatologia muito comum, é também uma das mais perigosas. Embora nem todos os casos evoluam para uma depressão mais grave, se ela se tornar muito intensa, fará com que o sofredor se sinta pensamentos suicidas geralmente fantasiando sobre sua própria vida e muitas vezes tentando se matar.

    É por isso que são criadas cada vez mais campanhas de conscientização sobre saúde mental, porque quando as pessoas detectam os primeiros sintomas, as pessoas ir para a terapia o mais rápido possível porque com apoio profissional, pode superar o transtorno e recuperar uma qualidade de vida adequada.

    E o que é tristeza? É, como já disse, uma emoção humana. Isso significa, entre outras coisas, que está presente na vida de todas as pessoas sem transtornos psicológicos, e que, de fato, a incapacidade de senti-la é um sinal de que um exame médico e/ou neuropsicológico deve ser realizado.

    É verdade que geralmente quando estamos tristes preferimos não ficar tristes porque é uma experiência desagradável, mas se ampliarmos nosso alcance percebemos que esse elemento do nosso lado emocional tem funções importantes. Na realidade, todas as emoções básicas que sentimos estão lá por uma razão, tanto que podem ser encontrados em praticamente todas as espécies de mamíferos. A tristeza nos motiva a repetir as ações que nos afastam e a evitar aquelas que nos levam a essa emoção.

      A importância de diferenciar tristeza e depressão

      Agora que analisamos a depressão e a tristeza, podemos ver por que é importante distinguir entre as duas. A depressão, como problema de saúde mental, é um aspecto que requer apoio profissional por meio de tratamento ou combinação de tratamentos. Contudo, a tristeza nem é um problema em si; em todo caso, é a consequência de um problema que estamos passando, e talvez nem seja o mais importante.

      Além disso, enquanto a depressão é um sinal de que algo está errado em nossas vidas, a tristeza faz parte da normalidade, vivendo e nos expondo a diferentes situações quando interagimos com o mundo e com os outros. . Ninguém deve pensar em ficar triste, mas deve tentar levar uma vida que minimize o risco de desenvolver depressão (um transtorno que também está presente ao longo dos meses, quando ficamos tristes apenas por algumas horas ou alguns dias).

      A depressão também faz com que as pessoas se comportem de maneiras que alimentam o distúrbio., gerando um círculo vicioso; a tristeza não tem esse efeito, entre outras coisas porque a duração é menor e não altera significativamente os hábitos. Esta é outra razão pela qual a intervenção terapêutica precoce é importante com um transtorno depressivo.

      Por fim, também é importante saber a distinção entre os dois porque, além dos estereótipos, nem é verdade que todas as pessoas que sofrem de depressão se sentem muito tristes. Alguns chegam a um estado de achatamento afetivo em que sentem que nada lhes importa e, portanto, nem mesmo sentem as emoções intensamente; em todo caso, querem deixar de viver situações cotidianas psicologicamente desgastantes e frustrantes. A depressão é um fenômeno que vai além de uma emoção específica.

        Você gostaria de se beneficiar de ajuda psicológica profissional?

        Se você está passando por momentos difíceis e acha que sua vida diária está lhe causando sofrimento emocional, convido você a entrar em contato comigo.

        Meu nome é Tomás Santa Cecília e sou psicólogo especialista em psicologia cognitivo-comportamental; Atendo adultos e adolescentes quer durante a minha consulta em Madrid quer através da modalidade online por videochamada.

        Referências bibliográficas

        • Associação Americana de Psiquiatria. (2013). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Quinta edição. DSM-V. Mason, Barcelona.
        • Belloch, A.; Sandin, B. e Ramos, F. (2010). Manual de psicopatologia. Volumes I e II. Madri: McGraw Hill.
        • Foti, D. et ai. (2014). Disfunção de recompensa na depressão maior: evidências de neuroimagem multimodal para refinar o fenótipo melancólico. NeuroImage, 101, p. 50-58.
        • Tese, ME (1992). Tratamentos de longo prazo para transtornos depressivos recorrentes. J. Clin. Psiquiatria; 53.

        Deixe um comentário