Os 5 mitos mais comuns sobre ansiedade

A ansiedade é certamente uma das causas mais conhecidas de sofrimento psicológico.. Nas sociedades modernas, devido ao ritmo de trabalho e à grande carga de obrigações que os residentes que, sobretudo, vivem nas cidades, costumam ser diagnosticados com transtornos relacionados ao mau gerenciamento do estresse e do estresse. Trânsito, multidões, poluição, pressão no trabalho ou problemas familiares são algumas das causas.

No entanto, alguns especialistas alertam equívocos que existem sobre ansiedade, mitos sobre ela. Por muito tempo, certas idéias foram tidas como certas que, até o momento, foram categoricamente refutadas por vários estudos a esse respeito.


    O que é ansiedade?

    A ansiedade é um estado ou situação mental nos causa intenso estresse, insegurança acima do usual e que pode se tornar crônico se não tomarmos as medidas necessárias para combatê-lo. É uma reação totalmente involuntária que o corpo gera a estímulos, tanto externos quanto internos, que são percebidos pelas pessoas como uma ameaça.

    Normalmente este estado nos alerta até que o problema seja resolvidoEla ativa os mecanismos de defesa mental e isso leva a situações de sentimento negativo muito perturbadoras. Pensamentos obsessivos, desconforto na vida profissional e pessoal são as causas da ansiedade. E a insônia é um dos sintomas mais comuns em pessoas que sofrem de angústia, que da mesma forma condiciona nossa integridade física (cansaço no trabalho, defesas fracas).

    Outra coisa a ter em mente é que a ansiedade, em um grande número de casos, é gerada por um sentimento baseado em uma preocupação sem fundamento real e imaginário. Ou seja, às vezes as pessoas imaginam ou projetam uma situação negativa que não deveria acontecer e enfatizam demais um problema de menor importância.

    5 mitos de ansiedade

    Atualmente, temos ferramentas prontamente disponíveis para determinar o que acontece conosco se estivermos em uma situação anormal que esteja nos causando ansiedade. No entanto, esse progresso não se reflete no nível de conhecimento geralmente mantido sobre esse fenômeno psicológico. Nas linhas a seguir, veremos os pontos mais comuns quando não pensamos corretamente sobre a ansiedade.

    1. A ansiedade não é normal

    Sempre minimizamos os momentos de estresse e preocupação. “Vai acontecer com você, leia um pouco, saia e pratique esportes.” Esses são os conselhos mais comuns que damos a nós mesmos. Erro grave, não é necessário cair na normalização deste problema. Só nos Estados Unidos, quase 20% da população sofre de ansiedade, o que tem um claro impacto no sistema de saúde.

    2. Este não é um problema sério

    Na Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, professores de psiquiatria e especialistas em comportamento humano aconselham a não minimizar o fenômeno, porque pode causar distúrbios. A ansiedade não viaja por conta própria e pode evoluir para problemas de saúde, como o vício em substâncias nocivas, como um estado de depressão de longo prazo.

      3. Pessoas ansiosas são fracas e medrosas

      O transtorno de ansiedade geralmente está relacionado à sensação de medo. Este é um erro grave, segundo especialistas.

      É verdade que muitas imagens psíquicas revelam um certo grau de medo que causa ansiedadeMas não é uma condição que deva ser dada de forma essencial ou vinculada apenas à baixa autoestima. Os seres humanos com uma mentalidade e personalidade fortes também sofrem de ansiedade.

      4. O tempo cura tudo

      Pesquisadores da Universidade de Columbia explicam dicas a serem seguidas ao se deparar com uma situação de um amigo ou parente que está apresentando sintomas de ansiedade; Por mais curioso que pareça, as pessoas usam muito a temporalidade para curar esses tipos de distúrbios, mas não funciona. O que precisa ser feito nesses casos é mostrar empatia, compreensão. Isso tranquiliza muito os pacientes da consulta.

      5. Trauma como causa de ansiedade

      Certamente cai no diagnóstico errôneo de pessoas com ansiedade alegar que é devido a um trauma ou um pé passado, bem como uma má experiência prematura. Existem casos óbvios disso, com crianças crescendo em um ambiente hostil e adultos afirmando que não podiam lutar. Mas a realidade é que muitas vezes esse problema é baseado em predisposições genéticas e ambientes ansiosos em que o mau funcionamento que ele faz por longos períodos, não em eventos pontuais.

      Deixe um comentário