Os 4 efeitos psicológicos da culpa do sobrevivente

No caso das pessoas com doenças terminais, é comum falar-se em até que ponto nos acostumamos a dar como certa a possibilidade de continuar a viver, como se poder viver por mais décadas fosse algo que é dado a por padrão e no que nem vale a pena parar.

Visto em perspectiva, faz sentido que a maioria das pessoas viva suas próprias vidas dessa maneira: como a única constante desde o nascimento é estar vivo, isso passa a ser ignorado, misturando-se com o resto das coisas que vemos ao nosso redor e associamos ao que simplesmente está lá. independentemente da nossa existência: oceanos, montanhas, estrelas, etc.


No entanto, há pessoas que experimentam um sentimento que vai na direção oposta: percebem estar vivo não apenas como algo que não deveria ser dado como certo, mas como um luxo ou mesmo um privilégio, que não lhes pertence, um erro Do universo. Algo injusto, então eles não estão satisfeitos. Esse fenômeno é chamado de “culpa do sobrevivente”., e neste artigo vou explicar brevemente em que consiste.

    Qual é a culpa do sobrevivente?

    A culpa do sobrevivente, às vezes também conhecida como síndrome do sobrevivente, é um distúrbio emocional que ocorre em pessoas que sentem-se culpados por estarem vivos depois de terem passado por uma experiência traumática que levou à morte de outras pessoas.

    Tecnicamente, não é uma psicopatologia oficialmente reconhecida em manuais diagnósticos de psiquiatria ou psicologia clínica, mas é descrita como parte dos sintomas de estresse pós-traumático (ou seja, uma das consequências de um determinado transtorno mental). .

    Existem dois tipos principais de culpa do sobrevivente. Por um lado, há a variante em que a pessoa se sente culpada porque, do seu ponto de vista, não ter feito tudo para que uma ou mais pessoas sobrevivam em uma situação perigosa.

    Por outro lado, há casos em que a pessoa se sente culpada objetivamente ele não poderia ter feito nada proteger a partida dos outros (neste segundo tipo, o sentimento de culpa é mais difuso e difícil de expressar em termos lógicos, mas não deve ser menos intenso).

      Qual é a causa desta alteração?

      A causa da culpa do sobrevivente é uma combinação de três elementos psicológicos.

      Por um lado, a impressão emocional que deixa a pessoa com um determinado evento traumático, como um acidente de carro, um desastre natural com vítimas, um ataque no contexto de uma guerra, etc. Tais situações geram com bastante facilidade o transtorno que está na origem da culpa do sobrevivente: o transtorno de estresse pós-traumático. A pessoa experimenta uma forte reação emocional associada à ansiedade e angústia sempre que essas memórias agem em sua mente, a ponto de experimentar pensamentos intrusivos e “flashbacks” relacionados a essas experiências do passado.

      Por outro lado, também contribui para a culpa do sobrevivente um viés cognitivo chamado “teoria do mundo justo”: é uma tendência a supor que o que acontece ao nosso redor acontece ou deveria acontecer por meio de princípios morais; ou seja, leva-nos a pressupor que o mundo tende para a justiça, para um equilíbrio em que o bem compensa o mal que acontece (como se o que consideramos bom ou mau estivesse integrado nas leis da natureza).

      Terceiro, o terceiro elemento psicológico que faz parte das causas da culpa do sobrevivente é falta de auto-estima. Vendo como essa experiência traumática chama nossa atenção para ela (nos fazendo relembrar repetidamente de maneira muito intensa e dolorosa) e ao mesmo tempo sentir que esse evento não estava certo, a pessoa que é muito difícil se ver se recuperando com bons olhos, porque se questiona constantemente sobre o seu valor ou o “bem” que tem para oferecer ao mundo e aos outros.

        Como esse distúrbio emocional afeta as pessoas?

        Os principais efeitos da culpa do sobrevivente são descritos abaixo.

        1. Tendência a examinar constantemente seu passado

        As pessoas que sofrem deste distúrbio podem encontrar algum alívio apenas em recriar-se em suas memórias e manipulá-los conscientemente, fantasiando sobre como ele teria se comportado da maneira certa na hora certa. Mas essa dinâmica faz com que ele passe ainda mais tempo sofrendo para reviver essas memórias de um ângulo marcado pelo pessimismo e pela culpa.

          2. Tendência a comparar constantemente

          A pessoa é trazida para muitas vezes pensar se sua vida ou existência vale a pena em comparação com outras pessoas no presente ou no passado.

          3. Tendências autodestrutivas

          A culpa do sobrevivente é um dos elementos psicológicos ligados à ideação suicida e à automutilação ou “autopunição”. No entanto, a automutilação geralmente não visa o suicídio, mas a “punição” e silenciar momentaneamente o mal-estar gerando a miragem de que a justiça foi feita.

          4. Questões de gerenciamento de relacionamento pessoal

          Porque a culpa do sobrevivente também está ligada a relacionamentos pessoais do passado afeta muito como a pessoa se relaciona com os outros no presente. Ela luta para fazer amigos e se expressar honestamente na frente de pessoas próximas a ela, pois se sente alienada e incapaz de se conectar com os outros (entre outras coisas, porque acha que não merece).

            Você gostaria de se beneficiar de ajuda psicológica profissional?

            Se você precisar do apoio de um profissional de psicologia, convido você a entrar em contato comigo.

            O meu nome é Tomás Santa Cecilia e sou especialista no modelo de intervenção cognitivo-comportamental: trabalho para ajudar adultos, adolescentes e empresas ou outras organizações com necessidades na área do bem-estar emocional e gestão de relações pessoais. Pode contar com os meus serviços presencialmente em Madrid e através do modo de videochamada online.

            Referências bibliográficas

            • Broun, SN (1998). Compreendendo a Síndrome do Sobrevivente Pós-AIDS: Um Relato de Experiências Pessoais. Cuidados a Pacientes com AIDS e DSTs, 12(6): p. 481-488.
            • OnlineRyn, Z. (1990). A evolução dos transtornos mentais na síndrome do campo de concentração (síndrome KZ). Genet Soc Gen Psychol Monogr, 116 (1): pp. 21-36.
            • Wilson, JP; & Beverly, R. (1993). Fundamentos teóricos e conceituais das síndromes de estresse traumático. O manual internacional de síndromes de estresse traumático. Nova York: imprensa plenária.

            Deixe um comentário