O que são primeiros socorros psicológicos?

Quando psicólogos de emergência realizam uma intervençãoTanto nas emergências de massa como nas emergências do dia a dia, temos que levar em consideração a grande variedade de reações e sentimentos que podemos encontrar em cada paciente.

Isso dependerá em parte da natureza e da gravidade dos eventos e, em parte, das características pessoais da pessoa afetada, como suas experiências anteriores, o apoio social que recebem, seu histórico de saúde física e mental, sua cultura e sua idade. Todos esses elementos são levados em consideração nos primeiros socorros psicológicos.


Intervenção psicológica em situações de emergência

Nestes primeiros momentos de tensão que encontramos ao chegar ao local dos factos, claro, não vamos iniciar uma avaliação multi-método como faríamos na consulta. Nossa fonte de avaliação será, portanto, nossa observação da situação geral. e verbalizações do próprio paciente e testemunhas ou outro membro das forças de segurança.

O mesmo acontece com a intervenção e com a avaliação. Na maioria dos casos, ficaremos com eles por horas, mas não os veremos novamente, e geralmente o protocolo de escolha em uma emergência será o primeiros socorros psicológicos (PAP).

Primeiros socorros psicológicos

Foco em primeiros socorros psicológicos (PAP). eles são técnicas baseadas em evidências projetadas para ajudar todos os tipos de pessoas afetadas por um incidente crítico, Aplicar nas primeiras horas após o impacto. Após as primeiras 72 horas, eles não são mais a técnica de escolha.

Com sua aplicação, buscamos reduzir o nível de estresse e estimular a adaptação e adaptação a curto, médio e longo prazo.

Antes de aplicar os primeiros socorros psicológicos, é feito conhecimento do ambiente em que vamos trabalhar, o que aconteceu e o que vai acontecer. Também estabeleceremos comunicação com outro pessoal de emergência. para nos coordenar melhor.

Ao chegar ao local, é identificado quem precisa de atendimento. Sempre que possível, tentamos reunir as famílias para trabalhar com eles; É muito comum o surgimento de grupos espontâneos entre as pessoas afetadas, também trabalhamos com eles em grupo.

Por fim, vamos enfatizar mais uma vez que teremos que adaptar-se à diversidade da população com a qual trabalharemos. Em geral, serão de culturas muito diferentes e, portanto, teremos que adaptar nossa intervenção a isso.

Fases de primeiros socorros psicológicos

A aplicação dos PAPs está dividida em oito fases. A seguir veremos o que fazer e o que não fazer em cada um deles.

1. Contato e apresentação

A apresentação ao interessado deve ser feita de forma não intrusiva, explicando quem somos e o que fazemos. Não sobrecarregamos os afetados, ficamos por perto, mas sem ser intrusivos. Nesse ponto, a outra pessoa está em alerta, portanto, não há necessidade de deixar espaço para a incerteza, pois ela pode ser uma fonte de medo.

Uma boa abordagem é a chave para a aplicação correta e eficaz dos PAPs, pois dá o tom que terá toda a relação que irá acompanhar esta fase.

2. Alívio e proteção

As pessoas afetadas precisam saber que estamos lá para atender às suas necessidades básicas, para as quais estamos aqui que eles não se preocupem com mais coisas; desde a promoção de água e comida até um carregador de celular ou telefone para ajudar na reunião familiar. Dessa forma, eles podem relaxar gradualmente e parar de temer a incerteza do presente.

3. Estresse emocional

Em muitos casos, as pessoas afetadas por uma emergência eles estão em choque, desorientados e fora do lugar. Nossa tarefa como psicólogos de emergência será orientá-los no espaço e no tempo de forma não agressiva, adaptando-se à realidade do paciente.

4. Coleta de informações

A forma como interagimos com as pessoas afetadas é muito importante, precisamos fazer isso de uma forma que nos sintamos confortáveis, para que possamos acessar o máximo de informações possível para fornecer a ajuda mais eficaz.

Para isso, devemos falar devagar, explorar todas as necessidades e esclarecer as informações, além disso devemos priorizar e responder às prioridades de atendimento com base nos recursos disponíveis. Não devemos dar conselhos triviais, assim como não banalizar necessidades com base em nossas opiniões.

5. Assistência prática

Em primeiro lugar, é necessário antecipar informações práticas úteis de que as vítimas podem ainda não estar cientes, como a localização dos banheiros, pontos de reunião, lanches … etc.

Diante das dúvidas das pessoas afetadas por esta informação, seremos capazes de reduzir sua ansiedade e nós cumprimos a meta de atender às suas necessidades básicas. Assim, a ansiedade deixa de se acumular, já que estamos prestando atenção ao mais básico.

6. Conexão com a rede de assistência social

É muito importante ajudar as pessoas afetadas reconecte-se à sua rede de suporte. Forneça-lhes um número de telefone para contato ou, caso não tenham, entre em contato com as forças de segurança para solicitar sua assistência nessa tarefa.

Desde que ninguém acompanhe essa pessoa, de preferência sua rede de apoio, não iremos embora.

7. Diretrizes de adaptação

A tarefa mais importante será normalizar os sintomas, muitos afetados acham que, além do que aconteceu com eles ficando “loucos”, devemos nos afastar dessa ideia relatando as reações básicas de estresse esperadas dentro de horas e nos dias que virão.

Eles são treinados em técnicas básicas de relaxamento, sendo a respiração diafragmática a técnica de escolha, para que tenhamos sucesso. reduzir seu nível de atividade fisiológica e daremos a eles uma ferramenta para se adaptarem a possíveis sintomas futuros.

Pelo contrário, não se deve dizer que agora ele deve ser forte ou corajoso; a única coisa que fazemos com esta declaração é não permitir que a pessoa afetada experimente seus próprios recursos de enfrentamento.

8. Conexão com serviços externos

No final da intervenção, como fizemos no início, teremos que explicar que partimos e qual será o procedimento a partir daquele momento.

Não vamos deixar os atingidos sozinhos, vamos sair quando chegar a rede de apoio social da vítima ou, se não, o nosso resgate. Precisamos também orientar os atingidos quando e onde pedir ajuda, vinculando-o à rede pública de saúde.

final

Para concluir, gostaria de sublinhar a utilidade diária dos PAPs e a necessidade da sua formação junto da população, afinal não conhecemos todas as técnicas de primeiros socorros como a RCP ou a manobra de Heimlich?

Cuidamos não só do físico, mas também da mente.

Deixe um comentário