O que ninguém te contou sobre lidar com pensamentos obsessivos

O pensamento obsessivo tem a ver com imagens, memórias e/ou palavras cujo conteúdo é repetitivo e intrusivo.. Além disso, não há controle sobre eles, eles aparecem involuntariamente causando muito desconforto.

Eles não servem racionalmente, porque por mais que nossa cabeça se volte para a mesma coisa, deixamos de tirar conclusões positivas, caso contrário sobrecarregamos cada vez mais, aumentando nosso nível de ansiedade.


    Entendendo os pensamentos obsessivos

    vou te dar alguns exemplos de pensamentos obsessivos:

    • Eu vou morrer, essa dor no peito não é normal, não consigo respirar… Por quê? Terei mais alguma coisa? Será uma doença mais grave? Será uma doença mental?
    • Fico me perguntando se minha vida terá sentido ou não, se estou bem, se os outros vão me ver…
    • Continuo conversando com Pilar sobre o que ela me disse, como ela me chamou… Será que ela poderia ter ficado calada?
    • Não sei porque mas estou pensando em matar minha cabeça ou tenho pesadelos com os quais ele morre, tenho muito medo de pensar que algo possa acontecer com ele.
    • Estou com tanto medo de que minha mãe morra, que não consigo tirar isso da cabeça.
    • Alguma coisa tinha que acontecer com ele? será que aconteceu? Fui infiel?
    • Por quê isso aconteceu? Porque isto é assim? Eu não entendo. Não consigo encontrar a explicação.
    • Eu me jogaria nos trilhos… Minha vida tem algum sentido?
    • Meu corpo é horrível, meu nariz é feio.

    O que ninguém lhe contou sobre pensamentos obsessivos é que eles têm um propósito muito específico, embora emocionalmente.

      Jogada

      Existe um mecanismo de defesa psicanalítico que chamamos de deslocamento. As defesas são criadas em nossa primeira infância, para nos defender contra algo ou alguém que nos faria mal. Muitas vezes eles são alheios, nem lembramos que existiam quando éramos pequenos. Como esse perigo era tão grande que a mente de nosso filho podia lidar com ele, essa defesa tornou-se muito rígida. A defesa foi útil no contexto de perigo e/ou trauma anterior, mas hoje nem sempre é.

      A rolagem ocorre quando as emoções que sentimos na frente de algo ou alguém são muito desconfortáveis ​​ou simplesmente não sabemos como lidar com elas, então as movemos para frente. É algo assim, eles precisam sair para algum lugar e estão tão fora de controle para derrubá-los, então eles se tornam pensamentos ruminantes, apressados, sem sentido. Portanto, trabalhar a inteligência emocional será um fator muito importante para lidar com esses pensamentos obsessivos.

      Em minha experiência como psicólogo, vi que as emoções mais associadas aos pensamentos obsessivos são quatro: culpa, raiva, medo e dor emocional (ou tristeza). Além disso, há outro elemento claro nesses pensamentos obsessivos: a sensação de descontrole.

      Mas cuidado, culpa é traição. É uma emoção parasitária. Uma emoção parasitária é aquela que cobre outras emoções genuínas que estão tentando sair dela, como raiva, raiva ou dor emocional. E por que ele está lá? Porque era útil quando éramos pequenos, em nossa família ou na escola.

        Exemplos

        Vou te dar alguns exemplos.

        Quando eu era pequena, minha mãe sempre me dizia que eu era uma menina má quando ficava com raiva, então aprendi a me sentir culpada toda vez que tentava expressar uma necessidade ou colocar um problema. Como ninguém viu e validou minha emoção, comecei a pensar comigo mesmo: fiz errado? Serei culpado? Por que minha mãe é assim? Por que eu os imagino mortos? (porque você expressa raiva “matando-os” em sua fantasia).

        No entanto, quando eu era criança, minha mãe sempre foi internada por causa de doenças cardiovasculares. Ninguém me explicou, meu pai fingiu que nada tinha acontecido e me protegeu assim, achando que seria bom. Invisibilidade do medo e da dor Na verdade, a única maneira de continuar eram explicações possíveis porque minha mãe desapareceu de repente: para onde ela foi? Vai ficar tudo bem? Estarei bem? Acontecerá a mesma coisa comigo e com ela? Terei a mesma doença cardíaca? É errado explicar como me sinto quando meu pai tenta esconder isso? (culpa pelo medo).

        Além disso, quando eu era pequena e zangada, meus pais me puniam e paravam de falar comigo por dois dias. Eu também fui punido olhando para a parede. Minha raiva e medo de ser preso se transformaram nos seguintes pensamentos obsessivos: Por que estão fazendo isso comigo? Serei rejeitado se ficar com raiva novamente? Teria sido errado mostrar a eles minhas necessidades? Serei estúpido? (culpa interior e raiva porque não podem ser expressas externamente) Será que fui tão ruim assim? Eu tenho que morrer por ser tão ruim? (E, como adulto, meu parceiro já estará voltando para casa? Será que ele me será infiel? Minha vida tem algum sentido? Por que não morro?).

        Não posso esquecer de quando minha família sempre falava sobre a qualidade das roupas da minha irmã. Mesmo que o nariz da minha mãe fosse feio, meu pai sempre fazia isso. Minha mãe às vezes me dizia por que ela não me comprava outras roupas, o que me fazia sentir melhor. Ver sua dieta de vez em quando me deixou nervoso, vi a dor com toda a questão do peso e seu corpo.

        Milho ninguém falou sobre isso em casa. Mesmo que eles não tenham dito nada “direto” para mim ou meu físico, comecei a me preocupar. Foi ainda pior quando começaram a me chamar de porco na escola com o nariz levemente levantado. Pouco a pouco, desde criança, comecei a achar que não estava bem por dentro ou por fora. Então comecei a pensar: sou feia? Devo emagrecer? Serei uma fera estranha? Devo operar meu nariz? Minhas amigas são mais bonitas que eu? Faz sentido para alguém como eu estar nesta vida? (culpa e dor emocional).

          Características dos pensamentos obsessivos

          Pensamentos obsessivos, portanto, Muitas vezes são desencadeadas por situações em que usamos a repressão de emoções como medo, raiva ou dor emocional.. E então eles se movem.

          Aprendemos a fazer isso na infância. Pode ou não haver um componente parasita culpado, como expliquei. Às vezes, um pensamento ou uma cadeia de pensamentos apenas esconde uma emoção sem parasitas, ou várias emoções juntas.

          Contudo, há momentos em que esses pensamentos não têm gatilho externo (discussão com alguém, doença, dor ou evento), mas pode ser interno. De repente, uma memória traumática é ativada com emoções muito intensas que meu mundo interior não consegue lidar (raiva, medo, dor…) e então, de repente, não consigo parar de pensar. Um exemplo é a contenção que experimentamos durante a primeira onda de COVID. Por que tantas pessoas pediram ajuda psicológica novamente? Porque apenas estar isolado dá a eles mais tempo para passar tempo consigo mesmos e se conectar com seu mundo interior.

          Ao fazer essa conexão e parar, memórias antigas apagadas há muito tempo (quando sofri bullying na escola, quando meus pais me bateram, quando meu filhote morreu poden) podem vir à minha mente. ativar mecanismos obsessivos que são difíceis de erradicar.

          Essas obsessões podem nos fazer pensar na morte, no COVID desproporcionalmente, na terrível situação que pode estar no futuro, no nosso corpo, na morte… Quando na realidade o que está acontecendo é isso, longe de ser preocupante e obsessivo. algo real, o que está por baixo que estamos encobrindo são emoções que precisam ser tratadas.

          Que fatores podem provocar o desenvolvimento desses pensamentos obsessivo?

          Estes são os principais coisas que podem contribuir para o surgimento ou desencadear pensamentos obsessivos.

          • Casais assustados em geral. Medo do futuro, de doença física ou mental, etc.
          • Pais hipocondríacos. Focado em preocupações sobre questões de doença.
          • Pais negativos. Eles pensam de forma catastrófica e desesperada o tempo todo.
          • Pais que acham difícil regular suas emoções. Eles são muito mentais, racionais, focados em soluções e não tanto em emoções
          • Pais perfeccionistas. Tudo deve ser dominado, perfeito, ideal. Não há espaço para emoções, há espaço para o que eles vão dizer (muita importância aparentemente) e não vulnerabilidade, porque é considerado ruim e constrangedor. Portanto, há um medo de rejeição muito internalizada.
          • Pais que brincam com manipulação emocional, vitimização e chantagem. Algo como: “Garota, como você está com raiva, muitas vezes fora do personagem. Com tudo que faço por você. Você não pode me dizer, o quanto você me faz sofrer.”
          • Estrutura de personalidade que predispõe ao obsessivo. Todo mundo tem uma personalidade e pode ser mais ou menos propenso a desenvolver pensamentos obsessivos.
          • Eventos traumáticos para os quais o cérebro não consegue encontrar nenhuma explicação racional, muito menos processar a experiência emocionalmente. Há uma óbvia falta de controle para o indivíduo. Exemplos são acidentes, abuso, negligência, perda ou morte, bullying, etc.

          Como curar pensamentos obsessivos?

          Ele aceita que esta é uma defesa que em alguns contextos pode não ser útil.

          Devolver algo com cuidado para tomar a melhor decisão pode ajudar, há um benefício racional e emocional, mas nem sempre é o caso. Portanto, identifique com que idade ou em que ambiente você começou a desenvolver essa defesa obsessiva de não entrar em contato com suas emoções.

          1. Feche os olhos e localize a emoção em seu corpo.

          Dê um nome, depois forma, estrutura, cor… Respirar. Observe isso em seu corpo. Assim até que diminua ou aumente. A emoção vai passar.

            2. É raiva, medo ou dor…?

            Dependendo da emoção, haverá uma mensagem e ação diferente. Se estivermos com raiva, isso fará com que coloquemos limites ou nos afastemos da pessoa ou situação que nos feriu. Se for medo, precisamos nos proteger. Se for dor, teremos que chorar sozinhos ou com outros.

            3. É uma emoção do presente, do passado ou de ambos?

            Às vezes, uma discussão com alguém nos deixa com raiva porque não entendemos de onde vem. Talvez o que essa pessoa me disse tenha me lembrado o que outra pessoa disse (mãe, pai, primo, escola…) que me agrediu quando eu era pequena. Outras vezes, como as ondas do vírus COVID, elas podem reacender o medo que eu sentia quando era pequena quando minha mãe tinha ataques de ansiedade.

            4. Faça o que a emoção lhe pede no presente, desde que ela não responda ao passado.

            Por exemplo, posso estabelecer limites alguém que me insultou, mas não ficou escandalosamente bravo com alguém pelo simples fato de me lembrar de alguém do meu passado que fez algo errado comigo. Nesse caso, terei que fazer terapia para curar meu passado.

            A mesma coisa com o medo; se existe um vírus como o que produz o COVID, é óbvio que a partir daí é funcional ter medo. E eu tenho que me proteger com máscara, com vacinas… isso, apoiá-lo e transformar meu passado em terapia.

            5. Não se concentre em pensamentos obsessivos

            Aceite-o e entenda-o como uma defesa do passado que nem sempre é útil e se concentra na emoção. Se nos deixarmos levar por um pensamento obsessivo, só fortaleceremos essa defesa. Você também não está fazendo coerção, que é algo que tira a angústia desse pensamento obsessivo.

            Por exemplo, se você tem dor no peito e pensa que está tendo um ataque cardíaco o tempo todo, não procure informações na internet, não consulte um médico ou um ente querido… apenas demonstre essa emoção de medo fechando os olhos. e respiração. Em seguida, pergunte-se se essa emoção foi desencadeada por um gatilho presente ou por um trauma do passado relacionado à hipocondria, como neste caso.

            Conclusão…

            Em suma, ele acredita que emoções ouvidas, processadas e emocionalmente reguladas são o mesmo que pensamentos obsessivos erradicados. No entanto, lidar com emoções arraigadas do passado relacionadas a memórias dolorosas exigirá um processo psicoterapêutico por um especialista em trauma.

            Deixe um comentário