O que causa a auto-exigência disfuncional no trabalho?

A auto-exigência é fundamental em qualquer campo. Você só precisa ser mais criterioso ao ajudar os outros.

No entanto, tudo tem um limite. Uma coisa é ser exigente no sentido de ser responsável, consistente e esforçar-se para alcançar o que se propõe a fazer e outra, muito diferente, é ser obsessivamente perfeccionista, pedir mais do que podemos e fazer o nosso trabalho desempenho algo que determina nossa satisfação e autoestima.


O perfeccionismo inadequado, seja no trabalho ou em outro lugar, é prejudicial à nossa saúde e improdutivo.. Vamos ver quais são as causas da auto-exigência disfuncional no trabalho e suas consequências.

    As principais causas de disfunção da auto-exigência no trabalho

    Criou-se no mundo do trabalho uma cultura em que muitas vezes se transmite a ideia de que a busca da perfeição é um traço admirável. Dos cargos mais altos aos funcionários mais juniores, muitos trabalhadores estabelecem padrões cada vez mais altos na tentativa de ter sucesso. Muitos associam ser mais perfeccionista e escrupuloso a melhores resultados. Contudo, Até que ponto a busca da perfeição no local de trabalho faz mais mal do que bem?

    Autoexigência e perfeccionismo são bem vistos em nossa sociedade meritocrática, especialmente no trabalho. Quando falamos de um trabalhador exigente, imaginamos alguém consistente, obstinado, persistente em seus objetivos e muitas vezes bem-sucedido.

    Esta auto-exigência é adaptativa e funcional quando responde às nossas capacidades, aos nossos conhecimentos e adapta-se ao contexto.. É desejável trabalhar duro para ser mais eficiente e produtivo, desde que não nos cause desconforto e dê bons resultados.

    Embora se esforçar para melhorar a si mesmo no local de trabalho não seja inerentemente ruim, pesquisas científicas sugerem que o perfeccionismo pode ter um lado sombrio e prejudicar o indivíduo que o exibe. Esse excesso de perfeccionismo afetaria negativamente o desempenho laboral do trabalhador. Esse traço tem sido chamado de “perfeccionismo negativo”, “perfeccionismo mal adaptativo” ou mesmo “perfeccionismo neurótico”. Aqui vamos chamá-lo de “auto-exigência disfuncional”.

    Se ser muito perfeccionista no trabalho causa problemas e também isso resulta em pior desempenho, significa que nossa auto-exigência é claramente disfuncional. Um indivíduo tem alta auto-estima quando:

    • Ele não conhece seus próprios limites, trabalhando mais do que pode.
    • Metas muito altas ou inalcançáveis ​​são definidas
    • Transforme seus desafios em obrigações.
    • Seu comportamento no trabalho é governado por uma rígida autodisciplina.
    • Previsão e planejamento excessivos e ele se sente muito culpado se não cumprir.
    • Ele se esforça para alcançar seu objetivo apesar do sofrimento.
    • Incapacidade de delegar tarefas.
    • Medo de falhar.
    • Ele precisa de reconhecimento.
    • Sua auto-estima depende do resultado.
    • Foco excessivo no resultado e não no processo.
    • Viés negativo: Ele se preocupa mais com seus fracassos do que com suas realizações.
    • Alta autocrítica
    • Pensamento dicotômico: as coisas vão bem ou mal, não há meio termo.
    • Ele tem uma baixa tolerância à frustração.
    • Ele tem um sentimento constante de insatisfação.

    Esse perfeccionismo negativo leva a pessoa a elevar cada vez mais a fasquia, querendo fazer seu trabalho ou tarefas que lhe correspondam o mais próximo possível da perfeição, mas sem ter controle sobre isso. Por esta razão, a auto-exigência disfuncional pode ser muito prejudicial para a saúde mental e física do sujeito e levar a um pior desempenho no trabalho.

      As origens de uma auto-exigência disfuncional no trabalho

      Sendo uma característica multidimensional da nossa personalidade, a auto-exigência pode ter diferentes origens dependendo do seu grau e experiências particulares na nossa vida pessoal.

      Um fator importante que influencia o grau de auto-exigência por um trabalho na idade adulta é o ambiente em que crescemos. O perfeccionismo é aprendido, tendo suas origens tanto nas normas culturais dentro de uma sociedade quanto nos estilos parentais aos quais fomos submetidos quando crianças.

      Uma das possíveis causas, muito recorrente, é ter tido uma infância marcada pela exigência dos pais em relação a diversos aspectos, principalmente o desempenho escolar. Por exemplo, se nossos pais superestimassem nossas qualificações acadêmicas ou fossem muito rígidos em como administramos nossos estudos e hobbies, isso nos condicionaria a ter um desejo obsessivo de alcançar nossos objetivos profissionais e ter o melhor desempenho possível na idade adulta.

      Estabeleceram-se relações entre ser objeto de um estilo parental rigoroso e duro e atingir a idade adulta com tendências perfeccionistas excessivas. É comum que pessoas que cresceram em ambientes tão difíceis cheguem à idade adulta temendo que, se não fizerem a coisa certa, algo ruim acontecerá, além de sentirem vergonha e culpa.

      Auto-exigência disfuncional também pode ser um produto de nossa experiência pessoal com o trabalho. Pode estar relacionado ao fato de que em um momento em que sentimos que poderíamos ter feito melhor, ficamos obcecados em não fazer coisas tão “erradas” quanto pensávamos no passado. Por causa dessa experiência, vivida de forma quase traumática, a pessoa se esforça cada vez mais, elevando a fasquia cada vez mais e percebendo o próprio mau desempenho no trabalho como sinônimo de fracasso, vadiagem e falta de propósito.

      O mesmo vale para a influência que os outros têm sobre nós. Se conhecemos alguém que faz tudo bem, se sai muito bem no trabalho e parece uma pessoa de sucesso, provavelmente queremos imitá-lo. Isso nos fará comparar com essa pessoa e nos fará sentir que precisamos exigir mais de nós mesmos para chegar ao nível dela e, assim, sermos validados socialmente como ela.

        As consequências da auto-exigência excessiva pelo trabalho

        Como dissemos, a auto-exigência disfuncional no trabalho pode afetar a saúde física e mental de uma pessoa. Ter pensamentos e comportamentos quase obsessivos sobre como as tarefas devem ser feitas prejudica o tempo, a energia e a saúde da pessoa que as apresenta.

        A pesquisa científica confirma isso. O perfeccionismo desadaptativo tem sido associado a taxas mais altas de sintomas depressivos e ansiosos. Isso pode ser porque o perfeccionismo é frequentemente associado a altos níveis de neuroticismo, que está associado a altos níveis de ansiedade, estresse e burnout ou síndrome de burnout em todas as ocupações. O estresse também causa vários sintomas físicos e fisiológicos, como insônia, problemas gastrointestinais, fadiga crônica e tensão muscular.

        Mas, por último, mas não menos importante, o perfeccionismo disfuncional no local de trabalho não apenas prejudica a saúde mental e física, mas também leva a um desempenho mais baixo no trabalho. Em alguns casos, é um resultado direto de ansiedade, depressão e burnout. O inverso também é verdadeiro, que os sintomas de depressão e ansiedade surgem porque a pessoa sente que não é boa o suficiente para o seu trabalho por não cumprir tudo o que foi oferecido.

        Além disso, a alta ansiedade causada pela auto-exigência excessiva pode nos levar à inação. Por estabelecermos metas inatingíveis ou que demandam muito tempo e esforço para serem alcançadas, nos encontramos paralisados, incapazes de agir por causa do medo que nos faz fracassar. Isso fará com que percamos oportunidades ou não usemos nosso tempo de forma eficaz, alimentando nossa voz autocrítica que nos diz que somos inúteis e que falhamos constantemente.

        A auto-exigência disfuncional também pode ser “contagiosa”. Ter um trabalhador com excesso de perfeccionismo afeta o ambiente de trabalho, criando uma atmosfera neurótica no local que não só afetará o desempenho e a funcionalidade do próprio trabalhador neurótico, mas também prejudicará os outros.

        Em outras palavras, sim, é bom querer se superar e alcançar um desempenho o mais próximo possível da perfeição.

        Referências bibliográficas

        • Beheshtifar, M., Mazrae-Sefidi, F., & Nekoie Moghadam, M. (2011). Papel do perfeccionismo no trabalho. Revista Europeia de Ciências Econômicas, Financeiras e Administrativas, 38, 167-173.
        • Burke, RJ, Davis, RA e Flett, GL (2008). Tipos de workaholism-Perfeccionismo e resultados no trabalho. ISGUC The Journal of Industrial Relations and Human Resources, 10(4), 30-40.
        • Dunkley, DM, Zuroff, DC e Blankstein, KR (2003). Perfeccionismo autocrítico e afeto cotidiano: influências disposicionais e situacionais no estresse e no enfrentamento. Journal of Personality and Social Psychology, 84(1), 234.
        • Egan, SJ, Wade, TD, Shafran, R. e Antony, MM (2014). Tratamento cognitivo-comportamental do perfeccionismo. Nova York: Gilford.
        • Linnett, R. & Kibowski, F. (2020) Uma abordagem multidimensional ao perfeccionismo e autocompaixão, Self and Identity, 19: 7, 757-783, DOI: 10.1080/15298868.2019.1669695
        • Shafran, R., Cooper, Z. e Fairburn, CG (2002). Perfeccionismo clínico: uma análise cognitivo-comportamental. Behavioral Research and Therapy, 40, 773-791.
        • Shafran, R., Egan, S. e Wade, T. (2010). Superando o perfeccionismo: um manual de auto-ajuda usando técnicas cognitivo-comportamentais. Londres: Robinson.
        • Stoeber, J., Hoyle, A. & Last, F. (2013) Consequências da escala de perfeccionismo, medição e avaliação no aconselhamento e desenvolvimento, 46: 3, 178-191, DOI: 10.1177/0748175613481981

        Deixe um comentário