O modelo de processo duplo de luto: uma abordagem alternativa

O desenvolvimento do duelo diante de uma determinada perda torna-se um evento muito complexo para o indivíduo, tanto do ponto de vista emocional, cognitivo quanto comportamental.

Parece óbvia a diferenciação quanto à dificuldade desse processo dadas as circunstâncias externas que envolveram essa perda, como as peculiaridades em que ocorreu (seja súbita ou progressiva), o tipo de conexão entre o objeto da perda, o luto e o sobrevivente ou habilidades que essa pessoa possui para lidar com tais situações, e assim por diante.


Neste artigo vamos nos concentrar no modelo de processo de luto duplo e suas implicações.

    As primeiras abordagens: as etapas do desenvolvimento do duelo

    Mais tradicionalmente, por um lado, um certo consenso foi estabelecido entre vários autores especialistas na área, um conjunto de etapas pelas quais as pessoas devem passar durante o desenvolvimento psicológico do processo de luto. No entanto, também se aceita como consideravelmente validada a ideia de que nem todos os indivíduos seguem o mesmo padrão ao vivenciar essas fases.

    Por exemplo, o modelo reconhecido de Elisabeth Kübler-Ross (1969) assume os cinco estágios: negação, raiva, negociação, depressão e aceitação; enquanto Robert A. Neimeyer (2000) se refere ao “ciclo do luto” como um processo extremamente variável e particular onde ajustes vitais permanentes ocorrem durante a evitação (falta de consciência da perda), assimilação (hipótese do luto). tristeza e solidão e isolamento do meio social) e acomodação (adaptação à nova situação na ausência do objeto de luto).

    Apesar dessas discrepâncias em termos do número de estágios ou do rótulo conceitual atribuído a eles, parece ser um fenômeno nuclear entender o luto como um período de transição de não aceitação para assimilação, Onde os sentimentos de tristeza, saudade, raiva, apatia, solidão, culpa, etc. são combinados. com um retorno gradual às obrigações, responsabilidades e projetos de vida pessoal.

    No começo ele tem um peso maior o primeiro conjunto de reações emocionaisMas, aos poucos, o segundo elemento relacionado à ativação comportamental torna-se mais relevante, até se equilibrar em relação a estes. Isso permite que a pessoa avalie essa perda de uma perspectiva mais holística, pois o retorno à rotina permite que a pessoa se conecte de forma mais realista com o mundo ao seu redor e de alguma forma se afaste dele. Sua atenção, movendo-se do objeto da perda para o objeto da perda. reabilitação vital de diferentes áreas pessoais.

    O modelo do duplo processo de luto

    Essa ideia é o que Margaret Stroebe representa em seu modelo “Dual Process of Grief” (1999), onde a pesquisadora explica que a gestão do luto implica que a pessoa se mova continuamente entre as razões para uma “operação orientada para a perda” e uma “operação orientada para a perda”. em direção à reconstrução ”.

    Operação movida a perdas

    Nesse primeiro processo, a pessoa concentra sua carga emocional em vivenciar, explorar e se expressar de diferentes formas (verbal ou comportamental) para compreender o significado que a perda implica em sua própria vida.

    Curtiu isso, o sobrevivente está em um período de introspecção, O que poderia ser metaforicamente entendido como um processo de “economia de energia comportamental” para consolidar este objetivo primordial. As manifestações mais características desse primeiro ciclo são: estar em contato com a perda, focar na própria dor, chorar, falar sobre ela, manter um comportamento passivo, ter sentimentos de desesperança, isolamento, necessidade de descarregar emocionalmente, promover memória, ou, finalmente, negar a possibilidade de recuperação.

    Operação focada na reconstrução

    Nesse ponto, pequenos episódios aparecem no indivíduo de uma “operação orientada para a reconstrução”, cuja frequência e duração aumentam com o tempo. Assim, é observado na pessoa como invista seus esforços e concentração nos ajustes que você precisa fazer nas diferentes áreas vitais: Família, trabalho, social. Isso apresenta o objetivo de poder canalizar para fora a afetação vivida na fase mais aguda do luto.

    Essa operação conta com ações como: desligar-se da perda, tendência a negar a situação, distrair, minimizar o impacto, racionalizar a experiência, evitar chorar ou falar sobre a perda, focar no redirecionamento de pessoas. Áreas vitais, adotar uma atitude mais ativa ou foco na promoção de relacionamentos interpessoais.

    A negação da perda como elemento central do modelo

    Neste modelo, colocamos, como vimos no parágrafo anterior, que a negação da perda ocorre durante todo o processo desenvolvimento do duelo, estando presente em ambos os tipos de operação, e não exclusivamente nas fases iniciais, como colocam outros modelos teóricos mais tradicionais.

    Esta recusa, é entendido como uma resposta adaptativa o que permite ao indivíduo não focar constantemente na realidade da perda, mas se acostumar com ela de forma mais gradual. Essa gradação evita a vivência de dores muito intensas (e insuportáveis) que implicariam em enfrentar a hipótese de perda de maneira imediata e abrupta.

    Entre muitos outros, alguns especialistas como Shear et al. (2005) elaborou um programa de intervenção psicológica de acordo com os postulados de Stroebe. Esses estudos se concentraram em trabalhar com pacientes no componente indicado de negação da ansiedade (ou funcionamento orientado para a perda) e negação depressiva (ou funcionamento orientado para a reconstrução) da perda. Os elementos centrais deste tipo de terapia foram incluídos componentes de exposição comportamental gradual e personalizada e reestruturação cognitiva.

    Shear e a sua equipa obtiveram resultados muito promissores ao nível da eficácia das intervenções realizadas, tendo ao mesmo tempo um nível de rigor científico suficiente na concepção e controlo das diferentes situações experimentais. Em suma, parece ter sido observado que as abordagens cognitivo-comportamentais oferecem um nível adequado de eficácia nesses pacientes.

      conclusão

      O modelo apresentado neste texto busca propor uma conceituação do luto centrada no processo e busca afastar-se de uma perspectiva mais “faseada” como preconizado por propostas anteriores. Sim, o baixo nível de uniformidade na vivência do luto pessoal parece contrastado, assumindo a peculiaridade com que esse fenômeno opera em cada indivíduo.

      Isso é explicado por diferenças nas habilidades de enfrentamento e recursos psicológicos ou emocionais. o que cada indivíduo tem. Assim, embora a eficácia geral das intervenções psicológicas relacionadas a esse objetivo tenha aumentado nas últimas décadas, elas ainda apresentam um índice de eficácia limitado e aprimorado, que deve ser vinculado a novas pesquisas nessa área do conhecimento.

      Referências bibliográficas:

      • Neimeyer, RA, & Ramírez, YG (2007). Aprendendo com a perda: um guia para lidar com o luto. Paidos.
      • Shear, K., Frank, E., Houck, P. e Reynolds, C. (2005). Tratamento da dor complicada: um ensaio clínico randomizado. JAMA, 293.2601-2608.
      • Stroebe M., Schut H. & Boerner K. (2017) Modelos de adaptação de duelo: um resumo atualizado. Studies in Psychology, 38: 3, 582-607.
      • Stroebe, MS e Schut, HAW (1999). O modelo de processo duplo para lidar com o luto: justificativa e descrição. Death Studies, 23.197-224.

      Deixe um comentário