Neofobia (medo de novidades): sintomas, causas e tratamento

Diante da novidade, tudo o que nos é desconhecido gera sempre um certo sentimento de tensão e até um pouco de nervosismo. Essa resposta pode ser bastante natural, desde que esteja dentro de certos limites, de não sabermos o que vamos enfrentar ou se vamos gostar ou não.

Porém, quando essa resposta se torna desproporcional e excessiva, a ponto de interferir no dia a dia da pessoa, podemos ser confrontados com um caso de neofobia. Neste artigo vamos falar sobre as características que a definem, bem como a relação com a neofobia alimentar.


    O que é neofobia?

    Na longa lista de transtornos de ansiedade ou fobias específicas, encontramos condições tão curiosas quanto a neofobia. Este transtorno é caracterizado por um medo desproporcional, persistente, irracional e incontrolável de todas essas situações que são percebidas como novas.

    Para essas pessoas, acontecimentos como enfrentar o primeiro dia de trabalho ou de escola, bem como ter que se deslocar para um lugar desconhecido ou ter uma experiência que nunca tiveram antes são virtualmente impossíveis devido à ansiedade e aos tormentos que sofreram. impossível lidar com essas situações.

    Existem muitas situações que podem gerar medo e ansiedade. pessoas neofóbicas, incluindo qualquer tipo de mudança em sua vida ou rotina.

    Pacientes com neofobia são caracterizados por serem pessoas muito rotineiras, com estilos de vida estabelecidos e preferências por tudo o que lhes é familiar. Portanto, esse transtorno de ansiedade se torna um escudo protetor para todas as pessoas que eles têm medo de quebrar suas rotinas.

    Por outro lado, a nosofobia pode se manifestar como uma forma de ter controle sobre o que o cerca, pois uma nova situação implica necessariamente uma certa margem de incerteza, o que gera o medo de não conseguir controlar a situação.

      E a neofobia alimentar?

      Na categoria de neofobia encontramos uma situação especial, que por sua alta incidência tem nome próprio. É a nosofobia alimentar. Este tipo de modificação consiste em resistência constante, insistente e aumentada para experimentar novos alimentos.

      Ou seja, as pessoas com neofobia alimentar evitam, de todas as maneiras possíveis, experimentar ou comer alimentos que nunca experimentaram antes. Embora nem sempre porque, em casos mais graves, a neofobia alimentar pode evoluir para um transtorno alimentar, ela é especificamente apresentada como um sintoma de transtorno de abstinência / restrição alimentar.

      Este distúrbio ocorre principalmente em crianças pequenas, Que apresentam uma forte resistência à ingestão de certas frutas ou vegetais. Neste caso particular da neofobia alimentar infantil, está associada a certos fatores de personalidade, como irritabilidade, tristeza ou desconforto e tende a se acentuar entre 2 e 6 anos.

      Após esse estágio, os sintomas de neofobia diminuem, embora possam persistir na idade adulta, na maioria das vezes acompanhados por outros sintomas emocionais, como ansiedade e angústia.

      Quais são os sintomas?

      Os principais sintomas da neofobia eles são típicos de qualquer transtorno de ansiedade específicoIsso inclui sentir altos níveis de ansiedade quando se trata de enfrentar a situação temida ou mesmo apenas imaginá-la.

      No entanto, há um grande número de sintomas associados à neofobia. Eles podem ser classificados em sintomas físicos, sintomas cognitivos e sintomas comportamentais. Embora não precisem aparecer da mesma maneira e com a mesma intensidade em todos, eles terão que experimentar sinais de todas as três categorias.

      1. Sintomas físicos

      A experimentação de altos níveis de ansiedade e angústia causados ​​por medo fóbico geralmente envolvem uma série de mudanças e alterações no corpo. Isso se deve ao fato de que ocorre um sistema nervoso hiperativo, que pode causar os seguintes sintomas:

      • A frequência cardíaca aumentou.
      • Aumento da frequência respiratória.
      • Sensação de asfixia ou falta de ar.
      • Aumento da transpiração.
      • Aumento da tensão muscular.
      • Dor de cabeça.

      • mudanças gástricas.
      • Vertigem e vertigem.
      • Náusea e / ou vômito.
      • Desmaio.

      2. Sintomas cognitivos

      Junto com a sintomatologia física, a neofobia é caracterizada pela apresentação uma série de crenças distorcidas e pensamentos irracionais na situação temida. Nesse caso, a qualquer coisa que seja percebida como nova.

      Esta sintomatologia cognitiva é apresentada da seguinte forma:

      • Ideias intrusivas e incontroláveis ​​sobre o perigo ou supostos riscos do estímulo fóbico.
      • especulação obsessiva.
      • Imaginação catastrófica.
      • Medo de perder o controle e não ser capaz de lidar com a situação de forma eficaz.

      3. Sintomas comportamentais

      Finalmente, os sintomas comportamentais incluem qualquer repertório de comportamentos que a pessoa realiza com a intenção de evitar ou escapar da situação temida. Esses comportamentos são chamados ramais ou dutos de exaustão.

      O primeiro tipo, comportamentos de evitação, inclui todos os atos que visam evitar o encontro de uma nova situação. Seguir a rotina diária de maneira inflexível ou evitar o contato com qualquer coisa que não esteja familiarizada com ela permite que a pessoa evite temporariamente os sentimentos de ansiedade e ansiedade típicos de uma fobia.

      Por outro lado, os comportamentos de fuga aparecem quando a pessoa com neofobia não conseguiu evitar a situação temida, portanto, fará o possível para escapar da situação o mais rápido possível.

      Quais são as causas?

      A tarefa de determinar de forma concisa a origem de uma fobia pode ser muito complicada, pois nem sempre há um evento que a desencadeia. Seja como for, a existência de uma predisposição genética, com experimentando experiências e eventos altamente traumáticosEles podem promover o aparecimento de uma fobia específica, como a neofobia.

      Da mesma forma, existem muitos outros fatores que podem predispor a pessoa a desenvolver uma fobia específica. Entre eles estão certos tipos de personalidade, estilos cognitivos ou a influência da aprendizagem por procuração.

      Existe um tratamento?

      Nos casos em que a neofobia interfere significativamente na vida diária da pessoa, é aconselhável consultar um profissional de saúde mental. Atualmente, podem ser encontradas diferentes intervenções psicológicas que podem promover a remissão dos sintomas até o seu desaparecimento.

      Tratamentos psicológicos cognitivo-comportamentais eles usam técnicas de reestruturação cognitiva que podem ajudar a eliminar idéias e crenças irracionais, que freqüentemente formam a base desse transtorno.

      Esta intervenção cognitiva é mais eficaz se for acompanhada de tratamentos como a dessensibilização sistemática ou exposição ao vivo que exponha o paciente, de forma gradual e acompanhada de treino em técnicas de relaxamento, pensamentos ou situações que provoquem esse medo.

      Deixe um comentário