Modelos de psicopatologia: 3 maneiras de entender os transtornos mentais

Embora não haja uma definição unânime para explicar o conceito da chamada psicopatologia, dentro da clínica refere-se ao campo da psicologia e da medicina que trata do estudo dos sintomas e/ou distúrbios psicológicos que podem ser uma série de manifestações inusitadas ou inadequadas comportamentos e/ou pensamentos para realizar uma nosografia ou uma classificação e descrição de transtornos mentais.

Para que haja uma correta avaliação, diagnóstico e tratamento adequado das diferentes psicopatologias, existem vários modelos de psicopatologia com esta tarefa.


Os diferentes modelos de psicopatologia, embora tenham diferentes perspectivas teóricas sobre o que é comportamento anormal, seguem os mesmos critérios de detecção de possíveis psicopatologias, embora os diferentes critérios tenham diferentes graus de relevância em cada um dos modelos existentes.

Neste artigo os principais modelos de psicopatologia serão brevemente explicados e os critérios comuns que esses modelos possuem também serão vistos.

    Critérios gerais para modelos de psicopatologia

    Os principais critérios utilizados nos diferentes modelos de psicopatologia são mais ou menos relevantes dependendo de sua concepção do que é a psicopatologia.

    Os seguintes critérios servem para demarcar a psicopatologia da normalidade e ao mesmo tempo para compreendê-la. Para todos os modelos de psicopatologia, é importante levar em conta todos esses critérios para poder explicar quando uma pessoa sofre de qualquer tipo de patologia psicológica.

    1. O critério estatístico

    Este critério dos modelos de psicopatologia baseia-se na quantificação dos fatos no nível psicológico pelo uso de técnicas estatísticas e sua distribuição normal na população, como o sino gaussiano.

    Esse critério leva em consideração que uma psicopatologia seria aquela que se desvia da normalidade; ou seja, o que é raro entre a população, portanto, poucos casos semelhantes são vistos.

    Ao mesmo tempo, considera que uma alteração psicológica é produzida por defeito ou por excesso de uma característica normal, de modo que as diferenças entre psicopatologia e normalidade são quantitativas e, portanto, o que é psicopatológico é o que é raro, mas tem os mesmos elementos do que é considerado normal.

      2. O critério interpessoal ou social

      De acordo com este critério de modelos de psicopatologia, comportamentos normais e saudáveis ​​seriam aqueles que permitem que uma pessoa se adapte ao ambiente seguindo os padrões usuais e esperados dentro de sua sociedade e sua cultura quanto ao comportamento correto que deve adotar para os diferentes membros que lhe pertencem, o que poderia ser visto como uma normalidade adaptativa.

      Assim, um comportamento seria considerado anormal se não estivesse em conformidade com os padrões socioculturais de comportamento, o que dificulta a integração do indivíduo na sociedade.

      No entanto, este critério não é sem limites, pois a sociedade está em constante mudança e as regras podem mudar ao mesmo tempo, ficando claro que existem comportamentos que há 50 anos eram considerados normais e agora não e vice-versa. Deve-se notar também que este não é um critério único, mas geralmente é considerado em conjunto com outros, portanto, o comportamento que não está em conformidade com as normas sociais por si só não é suficiente para diagnosticar a psicopatologia.

      Seguindo esse modelo, o psiquiatra americano Harry Sullivan propôs um critério consensual no qual psicopatologia dependia de normas sociais, ou seja, o consenso que existia dentro de uma determinada sociedade em um determinado momento.

        3. O critério subjetivo

        A partir deste critério modelos de psicopatologia seria a pessoa responsável por fazer a avaliação do seu próprio estado de saúde como normal ou se detectar um problema, caso em que ele deve falar comportamentalmente e verbalmente com o profissional de saúde mental responsável por seus cuidados e tratamento.

        Caso a pessoa sofra de algum tipo de demência ou transtorno do espectro da esquizofrenia, é comum que ela tenha pouca ou nenhuma consciência de tê-lo, por isso será bastante difícil para ela expressá-lo.

        Dentro deste critério, é interessante destacar um critério que lhe serve de variante e que foi proposto por Kurt Schneider, segundo o qual a psicopatologia seria detectada através do sofrimento pessoal do paciente.

          4. O critério biológico

          Finalmente, de acordo com este critério, os modelos de psicopatologia A psicopatologia é concebida de acordo com a existência ou não de uma disfunção ou alterações no bom funcionamento do organismo, levando em consideração fatores hereditários, bioquímicos, imunológicos, etc.

          Neste caso, a nomenclatura das diferentes psicopatologias começa com os seguintes prefixos dependendo das causas:

          • Com o prefixo “a”, são aquelas psicopatologias em que há falta.
          • Com o prefixo “dis” existem psicopatologias nas quais existem patógenos externos.
          • Com o prefixo “hiper” ou “hipo”, quando o equilíbrio de processos ou estruturas relacionadas é perturbado.

            Principais modelos de psicopatologia

            Vejamos um breve resumo dos modelos de psicopatologia utilizados no campo da saúde mental.

            1. Modelo biomédico

            O primeiro dos grandes modelos de psicopatologia está em uso desde Hipócrates, sendo quem os desenvolveu em relação ao seu conceito de “patologia dos humores” e só no século XIX conseguiu se estabelecer na comunidade científica, graças ao desenvolvimento de Kraepelin sobre a classificação das doenças em que há doença mental relacionados a problemas orgânicos.

            No século vinte, com a descoberta e fabricação de medicamentos para o tratamento de doenças mentais, esse modelo tornou-se mais relevante e é já no século XIX que ela acaba de se proliferar devido ao aumento considerável das prescrições de psicofármacos para alívio de doenças mentais, além da referência aos profissionais de saúde mental que prestam terapia psicológica, embora apresentem melhores resultados a longo prazo e Sem efeitos colaterais.

            De acordo com o modelo biomédico, uma psicopatologia ou transtorno mental é exatamente o mesmo que qualquer outra doença física, assim considera que os transtornos mentais têm uma etiologia orgânica, seja no nível cerebral, endócrino, funcional, etc.

            O modelo biomédico desenvolveu os seguintes conceitos com o objetivo de agrupar os transtornos psicológicos em categorias diagnósticas:

            • Sinal: é o indicador objetivo que permite detectar um processo anormal no nível orgânico.
            • Sintoma: É um indicador subjetivo de sensação anormal em um nível funcional, orgânico ou ambos.
            • Síndrome: é o conjunto de sintomas e sinais que possibilita estabelecer um quadro clínico para o diagnóstico.

            A partir do modelo biomédico, considerando as psicopatologias ou transtornos mentais como doença, os critérios são categóricos (se existe ou não uma doença), não há, portanto, um continuum entre normalidade e psicopatologia.

              2. Modelo cognitivo

              Outro modelo de psicopatologia é o modelo comportamental que foi desenvolvido pela primeira vez por Wilhelm Wundt e William James no início do século 20, com suas pesquisas sobre consciência e atividade mental, e que cresceu em popularidade ao longo dos anos. 1950..

              O modelo cognitivo é um modelo de psicopatologia em que fenômenos cognitivos ou mentais têm precedência sobre comportamentos anormais no diagnóstico de um transtorno mental, razão pela qual os fenômenos subjetivos são tão relevantes. maneira que o psicólogo está atento tanto ao conteúdo quanto à forma das informações fornecidas pelo paciente em consulta.

              Este modelo concentra-se no estudo do funcionamento dos processos de conhecimento que são anormal.

              Além disso, considera o paciente uma pessoa ativa, responsável e autoconsciente, por isso não é em detrimento do que está acontecendo no ambiente, mas tem sua própria vontade de agir por conta própria.

              De acordo com o modelo cognitivo, para uma pessoa gozar de boa saúde mental, ela deve atender aos seguintes critérios: capacidade de adaptação às demandas que surgem, ter autodeterminação e autonomia, ao mesmo tempo em que tem a capacidade de renovar a função de mudança.

                3. Modelo comportamental

                O terceiro modelo de psicopatologia é o modelo comportamental, que surgiu na década de 1960, sendo um novo paradigma na psicologia graças ao aprendizado bem sucedido da psicologia na época, enquanto críticos do modelo biológico utilizado para diagnosticar transtornos psicológicos.

                Entre as características do modelo comportamental está sua objetividade, pois é um modelo que enfatiza fenômenos quantificáveis ​​e objetivos, juntamente com a relação entre o comportamento e o meio ambiente.

                Por outro lado, esse modelo rejeita o conceito de doença e utiliza os princípios da aprendizagem para desenvolver a base teórica. ano.

                Para este modelo, o comportamento anormal difere quantitativamente da normalidade, então eles se movem em um continuum, então não temos essa concepção qualitativa de psicopatologias, em que apenas concebíamos que uma psicopatologia poderia ser ou não.

                Comparado ao diagnóstico médico tradicional, a partir do modelo de comportamento foi proposta a análise funcional, que passou a ser utilizada para fazer uma análise do comportamento do paciente levando em consideração o histórico e o contexto, sendo uma ferramenta amplamente utilizada atualmente, em especial no contexto da terapia cognitivo-comportamental. , que é provavelmente a terapia psicológica mais utilizada pelos profissionais de saúde mental devido ao seu sucesso terapêutico e eficácia no tratamento de diversos transtornos mentais.

                O modelo comportamental também estava interessado em experimentar, por isso, dentro desse modelo, muitos trabalhos científicos e teorias têm sido realizados para explicar as causas e, consequentemente, o tratamento de comportamentos não conformes à normalidade, por meio da análise de diferentes variáveis. , desenvolvimento de hipóteses e contraste empírico.

                Referências bibliográficas

                • Academia Preparatória PIR (2019). Manual de psicopatologia. Madri: APIR.
                • Belloch, A., Sandín, B. e Ramos, F. (2010). Conceitos e modelos em psicopatologia. A A. ​​Belloch, B. Sandín e F. Ramos (Coords.). Manual de psicopatologia (pp. 35-68). Madri: McGraw-Hill.
                • Rodrigues, A. (2019). Manual de psicoterapias. Barcelona: Herder.
                • Vallejo, J. (2015) Introdução (II). Modelos psiquiátricos. Conceito de normalidade psíquica. Para J. Vallejo (Coord.). Introdução a (p. 81-109). Madri: Elsevier Masson.

                Deixe um comentário