Mirmecofobia (fobia de formigas): sintomas e tratamento

As formigas são insetos muito comuns e fáceis de encontrar no nosso dia a dia, até mesmo na cidade. Você só precisa ir a um parque para encontrar um formigueiro ou uma fileira dessas criaturas coletando alimentos. Ao contrário do que acontece com outros insetos como as baratas, em geral, as formigas não são vistas com descontentamento indevido pela maioria da população. Na verdade, muitos até aparecem em fábulas e contos como um exemplo de tenacidade, esforço e organização.

No entanto, para muitas pessoas, o simples pensamento de ver um desses seres implica o aparecimento de pânico e ansiedade extremos, bem como a necessidade de fugir daquele ser e evitar os lugares onde poderiam estar. é o que acontece com as pessoas com mirmecofobia.


    Mirmecofobia: fobia de formigas

    É entendido como mirmecofobia a fobia de formigas, ou seja, uma variante do transtorno de ansiedade. É uma das fobias específicas ligadas à presença de um determinado tipo de animal, sendo este tipo de fobia relativamente frequente na população.

    Em que ponto a existência de um medo irracional ou desproporcional relacionado ao surgimento de um estímulo ou situação, Neste caso, as formigas. Este medo ou medo surge sistematicamente sempre que o corpo é exposto à presença das formigas, sente-se uma necessidade urgente de fugir ou evitar estar na frente da sua presença ou manter contacto com elas. Esse impulso geralmente leva a evitar formigas e locais onde seu aparecimento é frequente. Se a vítima não consegue escapar, ela pode permanecer estimulada, mas sentir um alto nível de ansiedade e desconforto.

    Para quem tem essa fobia, ver uma fila de formigas ou mesmo apenas uma é uma tortura. O mesmo vale para a visão de um formigueiro, mesmo que não haja presença visível de seus habitantes no hotel. A sensação de pânico gera uma forte sensação de ativação fisiológica, sendo comuns a presença de sudorese, tremores, taquicardia, hiperventilação, tensão muscular e até distúrbios gastrointestinais como náuseas e vômitos. Um ataque de ansiedade ou ataque de pânico pode ocorrer. Além disso, não é incomum que tenham uma sensação de formigamento ou de escalada no corpo ao olhar para uma formiga.

    A mirmecofobia pode fazer com que a pessoa evite locais como o campo, parques ou áreas verdes. Isso pode levar à interrupção ou limitação da vida do paciente, por exemplo, evitando levar as crianças para brincar no parque, praticar esportes ao ar livre ou visitar áreas rurais. No entanto, em geral, isso geralmente não tem impacto na maioria das áreas da vida, pois embora seja relativamente fácil encontrar formigas não estão presentes e visíveis na maioria dos lugares que freqüentamos.

    Embora esta não seja em si uma condição perigosa para a saúde, a verdade é que em alguns casos isso pode levar a um comportamento potencialmente perigoso. Existem casos documentados de pessoas que pegaram fogo devido ao pânico ao perceberem que tinham formigas em seus corpos.

      Causas: uma fobia adaptativa?

      As causas da mirmecofobia e de outras fobias específicas não são totalmente claras e dependem muito de cada caso individual. Existem diferentes hipóteses a esse respeito, relacionando principalmente os aspectos biológicos aos eventos e aprendizados vivenciados pelo sujeito.

      No caso das fobias relacionadas a animais e principalmente insetos, como no nosso caso, uma das hipóteses mais viáveis ​​e consideradas é Teoria da preparação de Seligman. Essa teoria afirma que o medo ou o pânico em alguns animais é produto da evolução: ao longo de nosso desenvolvimento como espécie, os humanos aprenderam que a picada de muitos insetos é perigosa, sobrevivendo em grande medida a indivíduos com uma tendência natural de evitá-los. Dessa forma, a reação de pânico que leva à evasão do animal em questão (neste caso as formigas) seria um produto da herança passada de nossos ancestrais.

      Aprenda com a experiência de situações aversivas ligada a formigas é também outra das hipóteses levantadas, associando a figura da formiga a elementos negativos por condicionamento.

      tratamento

      Mirmecofobia é um transtorno fóbico que pode ser tratado com terapia. O método mais eficaz de combatê-lo e resolvê-lo é, embora possa parecer cruel, a terapia de exposição.

      Essa terapia se baseia em expor o paciente ao estímulo temido, no caso as formigas, sem realizar comportamentos de evitação. Normalmente, é necessária uma abordagem gradual para realizar a terapia de exposição: antes da exposição em si, o paciente e o terapeuta constroem em conjunto uma hierarquia de situações ou estímulos geradores de ansiedade, ordenando-os de acordo com o grau de ansiedade e pânico gerados. Por exemplo, não vai gerar o mesmo nível de ansiedade ver um formigueiro enquanto as formigas se movemOu não é a mesma coisa ver uma formiga nos deixar andar pela mão.

      Recomenda-se começar com estímulos de intensidade moderada, embora isso dependa do que o paciente é capaz de suportar. O sujeito deve permanecer na situação até que a ansiedade gerada tenha desaparecido em grande parte e não seja necessário evitar a situação. O mesmo estímulo será continuado até que ocorram pelo menos duas exposições com um nível mínimo de ansiedade, antes de passar para o próximo estímulo na hierarquia. Pode permitir uma fuga temporária se a ansiedade o dominar, desde que você se comprometa a voltar.

      Geralmente, a versão mais utilizada e valorizada da exposição é a exposição ao vivo (ou seja, com estímulos reais), mas a realidade virtual pode ser utilizada (especialmente neste caso) para que o terapeuta possa controlar melhor a estimulação que o paciente recebe. A exposição imaginativa também pode ser usada em casos em que a ansiedade inicial é muito alta, às vezes como um preâmbulo para uma exposição ao vivo.

      Também pode ser útil usar técnicas de relaxamento diminuir a ansiedade vivenciada pelo paciente, tanto no processamento do estímulo quanto na preparação para a exposição. Claro, essa técnica deve ser usada para relaxar, é importante não usá-la para evitar ou escapar mentalmente do temido estímulo. Às vezes, pode ser necessário aplicar a reestruturação cognitiva, a fim de combater as crenças disfuncionais que podem ser a fonte ou o fator de sustentação do pânico (por exemplo, a crença na incompetência ou na incapacidade de lidar com o medo).

        referências bibliográficas

        • American Psychiatric Association. (2013). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Quinta edição. DSM-V. Masson, Barcelona.

        Deixe um comentário