Medo de responsabilidade: o que é, tipo, sintomas e tratamento

Existem muitos tipos de fobias, mas um dos mais comuns é aquele envolvido medo de assumir responsabilidades.

Dedicaremos este artigo à coleta de todas as informações relacionadas a esse fenômeno para que o leitor saiba como essa dificuldade é gerada, a quais características está associada, que tipo de pessoa tem maior probabilidade de sofrer e qual o tratamento adequado. resolver. isto. .


    Qual é o medo da responsabilidade?

    O medo da responsabilidade é uma patologia que consiste em uma fobia, ou seja, um medo irracional, neste caso a simples ideia de ter que assumir uma situação em que a pessoa se encarrega de administrar ou cuidar de um elemento, de uma tarefa ou de uma pessoa. Essa fobia é tecnicamente chamada de hipengiofobia ou hipengiafobia, usando a palavra grega engys, que significa estreito.

    Quando uma pessoa sofre de medo de responsabilidade, diante de uma circunstância representada por uma dessas possibilidades, ela reagirá com um comportamento evasivo e também visivelmente desproporcional, pois a situação não será objetivamente ameaçadora. Além disso, o sujeito que experimenta essa reação não será capaz de explicar por que isso acontece com ele, apenas acontece com ele.

    Ele, portanto, não será capaz de controlar voluntariamente sua reação, mas será uma resposta automática e incontrolável. de seu corpo, que o prepara para uma fuga iminente do que ele considera uma situação aversiva e que, portanto, o coloca em perigo. Em suma, ao se deparar com a opção de assumir a responsabilidade por algo, a pessoa foge automaticamente, sem saber por que ou sem poder fazer outra coisa.

    Obviamente, esse tipo de reação pode levar a um sério desequilíbrio para quem tem medo de responsabilidades, pois, como em todas as fobias, não é um assunto que tenha escolhido voluntariamente. Contudo, em outros tipos de medos, por exemplo medo de agulhas, a pessoa fica tranquila porque esta não é uma situação que ocorre com frequência.

    Pelo contrário, o medo das responsabilidades, a angústia de que um acontecimento desta natureza possa ocorrer a qualquer momento, pois é uma opção muito mais plausível no dia a dia, mesmo que se trate de pequenas escalas de responsabilidades.

    Consequências desta fobia

    Imagine por um momento como seria a vida de uma pessoa com um caso grave dessa fobia.. Dependendo de quando esses medos surgiram, ele pode ter tido problemas até mesmo na escola, aumentando as chances de abandonar a escola prematuramente. Também teria interferido em sua imersão no mundo do trabalho, causando-lhe dificuldades tanto para conseguir o primeiro emprego quanto para se promover.

    Ele pode até se incomodar apenas por marcar um encontro com outra pessoa, mesmo que seja um amigo. Obviamente, vivenciar tais reações desagradáveis ​​a tais situações rotineiras levaria a um desequilíbrio para a pessoa que afetaria seu humor e poderia até mesmo desencadear outro conjunto de patologias.

    Portanto, a hipengiofobia ou o medo da responsabilidade não é um distúrbio a ser considerado levianamente, porque como todas as fobias pode causar desconforto e prejudicar gravemente a vida do paciente que sofre com issoCom a diferença de que os gatilhos para esses medos específicos são muito mais abundantes na vida diária das pessoas do que os estímulos que provocam outros tipos de fobias.

    Outro risco enfrentado por pessoas que têm medo de assumir responsabilidades é tornam o seu medo cada vez mais potente, pois a fuga ou a delegação que fazem para não terem de enfrentar a situação serve de reforço (Eles evitam desconforto) e tornam essa resposta mais provável no futuro. Mas ao mesmo tempo, de forma mais racional, geram ansiedade na pessoa, pois ela tem consciência de que fica cada vez mais difícil enfrentar o medo das responsabilidades,

      Tipos de medo de responsabilidade

      Já sabemos o que é o medo das responsabilidades e as graves consequências que esta patologia pode ter. A seguir, exploraremos os diferentes tipos que podemos analisar com base nas características da situação que está causando o medo.

      1. Medo de cometer erros

      Uma das principais causas que desencadeiam o medo de responsabilidade nessas pessoas é a possibilidade de cometer um erro.. Esta opção os bloqueia automaticamente e os afasta da situação, o que para eles representa o estímulo ameaçador.

      2. Pânico por não estar à altura da tarefa

      A segunda opção não tem nada a ver com a possibilidade de estar errado, mas se refere ao medo de um não viver de acordo com o que os outros esperam de nós. Essa ansiedade resulta em uma rejeição da situação, eliminando completamente essa opção hipotética, por não agir de uma forma ou de outra.

      3. Medo de ser julgado

      Semelhante ao ponto anterior, mas com nuances diferentes, existe também o medo de que outros o julguem pelo seu comportamento. Por esse motivo, uma pessoa que tem medo de responsabilidades vai preferir sair do site antes de correr o risco de receber uma avaliação negativa de sua conduta.

      4. Terror de perder o controle

      Essas pessoas também não se sentirão confortáveis ​​em situações que estão além de seu controle porque são momentos que geram estresse diante das hipóteses que envolvem assumir responsabilidades por parte deles. Este seria o quarto tipo de medo da responsabilidade que poderíamos encontrar.

      5. Terror popular de fermento

      Por fim, a tipologia que também causa desconforto em ser gente refere-se ao cenário em que o indivíduo em questão é qualificado como impopular. É uma variante do medo de ser julgado, Com a diferença de que, neste caso, o medo concreto é receber um julgamento que o classifique como irrelevante ou nada popular.

      Ao evitar situações sociais por medo de responsabilidade, ele por sua vez temerá não ser popular, correndo o risco de entrar em um círculo vicioso, o que pode aumentar a ansiedade de que sofre.

      Como superar esse problema psicológico

      A pergunta mais importante que qualquer pessoa que sofre desse transtorno se fará é: como posso superar o medo da responsabilidade? Como acontece com a maioria dos problemas de saúde, neste caso mental não há solução rápida. Mas a boa notícia é que as fobias têm um bom prognóstico terapêutico. Portanto, o primeiro e fundamental conselho é contar com a ajuda de um psicólogo especializado.

      Embora seu julgamento clínico seja essencial para tomar uma decisão, aqui estão alguns dos cursos de ação que você pode tomar.

      1. Pratique técnicas de relaxamento

      Uma pessoa que sofre os efeitos da ansiedade que tantas vezes a assusta, terá que encontrar os instrumentos que a ajudarão a diminuir essa ativação fisiológica para começar a encontrar um estado de neutralidade. Uma técnica amplamente utilizada para isso, por sua facilidade de aprendizado e eficácia, é a respiração profunda..

      Você também pode recorrer a técnicas mais complexas, como meditação ou atenção plena, que exigem mais treinamento.

      2. Exposição gradual

      Para enfrentar o medo da responsabilidade, o terapeuta o guiará por um caminho de exposição controlada aos estímulos que o assustam. Para isso a pessoa afetada será aquela que desenvolverá uma lista de situações que lhe causam mais ou menos pânico, para que possa superá-las uma a uma gradualmente, Sem causar um transbordamento nas emoções do paciente.

      É um procedimento delicado e, portanto, deve sempre ser conduzido por um especialista em psicologia, pois é uma técnica comportamental que requer treinamento para ser eficaz. Uma ferramenta tão mal usada pode ser contraproducente, fazendo com que o estímulo aversivo se aproxime muito rapidamente.

      3. Trabalho cognitivo

      Além de condições fisiológicas e comportamentos, é importante gastar tempo trabalhando nos pensamentos errados que a pessoa que tem medo de responsabilidades está tendo. Estes têm a ver com os tipos que vimos no ponto anterior, relativos ao medo de ser julgado, de não ser alto, de cometer erros, etc.

      Com a ajuda da psicóloga, o paciente poderá racionalizar as situações e superar esses pensamentos negativos.

      4. Trabalho de autoestima

      Enfim, terá que aumentar a autoestima da pessoa, pois depois de tantas vivências negativas e com esses pensamentos de que falávamos, é muito provável que ela tenha enfraquecido.

      Referências bibliográficas:

      • André, C. (2005). Psicologia do medo: medos, ansiedades e fobias. Cairo
      • Capafons, JI (2001). Tratamentos psicológicos eficazes para fobias específicas. Psicotema.
      • Orgilés, M., Rosa, AI, Santacruz, I., Méndez, X., Olivares, J., Sánchez-Meca, J. (2002). Tratamentos psicológicos bem estabelecidos e muito eficazes: Terapia comportamental para fobias específicas. Psicologia comportamental.

      Deixe um comentário