Marca cibernética: recursos, sintomas, causas e como combatê-la

Você já se sentiu tonto, com náuseas, náuseas, desorientado ou tonto depois de usar um dispositivo eletrônico por muito tempo? Em caso afirmativo, há uma boa chance de você ter sido vítima de cyberbullying.

Cyber-branding é um termo que passou a ser utilizado para se referir aos sintomas de desconforto que apareciam em sujeitos que utilizavam técnicas de realidade virtual, embora hoje, com os avanços da tecnologia, esse conceito seja utilizado também para denotar que você sente tontura por outros dispositivos como como seu telefone celular ou computador após uma longa navegação.


Embora não seja um quadro grave, devemos remediá-lo, pois pode se tornar crônico e se tivermos tonturas, é aconselhável fazer uma pausa e não continuar imediatamente as nossas funções porque, por exemplo, usar o carro nestas circunstâncias pode seja perigoso.

Neste artigo, veremos o que é cybermarking, seu significado, principais sintomas, por que aparece, quais assuntos têm maior probabilidade de afetá-lo e como evitar ou reduzir seu efeito.

    O que é cibercrime?

    Cyber-branding é um termo usado por anos, de mais antigo a menos de 1990, em associação com a sensação de tontura que surgia quando o sujeito usava técnicas ou máquinas de realidade virtual. A sensação de desconforto é típica do enjôo, que são os sintomas de tontura no carro ou no barco.

    A realidade virtual é uma técnica que permite ao indivíduo enfrentar a situação real de forma semelhante; em outras palavras, sensorialmente o sujeito percebe que está numa situação, mas na realidade essa situação não ocorre. Esse procedimento não é apenas para uso recreativo, mas também tem sido utilizado no ambiente profissional e terapêutico., como para simuladores de direção ou pilotagem de avião ou em psicoterapia para tratar fobias a vários estímulos temidos.

    Hoje em dia, com o avanço das tecnologias, ampliou-se a definição do conceito, agora compreendido também pelo cybermarking do estado de desconforto que envolve passar muito tempo, a maior parte do dia, usando seu telefone celular ou computador, como usar a mídia social ou jogar um videogame.

    Assim, o uso da realidade virtual não é impróprio, pois nos permite adquirir certas habilidades com mais facilidade e melhorar certos comportamentos, mas veremos que dependendo da pessoa ou do tempo de uso da técnica pode ter consequências negativas para o objeto.

      Sintomas

      A ciber-vertigem gera uma sensação de desconforto semelhante à vertigem normativa ou a que estamos mais habituados. Assim, uma sensação de desconforto geral aparecerá no sujeito. Estes são sintomas típicos de tontura, como náuseas, palidez facial, vômitos ou sudorese., embora também existam duas sensações que merecem uma explicação separada: desorientação geral e distúrbios oculomotores.

      A desorientação geral está relacionada principalmente a sentir tonturas e tonturas, sendo um dos sintomas que mais causam desconforto. No caso dos distúrbios oculomotores, está relacionado ao terceiro par craniano, também chamado de nervo oculomotor, que está ativo e funciona quando usamos a realidade virtual ou diferentes tecnologias. Assim, os sintomas de uma alteração desse nervo são fadiga visual e dores de cabeça.

      Dado o desconforto que causa e os sintomas desagradáveis ​​que aparecem em algumas pessoas que precisam parar, às vezes torna-se difícil usar a técnica da realidade virtual como uma ferramenta de treinamento ou terapêutica, o próprio indivíduo se recusando a fazê-lo.

      Vemos que não parece uma afetação grave, mas não há razão para ignorar e não prestar atenção, pois está provado que se não fizermos nada a respeito ele continuará a aparecer, tornar-se-á crônico e poderá afetar a funcionalidade do assunto, porque como sabemos hoje, diferentes tecnologias são amplamente utilizadas, não só para fins recreativos, mas também no local de trabalho.

      Da mesma forma, observou-se que embora os sintomas geralmente desapareçam ou desapareçam em pouco tempo, em alguns minutos ou algumas horas, em alguns casos eles persistiram ao longo do dia, afetando a vida normal do indivíduo. perigoso se você tiver certeza disso. ações, como dirigir, pois isso aumenta suas chances de ter um acidente.

        Causas

        Vimos que o cyberbullying compartilha muitos sintomas com tonturas comuns, mas, no caso do primeiro, desconforto aparece sem movimento real; o sujeito realmente não se move, ao contrário da tontura comum onde o indivíduo se move (por exemplo, costuma aparecer ao viajar de carro ou barco).

        Então, por que aparece tontura se o assunto não está se movendo? Bem, aquela sensação desconfortável é devido a informações contraditórias captadas por nossos sentidos. Assim, a percepção do movimento é influenciada pela visão, que nos permite ver que estamos nos movendo; o sistema vestibular que controla o equilíbrio do sujeito; e a propriocepção, ligada à postura corporal do indivíduo. O que acontece na segurança cibernética é que as informações que chegam até nós a partir desses sistemas não coincidem entre si.

        Como sabemos, na realidade virtual ou com o uso da tecnologia, o movimento que percebemos não é real. Isso significa que visualmente, percebemos que estamos nos movendo, pois é o objetivo desejado, ter a sensação de movimento, mas nosso sistema visual e proprioceptivo não nos dará o mesmo tipo de sensação, como só são ativados quando há um movimento real, estímulos contraditórios chegam então ao nosso cérebro e por isso o aparecimento de desconforto ou tontura dada a disparidade de informações.

          Quem é mais afetado pelo cyberbullying?

          Quanto às outras condições, nem todos os assuntos serão afetados por cybermarking ou não serão afetados da mesma forma.

          Assim, vemos que de todos os indivíduos expostos à realidade virtual, a maioria entre 60% e 90% apresenta sintomas de fraqueza que não os impedem de continuar a atividade; em contraste, nos extremos, porcentagens mais baixas foram observadas em pessoas que não tinham sintomas ou que foram excessivamente afetadas pela interrupção da atividade. Entre 5% e 20% dos indivíduos não expressaram desconforto e 5% dos participantes pediram para interromper o teste porque eles não podiam continuar.

          Foi demonstrado que o início do desconforto inclui fatores biológicos e ambientais ou o tipo de situação. No que diz respeito aos fatores internos ou pessoais da pessoa, observou-se que afeta mais mulheres, indivíduos mais jovens, de 2 a 12 anos e aqueles que são propensos a enxaquecas ou tonturas. Em relação às variáveis ​​de atividade, vimos que movimentos mais amplos, onde a cabeça e o corpo se movem, aumentam a possibilidade de cybermarking.

            Como prevenir ou combater isso?

            Diferentes estratégias têm demonstrado ajudar a prevenir os sintomas de tontura. Em relação à técnica de realidade virtual, é aconselhável usar um ponto fixo e estático, na gravação, onde o assunto pode focar os olhos e ajudá-los a não apresentar sintomas. Se não tivermos o elemento estático, também podemos fixar a vista no horizonte da imagem, pois isso também ajuda a reduzir seus efeitos.

            Outra técnica para prevenir a sensação de ciber-suor está relacionada à criação do programa de realidade virtual; os designers devem tentar tornar as informações dos diferentes sistemas sensoriais tão díspares quanto possível; por exemplo, diminua os movimentos rotacionais, a sensação de não gravidade ou transporte.

            O uso frequente de dispositivos móveis está aumentando atualmente o aparecimento de sintomas de cyberbullying. É comum olhar para o celular da cama um pouco antes de dormir, quando a luz está apagada, a tela do aparelho fica bem próxima do rosto. e navegação ininterrupta, esses fatores aumentam o risco de sintomas. Para evitar qualquer dano, a mesma ação deve ser realizada com a luz acesa e o celular mais distante.

            Por fim, uma estratégia muito útil, embora óbvia, é descansar ao ver que começamos a ter os primeiros sintomas, quando estes ainda são fracos, para evitar que continuem, e depois são mais difíceis de tratar e diminuir. Portanto, ao ver os primeiros efeitos do cybermarking, pare de olhar para a tela do seu celular, computador ou realidade virtual, para que você possa descansar seus olhos e colocar seu corpo de volta nos trilhos.

            Referências bibliográficas

            • Sklar, J (2021) O uso constante de mídias sociais pode levar ao “cybermarking” da National Geographic.
            • Quintana, P., Bouchard, S., Serrano, B. e Cárdenas, G. (2014) Efeitos colaterais negativos da imersão de realidade virtual em uma população clínica ansiosa. Journal of Psychopathology and Clinical Psychology.
            • Reyero, P. (2019) Implementação de um sistema de detecção de vertigem em usuários de Realidade Virtual. Universidade Politécnica de Madrid.

            Deixe um comentário