Delírios de culpa: o que é, suas características, causas e tratamento

O delírio de culpa apresenta as características de outros delírios, mas apresentando como tema central a crença irreal de que somos culpados de um evento negativo.

Esse tipo de delírio geralmente está associado à depressão, mas o tratamento utilizado dependerá da causa principal do problema.


Neste artigo, você aprenderá melhor o que se entende por delírio e mais precisamente por ilusão de culpaquais são seus principais sintomas, as causas que a causam e como tratá-la.

    O que é delírio?

    Os delírios são considerados um transtorno psicológico associado a transtornos mentais que afetam o conteúdo do pensamento; são definidos como falsos julgamentos feitos pelo sujeito com plena convicção mesmo quando são apresentadas evidências e experiências inconsistentes com essa ideia. Assim, é um sintoma de patologia psicótica, embora possa ocorrer em pacientes com transtornos que não sejam tipicamente psicóticos: por exemplo, no transtorno bipolar, nos transtornos depressivos, no delírio ou na demência.

    São crenças imodóficas e incorrigíveis, ou seja, permanecem estáveis ​​ao longo do tempo. Eles são mostrados com grande convicção e intensidade: o sujeito está plenamente convencido de que eles refletem a realidade e não há nada que possa fazê-lo mudar de ideia; seu pensamento não é apoiado por sua cultura, e seu ambiente não tem essa mesma crença.

    Da mesma forma, a ideia delirante gera grande ansiedade no sujeito; muito, se não tudo, de sua época gira em torno dessa crença. Às vezes, especialmente em pacientes com esquizofrenia, o delírio é implausível, o que significa que não faz sentido e não pode ocorrer na realidade; por exemplo, você pode pensar que perdeu seus órgãos internos e está vazio por dentro.

    Os delírios são geralmente de natureza pessoal e, como o paciente acredita plenamente nessas ideias, ele não faz nada para impedi-los ou lutar para que eles desapareçam.

    Os delírios são um sintoma psicótico; não implicam em si um distúrbio, é necessário atender a outros critérios, como a presença de outros sintomas ou uma duração mínima do quadro.

    Por outro lado, É importante diferenciá-lo do outro sintoma psicótico característico: alucinações. Estes são considerados um comprometimento da percepção e afetam os cinco sentidos, ou seja, o sujeito pode ver, ouvir, cheirar, cheirar ou saborear um estímulo que na verdade não existe.

    Agora que sabemos o que é um delírio e quais são suas principais características, vamos nos concentrar nos delírios de culpa.

      O que é delírio de culpa?

      No delírio da culpa observamos uma convicção cheia da ideia de que alguém é culpado de alguma coisa e que seu estado negativo atual é culpa sua. Esse tipo de delirium se manifesta principalmente em sujeitos com transtorno depressivo maior, que além de apresentarem sintomas de um estado depressivo também apresentam sintomas psicóticos, neste caso uma ideia delirante.

      Será importante para nós garantir que a ideia de culpa seja apresentada de forma intensa, persistente e altamente convincente; essas características devem ser demonstradas para podermos diferenciar da simples culpa por um fato ocorrido e do qual achamos que poderíamos ter feito mais.

        Principais sintomas

        Os sintomas exibidos por pacientes com este tipo de delírio são típicos de delírios, mas centrado na questão de ser culpado e responsável por um ato. O sujeito pode ter alucinações ligadas ao delírio, ou seja, relacionadas ao delírio do sujeito; mas geralmente em indivíduos que sofrem de depressão e delírios de culpa, outros sintomas psicóticos geralmente não são observados. O humor é compatível com o delírio, razão pela qual é comum aparecer em pessoas deprimidas.

        Também há anosognosia, termo que se refere ao fato de o paciente não ter consciência de ter uma patologia, ele a percebe como algo real. A condição que o indivíduo apresenta dependerá dos outros sintomas que ele apresenta; por exemplo, o transtorno esquizofrênico é mais prejudicado do que o transtorno delirante. No entanto, o delírio de culpa não percebe uma afetação particular da esfera psicossocial.

        Os casos menos afetados implicam que apenas o ambiente relacionado ao sujeito do delírio será afetado, podendo o paciente permanecer funcional em outros contextos. Além disso, se o delírio não interveio, ele tende a se tornar crônico, integrando-se cada vez mais à vida do sujeito. Apesar do tratamento, o sujeito persiste em maior vulnerabilidade para reconstruí-lo diante de um estímulo que o desencadeia.

          causas

          Existem diferentes causas que podem levar ao aparecimento de um delírio de culpa; como a maioria dos distúrbios, Alguns desses gatilhos são devidos a fatores biológicos ou genéticos, como infecção viral ou problemas de desenvolvimento neurológico.e outra parte é influenciada por causas ambientais aprendidas, como ambiente parental ou familiar.

          Acredita-se que os fatores associados ao surgimento de delírios sejam: disfunção cerebral, tipo de personalidade (dependendo da personalidade, há uma maior predisposição para apresentar um delírio e também influencia o sujeito do mesmo), manutenção da autoestima (esse fator geralmente ocorre em delírios que se referem a si mesmo) e afeto (o delírio de culpa manifesta-se principalmente na depressão, então o afeto terá grande influência neste caso).

          Outros fatores relacionados ao aparecimento de delírios são as experiências inusitadas (diante de experiências que o sujeito tem e não consegue explicar, acredita-se que possa haver uma tendência a usar delírios para dar sentido a eles ). sobrecarga cognitiva (como ativação excessiva) ou hipervigilância (ligada a uma alteração no funcionamento do cérebro que pode levar à formação de delírios).

          Também, variáveis ​​interpessoais influenciam a manifestação de delírios (há déficit de habilidades sociais que levaria a dificuldades nas interações sociais), isolamento social (como resultado, o sujeito não teria validação social de suas crenças) e variáveis ​​situacionais (como isolamento sensorial ou falta de estimulação) .

          A inércia para manter a crença é observada em todos os sujeitos, não apenas naqueles que desenvolveram uma patologia; se a ideia for aceita pelo paciente e ele acreditar que é verdade, será difícil para ele desistir ou mudar. Outro fenômeno relevante é a profecia autorrealizável: o delírio influencia e afeta o comportamento para que o ambiente acabe agindo confirmando o delírio.

          O viés de atribuição também é importante: à medida que percepções ou experiências estranhas continuam a se apresentar, verificam o delírio.

          Em processamento

          Ao iniciarmos o tratamento do delirium, será necessário avaliar qual é a principal condição de que o paciente sofre, ou seja, observa-se se, além do delirium, existe algum transtorno mental, tal como o transtorno depressivo já nomeado. Se for esse o caso, os profissionais de psicoterapia se concentram em intervir no problema principal usando as técnicas de tratamento dessa patologia.

          Agora para reduzir os delírios os tratamentos propostos são muito semelhantes aos usados ​​na esquizofrenia. Diante da ideia delirante, é importante fazê-lo aos poucos para ganhar a confiança do paciente. Na maioria dos casos, o sujeito não segue voluntariamente a terapia, mas é encaminhado por um médico ou por recomendação de sua família.

          O uso de psicotrópicos é também útil, principalmente quando o paciente está agitado ou perturbado, na fase aguda. A intervenção psicológica, como dissemos, é semelhante à utilizada para o tratamento da esquizofrenia, sendo a terapia cognitivo-comportamental a mais utilizada para tratar delírios.

          Uma das intervenções mais comprovadas é a terapia cognitiva de Chadwick, Birchwood e Trower baseada na reestruturação cognitiva.. As duas principais técnicas são o desafio verbal, que apresenta a intenção final de questionar as crenças delirantes, e o teste de realidade, que se baseia na verificação empírica da crença. delirante.

          Referências bibliográficas

          • Gurevicz, M. e Muraro, V. (2017) Melancolia e a ilusão de culpa. IX Congresso Internacional de Pesquisa e Prática Profissional em Psicologia. Faculdade de Psicologia da Universidade de Buenos Aires, Argentina.
          • Gournellis, R., Efstathiou, V., Yotsidi, V., Tournikioti, K., Papazahos, C., Ferentinos, P., Douzenis, A. & Michopoulos, I. (2019) Culpa Crenças delirantes aumentam o risco de tentativa de suicídio em idosos depressivos psicóticos unipolares. O Jornal de Doenças Nervosas e Mentais.
          • Santos, JL, Hernangómez, L. e Taravillo, B. (2018) Manual de Preparação do CEDE PIR. Psicopatologia. CEDE: 5ª Edição.

          Deixe um comentário