Como voltar a ficar juntos depois de um rompimento: 8 dicas a seguir

Há momentos lindos, românticos e divertidos na vida de um casal, mas também pode haver problemas, conflitos e discussões que acabam mais cedo ou mais tarde: um rompimento.

As separações são dolorosas, algo completamente natural. Assumir que alguém que você amou não te ama mais é difícil e deixa uma ferida em seu coração que arde por muito tempo.


Mas não há ruptura que não possa ser superada. Envolve muito esforço, mas pode ser alcançado. Saber como recomeçar após uma separação é isso que vamos descobrir a seguir.

    Como recomeçar depois de um término

    Romper com seu parceiro nunca é fácil. Seja nós três que terminamos ou nosso ex, os rompimentos são sem dúvida uma das experiências mais dolorosas que podemos ter. Independentemente de qual tenha sido a dinamite do relacionamento, o rompimento nos incomoda tanto que naquele momento nos faz sentir que nunca vamos superar isso. Chegamos a acreditar que essa dor nunca irá embora.

    Terminar com alguém é tão perturbador para nossas vidas que as separações são uma das causas mais comuns de procure ajuda psicologica. Embora raramente evoluam para um estado patológico, não há como negar que podem afetar nossa saúde mental, especialmente se se comportarem mal ou faleceram inesperadamente.

    Para ajudá-lo a seguir em frente, ao longo deste artigo, veremos como voltar aos trilhos após uma separação, embora já tenhamos abordado isso antes. não existem receitas mágicas. É um processo que exige paciência, esforço, introspecção, força e, sobretudo, tempo. Você tem que confiar na passagem do tempo, que, no final, é o que acaba cicatrizando as feridas.

      Lamentando uma separação

      Para alguns, falar sobre o luto após um rompimento pode parecer estranho. Por que chamar isso de luto se ninguém está morto? Ninguém morreu, mas uma coisa: uma vida juntos. Quando você está namorando, é inevitável pensar a longo prazo, acreditar que no futuro vocês continuarão juntos. e, por causa dessa crença, elaboram-se ilusões, projetos, esperanças… Todo mundo morre quando ocorre a ruptura, por isso podemos acabar vivendo com muita dor.

      Quando terminamos com nosso parceiro, seja nós que terminamos ou o outro nos deixou, começamos com um período de luto. Espera-se que esse duelo passe pelos dois lados, mas geralmente quem fica é o que mais sofre. Há pessoas que, depois de um rompimento, reservam um tempo para contar aos seus entes queridos sobre isso. Eles não contam aos seus entes queridos que não têm mais um parceiro porque ainda esperam que seja apenas uma situação temporária, que suas expectativas sejam cumpridas e que a parte que decidiu se separar retorne.

      Manter a esperança de que este seja um rompimento temporário faz parte da fase de negação do luto associada a esse processo.. O choque da separação pode ser tão grande que nos recusamos a acreditar que estamos na nova situação. Não é nada patológico, pelo menos no início, mas sim uma estratégia que serve para nos dar algum tempo para nos decidirmos.

        Fases de luto após uma separação

        Como em qualquer outro duelo, quebrar uma duna envolve passar por certas fases. Cada pessoa pode vivenciá-la à sua maneira, pois mesmo nesse aspecto as pessoas apresentam diferenças individuais. No entanto, apesar das diferenças de personalidade, podemos identificar fases mais ou menos universais em todos os duelos por ruptura.

        A primeira fase é o impacto inicial, o choque da ruptura. Isso se aplica especialmente à pessoa que partiu, que é surpreendida por notícias inesperadas e seu sentimento de descrença. Depois disso vem a rejeição. Como mencionado, é comum que uma das atitudes da pessoa deixada para trás veja o rompimento como algo meramente temporário, produto de uma discussão ou mal-entendido ad hoc.

        Essa é uma das razões pelas quais a pessoa não relata aos que estão ao seu redor o que aconteceu, na esperança de que seja um passageiro. Ele pensa: “Por que relatar algo que será consertado?” Há esperança de que eles se reconciliem, mas é apenas uma falsa esperança e uma recusa em aceitar a realidade.

        Milho no final ele começa a entender o fato de que ele não está mais com essa pessoa que ele tanto amava. Assim começa a próxima fase, aquela marcada pela intensa tristeza de ter que aceitar o fato de não querer mais. Os sintomas da depressão começam a aparecer: tristeza, apatia, distúrbios do sono, mudanças na dieta, pensamentos obsessivos… Dada a intensidade emocional desta fase, é muito importante não reprimir as emoções, mas sim deixar sair. Esta liberação é terapêutica, permitirá que você supere o rompimento da melhor maneira possível.

        Eventualmente, o que aconteceu e a nova situação são aceitos. Isso não significa que ele está imediatamente feliz. O que acontece neste momento é que a pessoa começa a levantar o ânimo, tentando voltar ao que amava fazer antes de conhecer seu parceiro e se reconectando com a família, amigos e outros entes queridos.

        Como dissemos, cada pessoa é diferente e isso também se manifesta na maneira como elas passam pelo luto por um rompimento romântico. O processo de luto não tem tempo específico, mas depende de cada pessoa. No entanto, se seis meses se passaram desde a separação e os sintomas depressivos ainda se manifestam, podemos falar de um duelo patológico e é recomendável consultar um profissional.

          O que fazer para superar a separação?

          Agora que temos uma melhor compreensão do que significa passar por um processo de separação, vamos ver o que podemos fazer para superar a separação o mais rápido possível e da melhor maneira possível. Não existem receitas mágicas que tornem este processo fácil e rápido, e é por isso que é fundamental ter muita paciência e nos permitir sentir o que precisamos sentir.

          Não podemos reprimir nossas emoções deixando-as fluir através de nós. Nos sentimos mal e temos todo o direito de liberar nossas emoções. Se não temos vontade de fazer nada, então não fazemos nada. Se sentirmos raiva, sinta-a e não se culpe. Mas tem que ser por uma temporada, não para sempre. Estendê-lo para sempre nos privará de viver a vida, dando-nos a oportunidade de nos encontrarmos melhor.

          Quando estamos cansados ​​de chorar e nos sentir mal, mesmo que nos custe um pouco e quase não tenhamos vontade, temos que nos forçar a fazer as coisas. É hora de sair com os amigos novamente, entrar na academia, estudar um idioma, fazer caminhadas, comprar roupas bonitas, entregar-se a um capricho… tudo o que é preciso para se mexer, para sair da academia. nos mergulhou. E também devemos procurar ajuda profissional se percebermos a necessidade.

          1. Aceite a realidade

          Então, como deve ser, aceite a realidade. É melhor não se apegar ao que pode ser, ou ficar obcecado com um “talvez possamos voltar”. Agarrar-se ao que pensamos que somos, mas não éramos, agarrar-nos à esperança de que o relacionamento será retomado, está apenas ancorado no passado e não nos deixa viver no presente ou no futuro.

          Vai te custar, você não vai gostar nada disso, mas você tem que aceitar que esse rompimento faz parte da sua vida. Aceitar a realidade é doloroso, mas é muito melhor do que esperar por algo que não vai acontecer e alongar a dor que isso causa.

            2. Mantenha-se ocupado

            Ficar o maior tempo possível é uma das melhores maneiras de superar o rompimento.. Quando prestamos atenção em outras coisas, a tristeza desaparece e pouco a pouco encontramos a excitação. Quase sem perceber, levantamos a cabeça e paramos de ficar obcecados pelo nosso ex.

            3. Contato zero

            Um clássico em todas as pausas é aplicar a estratégia de contato zero. Consiste em cortar com todos os contatos possíveis com nosso ex-parceiro. Nenhum contato com essa pessoa nos ajudará, é melhor cortar a seco.

            Para chegar a esse ponto em que nosso coração não dói mais, é essencial que nos afastemos completamente dessa pessoa.. Temos que removê-la de nossos contatos, não enviar mensagens, removê-la de nossas redes sociais… para evitar procurá-la, fofocar sobre suas fotos para ver se ele reconstruiu sua vida.

            4. Não fique amigo

            Não saia com seu ex como amigo. Parece maravilhoso chegar a esse acordo, mas a realidade é que é uma coisa muito excepcional e rara que, em qualquer caso, acontece após a superação do duelo. É muito difícil ser amigo de alguém que você queria amar em um nível tão íntimo quanto uma história de amor. Ficar amigo de um ex logo após o término só serve para esticar a dor, contrariando o ponto de contato zero anterior.

            5. Não procure os culpados

            Melhor não procurar culpados porque, mesmo que seja difícil admitir, provavelmente não há nenhum. Claro, haverá responsabilidades, mas estas serão compartilhadas entre os dois. Você fez coisas que, por menores que fossem, levaram o relacionamento a um ponto em que não era natural continuar. Ninguém é responsável por um rompimento.

              6. Reconecte-se com os entes queridos

              Namorar não significa que perdemos o contato com nossos amigos e familiares. No entanto, não é incomum que o romance tenha tanta prioridade em nossas vidas que deixamos nossos entes queridos para trás por um tempo.

              Agora que estamos passando por uma separação, não há mais desculpa para se reconectar com essas pessoas. É hora de deixar ir e seguir em frente.

              Amigos e familiares são cruciais durante esse período, pois nos ajudarão a desabafar, expressando como nos sentimos. Claro, devemos entender que não devemos prolongar demais essa explosão, porque se transformarmos nosso antigo relacionamento em uma obsessão, não conseguiremos nos libertar do passado. Além disso, a paciência de nossos amigos e familiares tem um limite, e ter que aturar alguém que reclama do passado há muito tempo e não faz nada para melhorar o presente não é uma coisa agradável de se fazer.

              7. Refazer o que amamos

              Da mesma forma que quando saímos com alguém deixamos nossos entes queridos para trás, a mesma coisa acontece com nossos hobbies. Muitas vezes acontece que na vida de casados ​​abandonamos as atividades que tanto amávamos, ou porque ela não tem tempo, ou porque ela simplesmente não gosta de seu parceiro.

              Agora que não faz mais parte de nossas vidas, é hora de começar a fazer o que costumava nos encher de satisfação. É hora de deixar ir e seguir em frente. Cabe a nós focar exclusivamente em nossas preferências, nos divertir fazendo o que realmente amamos. Parece óbvio, mas quando você faz coisas que gosta e gosta, melhora seu humor e, neste caso, ajuda a sair da tristeza de um rompimento.

                8. Cuide de você

                Ações tão básicas como escovar os dentes, tomar banho, pentear o cabelo e se vestir são difíceis de fazer quando você está em total tristeza. Não ter um parceiro não é o fim do mundo. Dói no início e pode custar-nos levantar, mas temos que nos esforçar e não descuidar da nossa saúde, aumentar a nossa auto-estima e mimar-nos.. Não devemos esquecer de manter um estilo de vida saudável, comer saudável, fazer exercícios de vez em quando e cuidar de nós mesmos.

                Referências bibliográficas

                • Aragão, RS e Cruz, RM (2014). Causas e caracterização das fases do luto amoroso. Lei de Pesquisa Psicológica, 4(1): p. 1329-1343.
                • Blumer, MLC, Hertlein, KM e VandenBosch, ML (2015). Para o desenvolvimento de competências pedagógicas básicas para as práticas tecnológicas da terapia de casal e família. Terapia familiar contemporânea: uma revisão internacional, 37 (2), 113-121. doi:10.1007/s10591-015-9330-1
                • Celano, M. (no prelo). Competências em psicologia de casal e família para psicólogos de serviços de saúde. A Fiese, B. (Ed.), APA Handbook of Contemporary Family Psychology. Washington, DC: Associação Americana de Psicologia.
                • Martell, C. et al (2010). Ativação comportamental para a depressão. A Imprensa Guilford.
                • Weissman, M., Markowitz, J. e Klerman, G. (2000). Um guia completo para psicoterapia interpessoal. Livros básicos.

                Deixe um comentário