Como ser feliz sem um parceiro?

Quando pensamos no que significa se propor a ser feliz, geralmente acontece que imaginamos um processo individual, um caminho que cada um deve percorrer tomando suas próprias decisões e nos seus próprios termos daquilo que deseja e dá sentido à sua vida. Vidas. Isso tem alguma verdade; é claro que a felicidade anda de mãos dadas com a possibilidade de ser autônomo e de tomar decisões sérias sobre o que se quer fazer a curto, médio e longo prazo. No entanto, na prática, não é uma experiência tão individual quanto parece; como nos relacionamos com o resto da sociedade tem uma grande influência sobre ela.

Um exemplo claro disso pode ser visto no grande número de pessoas que acreditam que não podem ser felizes se não conseguirem manter um relacionamento. Esse tipo de fenômeno não só prejudica a saúde mental de muitos solteiros, mas também promove relacionamentos prejudiciais baseados na dependência emocional entre quem tem namorado, namorada, marido ou esposa.


Então vamos ver as principais chaves para ser feliz sem um parceiro e realmente curtindo a solteirice sem vê-la apenas como “um palco”.

    Alcançar a felicidade sem estar em um relacionamento

    Vamos ver uma série de orientações e conselhos para superar essas dinâmicas de autossabotagem e perda de autoestima, para ser feliz sem companheiro.

    1. Deixe de lado o mito do suco de laranja

    A ideia de que precisamos da nossa “outra metade” é uma daquelas crenças que, embora profundamente enraizadas em nossa cultura e muito normalizadas, se você parar para pensar nelas, são totalmente irracionais e até beiram a superstição, além de serem muito prejudiciais a ela. Assumir que há alguém “à nossa espera” nos fará ver o celibato como uma perda de tempo, um vazio que deve ser deixado o quanto antes e no qual não vale a pena focar em outra coisa senão encontrar aquela meia laranja.

    Supõe-se que o tipo de amor que nos une a alguém no namoro ou casamento, o vínculo baseado em um plano de convivência com alguém especial, é uma experiência impossível de se desvincular de como nos sentimos em relação a essa pessoa Especificamente; não nos apaixonamos por conceitos abstratos ou por coisas que não vivenciamos, mas por seres humanos de carne e osso com suas próprias idiossincrasias que nos atraem intensamente.

    Com isso em mente, e assumindo que o que nos motiva a iniciar e manter um relacionamento é o amor por alguém… Como você explica que muitas pessoas se sentem muito desconfortáveis ​​por não terem um parceiro? A resposta é simples: o que se esconde por trás desse tipo de insatisfação não é o amor latente, mas outra coisa. Uma combinação de elementos psicológicos individuais e dinâmicas sociais coletivas que geram inseguranças pessoais, medos, pensamentos obsessivos e, em geral, uma situação de vulnerabilidade emocional que deve ser enfrentada e gerenciada.

      2. Detecte e identifique as diferentes formas de pressão social que o afetam

      Em grande parte, a suposta necessidade de ter um parceiro para ser feliz se baseia nas expectativas que, transmitidas de fora, supomos surgir dentro de nós. Por exemplo, os papéis de gênero levam muitas mulheres a acreditar que, se atingirem uma certa idade e não se casarem e/ou formarem uma família com filhos, são inúteis, pois falharam em sua principal função tradicional: a reprodução e o sustento da família. homens na esfera doméstica.

      Por outro lado, a ideia do que significa ser uma pessoa de sucesso geralmente inclui ter uma casa grande e uma família morando lá, e a figura da pessoa solitária que é obrigada a compartilhar sua solidão com seus animais de estimação são a representação do que significa falhar ao longo do caminho. Mas essas representações do bem a aspirar e do mal a evitar são totalmente arbitrárias, só continuam a existir porque não são suficientemente questionadas.

        3. Aproveite seus amigos de verdade

        A amizade não deve ser vista como um substituto para um relacionamento, ou como uma versão “truncada” do que significa ter um namorado ou namorada. É uma conexão genuína entre duas ou mais pessoas que são perfeitamente capazes de proporcionar muitas das experiências mais estimulantes e excitantes da vida, mas para desfrutá-la você deve deixar de lado concepções limitantes do que significa ter um amigo.

        Uma vez que nos conscientizemos da irracionalidade e injustiça dessas inércias baseadas na tradição e no “que se espera” das pessoas para que a sociedade funcione da mesma forma, perceberemos que aquilo que pensávamos que precisávamos era apenas uma miragem, que o que pensávamos que nos faltava já está dentro de nós.

          4. Concentre-se no presente… e planeje o futuro

          Embora pareça contraditório, é perfeitamente possível. Trata-se de não ficar atento a sinais de que você pode deixar de ser solteiro em pouco tempo; aceite que sua realidade é a de uma pessoa sem companheiro e aprecie as oportunidades que esse modo de vida lhe oferece, ao invés de se comparar com um futuro idealizado (ou com uma versão sua que não existe e é muito feliz pelo simples fato de estar em um relacionamento romântico). Caso contrário, você usará essa tendência de fantasiar como uma desculpa para não se envolver no que você realmente quer fazer e poderia fazer aqui e agora.

          Então, partindo da realidade que você conhece e que não é baseada em ficção, estabeleça projetos pessoais e/ou profissionais que façam sentido para vocêque se conectam com seus valores e interesses, em vez de se perguntar se isso o aproximará ou afastará da possibilidade de conhecer alguém para iniciar um relacionamento.

          Por outro lado, mesmo que você não tenha um parceiro, é importante saber que no futuro essa pessoa pode vir e é bom estar aberto a isso e ter uma excelente predisposição para receber alguém. ; ahora bien, eso debe levarte a adotar uma atitude de expectativa constante, mantendo todos os seus planos “congelados” caso seu estilo de vida ou suas prioridades mudem com a chegada daquele alguém especial.

            Quer contar com ajuda psicológica para melhorar seus relacionamentos e sua autoestima?

            Se você quer se reconciliar com o celibato e não sente mais a necessidade de ter um parceiro, não importa o que aconteça, entre em contato comigo.

            Meu número é Lorena Irribarra, sou psicóloga, e ofereço um programa de treinamento na gestão das emoções e expectativas do que significa ser feliz para evitar a dependência emocional; tudo isso através de dinâmicas de autoliderança e fortalecimento da autoestima, Mindfulness, e se precisar, terapia psicológica para intervir mais profundamente em seus problemas.

            Referências bibliográficas

            • Amossy, R., Herschberg Pierrot, A. (2001). Estereótipos e clichês. Buenos Aires: Eudeba.
            • Belloch A.; Sandín B. & Ramos F. (2008). Manual de Psicopatologia. Volume II. Monte McGraw.
            • Monreal, Mª., & Martínez, B. (2010). Regimes de gênero e desigualdades sociais. Em Amador, L.; Monreal Mª. (ed.). Intervenção social e gênero. (págs. 71-94). Madrid: Edições Narcea.
            • Rodrigues de Medina, I. (2013). Dependência emocional nas relações interpessoais. Revista eletrônica de pesquisa Creative Teaching, 2: 143 – 148.

            Deixe um comentário