Como distinguir um duelo normal de um duelo complicado

O luto é um processo normal que geralmente continua após uma perda, como a morte de um ente querido. Essa experiência de gestão das emoções é necessária para que o sujeito consiga se superar e se adaptar à nova vida sem o falecido.

O problema surge quando a evolução desse duelo não é adequada e acaba gerando um círculo vicioso de desconforto que gera ainda mais dor emocional; Nesses casos, ocorre o chamado luto complicado ou patológico, onde serão observados sintomas semelhantes, porém mais intensos, de maior gravidade e maior duração. Ou seja, será aproveitado o funcionamento e a qualidade de vida do sujeito, não podendo realizar as atividades que antes fazia.


Neste artigo Explicarei as principais características, fases e estágios do luto normal e do luto complicado para facilitar a compreensão de suas diferenças. e quais variáveis ​​se apresentam como preditoras de um desenvolvimento patológico do processo de luto.

    Como é o luto normal?

    O luto “seco” é um processo normal que pode ocorrer quando há uma perda que gera um forte impacto psicológico, seja a morte de um ente querido, o rompimento de um relacionamento, a perda de um emprego ou a perda de parte. do corpo por doença, entre outras experiências semelhantes.

    assim um período de adaptação começa onde o sujeito pode apresentar sintomas emocionais, físicos, cognitivos, relacionais e comportamentais em geral: ele está em uma fase de transição entre um momento da vida em que se supunha que poderia ter uma pessoa, animal de estimação ou objeto importante, e outro em que não tinha mais acesso a ele. Ele deve se adaptar a uma vida sem aquele com quem desenvolveu um vínculo emocional.

    Assim, o luto nem sempre é um processo patológico; pelo contrário, na maioria dos casos, é necessário que o indivíduo supere a perda e se adapte à nova vida. O objeto você terá que passar por diferentes estágios para poder lidar com a perda e seguir em frente com sua vida.

    O curso do luto pode ser diferente para cada pessoa, mas tem-se observado que no caso da morte de um ente querido geralmente existem várias fases características: A primeira é a fase inicial em que há um choque com o anúncio do morte ou perda, caso em que podem ocorrer explosões emocionais ou o bloqueio inverso; depois vem uma fase de dor intensa ou perda (nessa fase o sujeito está mais consciente da perda, que é um aumento da dor, pode reagir evitando qualquer estímulo que lembre o falecido) e a fase de resolução (essa fase envolve o enfrentamento com e aceitar a perda).

      As fases do luto normal

      Existem diferentes autores que propuseram diferentes etapas pelas quais os sujeitos passam antes da perda. Estas fases podem ter durações diferentes dependendo do indivíduo e também podem apresentar/apresentar uma ordem diferente, voltando a fases anteriores, para depois poder avançar.

      Um conhecido autor sobre o assunto é Elisabeth Kübler-Ross, que propôs 5 etapas no processo de luto. Tanto os entes queridos quanto a pessoa que vê sua morte iminente podem passar por essas etapas. Eles são os próximos.

      • Negação: No início, quando nos deparamos com notícias negativas, tendemos a negar essa informação para nos defender.
      • Raiva: Nesta fase, o indivíduo sente raiva da vida por tal acontecimento.
      • Negociação: qualquer tentativa é feita para evitar a morte, para obter mais tempo.
      • Depressão: Nesta fase, as pessoas começam a ver a morte como iminente e inevitável.
      • Aceitação: Esta é a última fase para poder superar adequadamente a morte ou o luto.

      Sintomas típicos de luto normal

      Há uma série de sintomas que são normais no processo de luto e que ajudam o sujeito a enfrentar a perda, adaptar-se a ela e superá-la.

      Primeiro notamos inquietação ou, ao contrário, embotamento emocional. A morte começa a ser aceita e o luto e a dor ocorrem, e sintomas de depressão, ansiedade e irritabilidade podem aparecer após algumas semanas. Por fim, haverá a sensação de plenitude, na qual a pessoa é capaz de relembrar o passado sem se sentir muito mal.

      Por outro lado, é típico que no início os sintomas sejam mais físicospara então predominar mais os psicológicos.

        A distinção entre luto normal e luto complicado

        Uma vez que conhecemos as características e sintomas do luto normal, no caso do luto complicado geralmente não são qualitativamente diferentes, embora isso altere a temporalidade e a intensidade destes. Ou seja, no luto patológico, observaremos que esses sintomas duram mais e que, em vez de melhorar, persistem ou até pioram, aumentando seu impacto emocional.

        Desta maneira, as características do luto patológico são as seguintes: sentimento de profunda tristeza e constante reflexão sobre a perda, dificuldade de concentração em diferentes áreas da vida, extrema atenção à memória do falecido, extrema saudade e saudade, dificuldade em aceitar a morte, isolamento social e sentimento de alienação, ressentimento pela perda , sensação de que a vida não tem sentido, diminuição da autoconfiança e dificuldade em aproveitar a vida.

        Outros comportamentos que podem ser observados no Duelo Complicado são: dificuldade para realizar as atividades da vida diária, sentimento de culpa e nos casos mais extremos, pensamentos suicidas (desejo de morrer, muitas vezes mediado pela crença religiosa de poder cometer suicídio e assim encontrar o outro).

        Como vimos, um critério importante para distinguir os dois tipos de luto está relacionado à duração do processo. É a partir dos 12 meses que podemos considerar que um duelo é complicado, ainda que não seja a única variável que o terapeuta terá em conta; deve valorizar outras características do sujeito, pois como dissemos um luto normal também pode apresentar diferentes tempos de duração sem ser esse fato patológico. Portanto, os critérios clínicos para o diagnóstico de luto complexo persistente serão importantes considerando como a pessoa vivencia o desconforto.

        Outro fator que ajuda a distinguir os dois processos é como se dá o início. No luto normal, os sintomas geralmente aparecem no momento ou alguns dias após a perda; em vez, no caso de luto patológico, este pode ser observado semanas ou meses depois, sendo considerado luto tardionegando o duelo.

        Da mesma forma, como em qualquer outro transtorno, é necessário avaliar como isso afeta a alteração da funcionalidade do indivíduo, em sua vida social, profissional, familiar… a vida será aquela que nos diz a presença de uma patologia.

        Também diferenças foram observadas nos aspectos negados. No caso do processo normal, o sujeito pode negar certas circunstâncias relacionadas à morte ou às características negativas do falecido, idealizando. Pelo contrário, no luto complicado essa negação é mais preocupante, pois pode vir a negar a morte e pensar que ela não aconteceu e que o ente querido ainda está vivo.

        Outro critério diferente é como a pessoa se identifica ou se relaciona com o falecido. Quando o luto é normal o indivíduo pode imitar ou apresentar comportamentos semelhantes aos do falecido, esse fato é acentuado quando se fala de luto complicado, pois o sujeito pode acreditar que se trata do falecido ou que parte dessa pessoa está dentro disso. sua mente de forma literal.

        Quanto ao duelo complicado também sintomas psicóticos como delírios ou alucinações complexas podem ocorrer; por outro lado, quando o processo é normal, certas alucinações podem aparecer, como acreditar ouvir ou cheirar o falecido, mas sem ser tão complexo, e o sujeito está sempre consciente de que o que percebe não é real.

        Como eu tenho mencionado anteriormente, sintomas físicos ou somáticos também podem ocorrer. Em um luto normal, a pessoa pode sentir desconforto no local do corpo causando a morte de seu ente querido, embora esse desconforto seja difuso e não se torne intenso. Milho no tipo patológico, a pessoa identifica essa dor como mais intensa e pode chegar a acreditar que também vai morrer pelas mesmas causas.

        Também devemos levar em consideração a cultura do sujeito que estamos avaliando, pois dependendo disso podemos avaliar se alguns dos comportamentos que ele adota são normais ou não. Assim, quando o processo de luto não é patológico, podem ser observados comportamentos próprios da cultura e do contexto social do sujeito; por outro lado, quando o luto é complicado, aparecem comportamentos anormais não relacionados à cultura, comportamentos estranhos e que se relacionam com seu ambiente.

          Variáveis ​​que aumentam o risco de desenvolver luto complicado

          Nós vimos isso Existem várias variáveis ​​que aumentam a probabilidade de o processo de luto ser anormal e eventualmente se tornar complicado.

          São elas: as características da morte, sendo considerada de maior risco quando é súbita e traumática, quando várias pessoas morrem ou quando a vítima era jovem; o tipo de relacionamento que se mantinha com o falecido (isso afetaria mais se fosse mais próximo, houvesse mais contato); quando um luto patológico já ocorreu antes; se há histórico de envolvimento psicológico ou patologia (isso aumenta o risco de agravamento do processo); ou quando o ambiente social e familiar não ajuda a superar adequadamente a morte ou também apresentam sintomas patológicos.

            O que pode ser feito?

            A maneira de gerenciar e superar o luto patológico é ir à psicoterapia. Durante uma consulta de psicologia, você encontrará as estratégias e técnicas para gerenciar adequadamente as emoções e parar de alimentar as dinâmicas comportamentais que mantêm esse distúrbio.

            Se você está procurando por ajuda psicológica, entre em contato comigo.

            Referências bibliográficas

            • Echeburúa, E. e de Coral, P. Luto normal e luto patológico.
            • Vedia, V. (2016) Luto patológico. Fatores de risco e proteção. Revista digital de medicina psicossomática e psicoterapia.
            • Pereira, R. (2016) Evolução e diagnóstico do luto normal e patológico. Escola Basca de Terapia Familiar em Navarra.
            • Antequera, J. (2018) CEDE PIR Manual de Preparação: Psicologia Clínica Vol.1. CEDE: 5ª Edição.

            Deixe um comentário