Como distinguir entre alimentação saudável e um transtorno alimentar

Houve muitas mudanças nos hábitos alimentares nos últimos anos. A globalização popularizou não apenas novas receitas, mas também novos estilos alimentares, dietas e filosofias alimentares.

Somado a isso, os cânones da beleza estimulam uma morfologia para homens e mulheres, e se somarmos a isso a obsessão por uma alimentação “saudável”, temos o coquetel perfeito para uma infinidade de transtornos alimentares.


Juntos diferenças entre uma dieta saudável e um transtorno alimentar Não é fácil, porque depende muito do que você entende por alimentação saudável e o que você considera uma alimentação desordenada, com ou sem desordem manual. A seguir, tentaremos ver quais são essas diferenças.

    Distinguir entre uma dieta saudável e ADD

    Nós humanos precisamos de comida para viver, como todos sabemos. Se não comemos, não obtemos os nutrientes que nosso corpo precisa para desempenhar suas funções vitais e, como resultado, morremos. Com base nisso, poderíamos considerar que uma alimentação saudável seria aquela que nos fornece o aporte nutricional necessário para o bom funcionamento do nosso organismo. Isso é considerado levar uma alimentação equilibrada, com alimentos para todos os grupos.

    No entanto, “saudável” não deve se referir apenas à ingestão nutricional. Embora não haja dúvidas de que uma alimentação saudável deve nos fornecer todos os nutrientes de que precisamos, não devemos ignorar o tipo de relação que temos com a comida. Esse aspecto psicológico também influencia a forma como entendemos a alimentação saudável, que combina com o valor nutricional da nossa dieta.

    Nos últimos anos, ocorreram todos os tipos de mudanças culturais que alteraram o que se entende por alimentação saudável. Novos hábitos alimentares, estilos alimentares alternativos (por exemplo, vegetarianismo, veganismo, ceto…) e novas receitas perturbaram o conceito de alimentação saudável. No entanto, fundamentalmente, a ideia é a mesma: uma dieta é nutricionalmente saudável quando nos fornece todos os nutrientes de que precisamos, não importa o que comemos. Não importa se você é vegetariano, onívoro, vegano: cobre todos os nutrientes, você tem uma alimentação saudável.

    O problema é que, Às vezes as pessoas entendem que devem se limitar a comer um determinado grupo de alimentos, não comer alimentos “proibidos”, ou contar obsessivamente as calorias que ingerem.. Esses comportamentos são típicos dos transtornos alimentares, que afetam não apenas organicamente, mas também psicologicamente e emocionalmente. A relação estabelecida com a comida torna-se patológica e disfuncional.

    Esses transtornos aumentaram nos últimos anos devido à viralização de estilos e dietas através das redes sociais, mas o principal fator por trás deles é o constante bombardeio do que se entende por um corpo estético. As mulheres são obrigadas a serem magras e os homens a serem musculosos, cânones de beleza que mudam a dieta de quem quer alcançá-los. Muitas mulheres restringem suas dietas para perder peso, enquanto os homens tomam suplementos de proteína para ganhar massa muscular e evitar comer alimentos que “estraguem” seu progresso.

    O extremo oposto também não é saudável. Embora uma alimentação saudável não envolva sofrimento psicológico, não se importar minimamente com o que você come ou não cuidar da sua alimentação também é uma indicação de que algo está errado. Comer grandes quantidades de alimentos, negligenciando a saúde do nosso corpo, também é sinal de uma má relação com a comida. Pode haver dependência alimentar ou transtorno de compulsão alimentar, condições que prejudicam a saúde causando obesidade, diabetes e hipertensão.

      Como uma dieta saudável difere de um ADD?

      Os transtornos alimentares (TDA) mais comuns são aqueles relacionados ao peso e à aparência física: bulimia e anorexia nervosa. No entanto, existem outros distúrbios como coceira e compulsão alimentar em que a aparência física não é tão importante, mas a alimentação.

      Os distúrbios alimentares envolvem comer demais e uma completa falta de comida.e todos eles compartilham que comer causa desconforto psicológico, emocional e físico de uma forma ou de outra.

      Os sintomas de alimentação prejudicada, com ou sem distúrbios alimentares em si, são numerosos. Todos podem ser considerados indicadores que diferenciam a alimentação da pessoa afetada daquela de alguém com hábitos alimentares saudáveis ​​e relacionamentos saudáveis.

      1. Comportamentos purgativos

      No caso da bulimia nervosa, existem vários comportamentos purgativos que refletem uma má relação com a comida. O paciente tenta compensar a compulsão alimentar, como vômitos autoinduzidos ou exercícios excessivos e uso de laxantes.

      Uma pessoa que tem uma relação saudável com a comida não se envolve nesse tipo de comportamento. Se você se exercita, não será para compensar uma compulsão, mas para se manter saudável e ativo. Quanto ao uso de laxantes, estes só seriam tomados quando necessário.

        2. Auto-estima dependente da alimentação

        Pessoas com transtornos alimentares geralmente têm uma auto-estima muito baixa. Muito depende da forma e peso do corpo. O indivíduo tem uma ideia profunda de que sua forma e peso dependerão do que ele comepara que restrinja ou altere sua dieta de maneira extrema para atingir os objetivos corporais desejados.

        No caso de pessoas com dietas saudáveis, o que comem tem muito pouco efeito sobre sua autoestima. Tendo uma relação com a alimentação saudável, vista simplesmente como a forma de obter os nutrientes que você precisa, sua autoestima dificilmente será afetada se você deixar de ter uma alimentação saudável.

          3. Contagem obsessiva de calorias

          A contagem de calorias não é um comportamento patológico em si, mas uma forma de controlar a ingestão de calorias e evitar excessos. Contudo, se essa contagem se tornar obsessivacontar absolutamente todas as calorias em todos os ambientes (por exemplo, doces, goma de mascar, jantar em família) e sentir-se desconfortável por não contar o número de calorias em um alimento pode indicar que há um distúrbio alimentar.

          Uma pessoa que tem uma relação saudável com a comida pode contar calorias, mas não o fará de forma obsessiva. Ele entenderá que há contextos em que contá-los é inútil, e também entenderá que gastar algumas calorias um dia, estar em um evento social como um jantar em família ou simplesmente porque quer se entregar a um capricho, Nada acontece.

            4. Ansiedade sobre certos alimentos ou grupos de alimentos

            É uma realidade que certos alimentos são mais recomendados do que outros. Ter uma alimentação saudável envolve comer todos os grupos de alimentos, cobrindo as necessidades nutricionais e calóricas. Contudo, Também é saudável não se preocupar com certos tipos de alimentos que são percebidos como menos saudáveis.. Contanto que nossa dieta seja saudável, comer pizza ou hambúrgueres de vez em quando não é prejudicial.

            No entanto, existem pessoas que levam isso ao extremo. Eles não veem esse tipo de comida, visto como extremamente louco. Essa obsessão pode se estender não apenas para evitar comer alimentos como fast food ou doces, mas também para banir completamente certos grupos de alimentos que os modismos da dieta demonizaram ou consideraram insalubres.

              5. Pensar em comida afeta nossas vidas

              Alimentação saudável significa não ficar obcecado com a comida, não pensar o tempo todo no que você está comendo e parar de comer. É comer quando tem vontade, ter consciência de que alguns alimentos são mais saudáveis ​​que outros. E não se preocupe em tomar algo que não seja completamente saudável, desde que seja muito ocasional.

              Pessoas com transtornos alimentares têm pensamentos focados em alimentos que os fazem perder o foco. Isso se manifesta na forma de problemas no trabalho e nos estudos.

              6. Restrição da vida social

              Pessoas que sofrem de transtornos alimentares, especialmente no caso de anorexia e bulimia nervosa, são tão obcecados em evitar comer com base em coisas que acabam sacrificando sua vida social para evitar cair na “tentação” de comer coisas proibidas.

              Uma alimentação saudável não afeta nossa vida social. Se nos reunimos com nossos amigos e familiares para jantar, entendemos que é uma ocasião especial e que é permitido comer algo que vai além do nosso conceito de saúde.

                7. Alimentos usados ​​para enfrentar

                Pessoas com transtornos alimentares usam a alimentação como forma de enfrentamento. Este é especialmente o caso com compulsão alimentar e bulimiaonde grandes quantidades de alimentos são ingeridas, muitas vezes para acalmar os nervos ou para controlar altos níveis de estresse e ansiedade.

                Por outro lado, as pessoas que têm uma relação com a alimentação saudável não a utilizam para reprimir seus sentimentos ou lidar com seu cotidiano. Eles têm outros métodos para lidar com os problemas que a vida pode trazer para eles, enquanto a alimentação desempenha a função principal de nutrição.

                8. Consequências no corpo

                Uma alimentação saudável leva a um corpo saudável, com todos os nutrientes e calorias de que necessita. Os distúrbios alimentares têm múltiplas consequências negativas para o corpo, doenças físicas que, com uma alimentação saudável, só apareceriam em casos especiais como intolerâncias e alergias.

                As consequências físicas variam de acordo com o transtorno. Por exemplo, obesidade, hipertensão e diabetes são comuns na compulsão alimentar. Por outro lado, na anorexia e na bulimia, encontramos alterações como alterações na pele e cabelos, anemia, desnutrição por deficiência de vitaminas e hidroeletrolíticos, algumas das quais podem levar a arritmias e alterações na contratilidade cardíaca.

                Distúrbios hormonais como disfunção sexual e ausência de menstruação podem ocorrer tanto no transtorno de compulsão alimentar quanto na anorexia e bulimia.

                Ortorexia: a obsessão pela alimentação saudável

                Existe uma condição em que a obsessão por uma alimentação saudável se torna um transtorno alimentar em si: a ortorexia. É uma condição paradoxal, pois a obsessão pela alimentação saudável é, por si só, insalubre e, embora não seja um transtorno alimentar do DSM-V, pode ser considerada como tal.

                Embora possa ser confundida com anorexia, na ortorexia, não há necessidade de se preocupar com a aparência física ou o tamanho do corpo. A pessoa está mais preocupada em se alimentar de forma “saudável”, evitando determinados grupos de alimentos que considera prejudiciais à sua saúde. A preocupação excessiva com a qualidade dos alimentos leva o ortoréxico a estabelecer obsessivamente regras de alimentação saudável e limitar as variedades de alimentos.

                Por exemplo, esses pacientes podem optar por excluir grupos de alimentos como carboidratos, gorduras, laticínios e carnes simplesmente porque foram “documentados” e entenderam que não são bons alimentos para a saúde. Também pode assumir a forma de uma restrição excessiva de certos alimentos ou substâncias interpretadas como insalubres: sal, corantes, glúten, conservantes…

                A pessoa ortoréxica também pode comer apenas um tipo de alimento, como maçã, arroz integral, ovos, salada. leva a uma perda de variedade e riqueza nutricional de sua dieta. Como seu comportamento não é baseado no conselho de um médico ou nutricionista, os ortoréxicos geralmente apresentam deficiências nutricionais graves.

                Características da ortorexia

                Assim, a ortorexia é a obsessão pela alimentação saudável, algo que não é um comportamento saudável. Podemos destacar esse comportamento alimentar alterado as seguintes característicasque são por si só diferenciais da alimentação saudável.

                • Fixação com uma dieta saudável.
                • Comer se torna um dever, não um prazer.
                • Necessidade excessiva de cuidados com a alimentação.
                • Abandonar a dieta leva à culpa.
                • Pratique o jejum na ausência de uma “opção saudável”.
                • A comida domina a vida diária.
                • Desconsiderar outros hábitos alimentares e estilos de vida.
                • Isolamento social devido aos hábitos dos outros.
                • Exagero e radicalismo no preparo dos alimentos.

                Uma alimentação saudável caracteriza-se pela satisfação de todas as necessidades nutricionais e calóricas, além de trazer bem-estar psicológico, físico, emocional e social às pessoas que dela se beneficiam. Coma uma dieta balanceada, que contém todos os grupos de alimentos e fornece carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e minerais ao indivíduo nos níveis recomendados é uma dieta saudável. Se a pessoa está de dieta, obcecada com perda de peso ou saúde, ou come demais, ela vai comer.

                Referências bibliográficas

                • AAP (2014). DSM-5. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Madri. Pan-Americano.
                • Associação contra anorexia e bulimia (sf). Associação contra anorexia e bulimia. Barcelona, ​​Espanha. Recuperado de: http://www.acab.org/es.
                • Attia, E. (2010). Anorexia nervosa: situação atual e direções futuras. Revisão anual da medicina. 61 (1): 425–35.
                • Fuglset, TS; Landro, NI; Reas, DL; Ro, Ø. (2016). Alterações cerebrais funcionais na anorexia nervosa: uma revisão de escopo. Revista de Transtornos Alimentares. 4:32.
                • Muñoz, R. e Martínez, A. (2007). Ortorexia e vigorexia: novos transtornos alimentares? Transtornos alimentares, 5: pp. 457 – 482.
                • Portela de Santana, ML, da Costa Ribeiro, H., Mora Giral, M. e Raich, RM (2012). A epidemiologia e os fatores de risco dos transtornos alimentares na adolescência; Uma revisão. Nutr. Hosp. 27 (2), 391-401.
                • Sari, F.S. (2009). 100 perguntas e respostas sobre anorexia nervosa. Jones & Bartlett Aprendizagem. pág. XVI.

                Deixe um comentário