Como a terapia cognitivo-comportamental é usada na hipocondria?

A hipocondria é um distúrbio psicológico muito problemático e pode até levar aqueles que a desenvolvem a se envolverem em comportamentos que colocam sua saúde em risco.

Felizmente, é um distúrbio que pode ser tratado com eficácia do ponto de vista psicológico e, mais especificamente, do modelo cognitivo-comportamental aplicado à hipocondria. Vamos ver como.


    O que é hipocondria?

    A hipocondria, também chamada de hipocondríaca, é um transtorno psicopatológico em que a pessoa desenvolve uma combinação entre o medo de desenvolver uma ou duas doenças específicas, por um lado, e pensamentos obsessivos relacionados ao autocontrole e a confirmação de que sofre dos sintomas dessas doenças, por outro.

    Ou seja, a pessoa sofre com o medo gerado pela ideia de ter desenvolvido um problema de saúde e, ao mesmo tempo, torna-se inclinada a interpretar qualquer experiência como um sinal de que desenvolveu essa doença., Acaba recorrendo, portanto, às práticas de autodiagnóstico. Nem mesmo ir ao médico e ser informado de que não tem uma doença médica pode tranquilizar a pessoa a médio e longo prazo.

    Desse modo, a hipocondria pode ser vista como uma visão extremada do que acontece às pessoas com medo, mas de certa forma também possui características qualitativamente diferentes. Por exemplo, o medo está sempre focado nas doenças que surgem no corpo (e não no medo de lesões) e, além disso, a hipocondria pode interferir na qualidade de saúde da pessoa, levando-a a adotar comportamentos baseados na evitação. Uma tendência para a evitação que não é justificada nem pelo seu verdadeiro estado de saúde nem pelos riscos de contrair ou agravar uma doença.

    Além disso, em geral, o desconforto associado à hipocondria está ligado a problemas reais de saúde física, especialmente na forma de dor e coceira. Por isso está incluído no transtorno somatomórfico (recentemente denominado transtorno de sintomas somáticos), uma vez que o desconforto psicológico gerado por esse ciclo vicioso de ansiedade, autocontrole e pensamentos obsessivos pode levar ao desconforto físico por meio da sugestão.

    Por outro lado, deve-se notar que a mera crença de que se está com a saúde debilitada sem mencionar um determinado transtorno não pode ser considerada hipocondria. Para que esse distúrbio psicológico ocorra, a pessoa deve nomear a (s) patologia (s) que acredita ter e, a partir dessas crenças, de alguma forma interpreta coisas que consideram ser sintomas. Em qualquer caso, o diagnóstico de tais problemas psicopatológicos só pode ser feito por profissionais da psiquiatria e da psicologia clínica.

      Como a hipocondria é tratada na psicologia cognitivo-comportamental?

      Como vimos, a hipocondria é baseada em uma dinâmica de feedback entre ansiedade e medo, por um lado, e comportamentos de autocontrole, por outro. Esses dois elementos levam a pessoa a ser muito propensa a pensamentos obsessivos e a ter uma visão muito preconceituosa de seu estado de saúde, tanto por meio de seus pensamentos quanto por meio de suas interações com o meio ambiente e com seu próprio corpo. seu corpo que o preocupa.

      A psicologia cognitivo-comportamental é, portanto, muito eficaz, porque também atua de duas maneiras: intervém tanto nos processos mentais e privados associados à gestão de emoções e pensamentos e em ações observáveis. Na verdade, foi observado que os efeitos dessa forma de intervenção psicológica persistem muito depois do fim da psicoterapia.

      Mas vamos examinar com mais detalhes os processos de intervenção psicológica que ocorrem no modelo cognitivo-comportamental aplicado à hipocondria.

      1. Desafie as crenças disfuncionais

      A reestruturação cognitiva é um dos pilares da intervenção psicológica cognitivo-comportamental e consiste em faça perguntas e ideias-chave que levam a pessoa a questionar suas crenças mais disfuncionais, aqueles que apoiaram a dinâmica de pensamento e comportamento que dá força ao transtorno.

      Ou seja, ele não confronta diretamente o paciente, censurando-o por acreditar em certas coisas, mas é convidado a ver por si mesmo até que ponto essas ideias resistem a se opor à realidade.

        2. Detecção de pensamentos problemáticos

        Saber como identificar pensamentos recorrentes (ou seja, eles parecem irromper involuntariamente em nossa consciência) que precedem o autocontrole é muito útil para neutralizar sua influência sobre nós. À medida que nos habituamos a vê-los de um ponto de vista objetivo e “racionalizado”, ficamos mais relutantes em nos deixar levar pelos sentimentos negativos que eles geram em nós, uma vez que nós insistimos na previsibilidade destes.

          3. Treinamento em técnicas de gerenciamento de ansiedade

          Algumas dessas técnicas têm efeitos imediatos, outras têm efeitos imediatos e cumulativos a médio e longo prazo. Alguns exemplos de técnicas de relaxamento seriam respiração controlada por diafragma, relaxamento muscular progressivo de Jacobson, etc.

            4. Desenvolvimento de novos hábitos de estilo de vida saudáveis ​​por meio de um plano de rotina

            Este elemento da terapia cognitivo-comportamental envolve tanto a limitação objetiva dos comportamentos de autocontrole (por exemplo, definir um limite claro para os dias e cada semana), e implementar rotinas de vida que antes eram evitadas por medo de desenvolver ou contrair uma doença, para que aos poucos a pessoa aprenda a perder o medo dessas experiências.

              Quer beneficiar de apoio psicológico profissional?

              Se você estiver procurando por serviços de psicologia para superar problemas relacionados à hipocondria, ansiedade ou medos disfuncionais em geral, entre em contato comigo.

              Sou psicóloga especialista no modelo cognitivo-comportamental e trabalho com adultos e adolescentes. Pode utilizar os meus serviços pessoalmente durante a minha consulta em Madrid ou através do modo de videochamada online.

              Referências bibliográficas

              • Axelsson, Erland; Hedman-Lagerlöf, Erik (2019). Terapia cognitivo-comportamental para ansiedade relacionada à saúde: uma revisão sistemática e meta-análise da eficácia clínica e resultados econômicos de saúde. Expert Review of Pharmacoeconomics Research and Outcomes, 19 (6): p. 663 – 676.
              • Barsky, AJ; Ahern, DK (2004). Terapia cognitivo-comportamental para hipocondria: um ensaio clínico randomizado. Journal of the American Medical Association, 291 (12): p. 1464-1470.
              • Organização Mundial da Saúde (1992). CID 10. Transtornos mentais e comportamentais graves. Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Madrid: Meditor.

              Deixe um comentário