Como a ansiedade pode ser controlada com cirurgia?

Foi comprovado em várias pesquisas que sentir-se ansioso afeta a condição antes e depois da cirurgia. Portanto, será importante trabalhar nisso para melhorar a condição do paciente e acelerar sua recuperação.

Diferentes técnicas têm se mostrado úteis no enfrentamento do medo e da sensação de ansiedade em geral, adaptadas de acordo com a idade da pessoa em tratamento e suas características.


Neste artigo, discutimos o efeito da ansiedade do paciente na cirurgia e vemos várias dicas sobre como lidar com a ansiedade antes da cirurgia.

    Efeitos que podem resultar da cirurgia

    A cirurgia é considerada um evento estressante para o indivíduo, pois é um evento imprevisível que não sabemos com absoluta certeza qual será o resultado final. Diante de uma operação, o paciente também tem a impressão de estar perdendo o controle de si mesmo, porque a cirurgia não depende dela, então é muito provável que apareça uma ansiedade que afetará o manejo da operação e a recuperação subseqüente.

    Observou-se que o grau ótimo de preocupação para enfrentar uma intervenção é moderado, pois se a preocupação for muito baixa, os pacientes tendem a ser menos colaborativos e mais irritáveis ​​e irritados, e vice-versa, níveis muito altos podem levar ao desenvolvimento de medos patológicos e fazer com que a pessoa também se envolva menos no processo de cuidado subsequente.

    Desta forma, será muito importante avaliar e levar em consideração o estado emocional e psicológico do paciente e seus pensamentos sobre a operação antes de prosseguir com a operação, pois isso irá garantir que o processo não seja tão negativo ou estressante e subsequente a recuperação é melhor, mostrando o assunto mais colaborativo.

      Como lidar com a ansiedade antes de uma operação?

      Como vimos, a ansiedade afetará a recuperação pós-intervenção; por isso é fundamental tratá-la e lembrá-la antes de qualquer cirurgia. A esse respeito, examinamos várias dicas e estratégias para ajudar os pacientes a lidar com a ansiedade antes de uma operação.

      1. Considere os diferentes tipos de pacientes

      Nem todas as pessoas se beneficiam igualmente de diferentes técnicas de gerenciamento de ansiedade e, como resultado, a intervenção psicológica é realizada de forma personalizada.

      Uma das características a serem avaliadas é se o sujeito possui traços sensibilizantes, ou seja, se é uma pessoa ansiosa e vigilante diante dos sentimentos de dor ou, ao contrário, é repressivo (aqueles que negam o estresse e evitam pensar a respeito ) Quanto aos pacientes com o primeiro tipo de filmagem, através da realização de um estudo que consistia em assistir a filmes com ou sem informação da intervenção, vimos que estes obtiveram resultados positivos assistindo à fita; por outro lado, se os repressores só viram a fita uma vez, ficaram mais preocupados do que se não a vissem.

      Outra variável a considerar é o estilo de enfrentamento típico de cada indivíduo. Vimos que há pacientes que buscam informações sobre a cirurgia e são eles que vão se beneficiar com a informação e, portanto, ficarão menos ansiosos. Por outro lado, existem outras pessoas ditas “evitativas” diante das quais, para evitar que a ansiedade aumente ou diminua muito, é aconselhável não dar-lhes demasiadas informações, ou não dar-lhes demasiadas muita informação. fornecer apenas as informações essenciais. da intervenção.

      Do mesmo jeito dependendo se os médicos precisam que o paciente seja mais ou menos ativo durante a operação, um ou outro estilo de confronto será melhor. Quando é importante que o paciente intervenha, o estilo ativo do sujeito é benéfico; pelo contrário, nos casos em que menos colaboração é necessária, melhores resultados serão obtidos se você permanecer passivo na aplicação de estratégias de distração para ansiedade.

      Por fim, outro aspecto que deve ser avaliado pelo paciente é o grau de ansiedade. Foi observado que pacientes com menos ansiedade irão se beneficiar mais com o recebimento de mais informações sobre o procedimento; por outro lado, diante daqueles que apresentam maior traço de ansiedade, será melhor dar-lhes as informações necessárias, sem ir além deles.

        2. Capacite o paciente

        Em um estudo realizado com pacientes que seriam operados, observou-se que a sujeitos que receberam informações sobre a dor que podem sentir e que aprenderam técnicas de respiração melhoraram sua ansiedade, precisava de menos analgésicos e teve alta do hospital mais cedo.

        Assim, vimos que existem dois tipos de informação que são mais eficazes para melhorar o estado do paciente. Um desses tipos é fornecer conhecimento sobre o procedimento cirúrgico, ou seja, aumentar a conscientização sobre como será a intervenção, o que vai acontecer antes e depois, onde será realizado o procedimento, que tratamento adicional você receberá, quanto tempo de recuperação será estimado …

        O segundo tipo de informação considerada útil é fornecer conhecimento sobre as sensações que você terá, como você provavelmente se sentirá antes e depois da operação. Dessa forma, tentamos reduzir a incerteza.

        Ser capaz de se expressar pode ajudar a reduzir sua ansiedade, para contar como você se sente, quais são as suas preocupações e medos para que você possa tirar dúvidas, diminuir o grau de incerteza e receber suporte profissional, pois como falamos, a ansiedade dificulta muito o comando da operação. recuperação.

          3. Em caso de ansiedade muito intensa, você deve consultar um psicólogo

          O médico lhe dará as informações de que você precisa para saber sobre o procedimento, fornecerá um tratamento personalizado e adaptará o atendimento ao tipo de paciente.

          Mas se a ansiedade não diminuir, e isso for muito alto e prejudicial para o procedimento que será realizado, você deve ser encaminhado a um psicólogo para trabalhar mais especificamente essa ansiedade e poder treinar técnicas mais precisas para reduzi-la, como relaxamento, psicoeducação, reestruturação cognitiva …

            Preparação emocional para cirurgia em crianças pequenas

            As crianças têm características ou habilidades diferentes dos adultos, por este motivo será necessário adaptar a preparação e controlar a ansiedade, antes de uma futura intervenção. Desta forma, asseguramos também que as primeiras experiências médicas não sejam negativas, aumentando assim a possibilidade de que a atitude dos mais pequenos em relação aos futuros tratamentos não seja má.

            Está comprovado que as informações que prestamos precisam ser customizadas de acordo com a idade do paciente, para que o paciente possa ter um bom entendimento e possa realmente se beneficiar do processo. Assim, nos mais novos a informação da intervenção é dada de uma forma muito geral, tornando-a o mais divertida possível e mostrando os diferentes instrumentos utilizados pelo médico (a informação mais precisa é dada aos pais).

            À medida que a criança cresce, aumenta a quantidade de conhecimento e a especificação das informações que lhe são fornecidas.portanto, na adolescência, as mesmas variáveis ​​que são consideradas com os adultos já serão levadas em consideração.

            Vários estudos têm mostrado que brincar beneficia as crianças para entender melhor a patologia e as ajuda a se preparar emocionalmente para diferentes intervenções médicas. Complementarmente, também vimos queConstruir uma relação de confiança entre a criança e os profissionais que a atenderão pode ajudar a reduzir o medo e a ansiedade..

            Diferentes procedimentos têm sido usados ​​para tratar a ansiedade em crianças; por exemplo a técnica da imaginação emocional foi aplicada, o que implica que a criança imagina um herói para ajudar a reduzir a ansiedade. Outro método de intervenção para superar a ansiedade antes da cirurgia se baseia no relaxamento muscular e no treinamento respiratório complementado por imagens amigas da criança, distração e estratégias de autoinstrução para orientar situações estressantes.

            Finalmente, outra intervenção que se mostrou eficaz em menores é a modelagem de filme. Esse procedimento consiste na exibição de um filme sobre a criança que mostra a permanência de um menor na clínica desde a entrada até a alta. No início, o garoto fica ansioso, mas ao longo das filmagens ele viu maneiras de lidar com isso e técnicas para reduzi-lo. Apesar dos benefícios observados com esse procedimento, foi demonstrado que ele não é recomendado quando a intervenção é iminente, ocorrendo no mesmo dia, pois a criança não terá tempo para entender totalmente as informações.

            Da mesma forma, será importante apresentar aos pais os procedimentos que realizamos com as crianças, pois provavelmente eles também estarão preocupados com a operação futura e terão que estar preparados para atuar como apoio aos filhos.

            Referências bibliográficas

            • Carrillo, L., Fernández, MªN., Clariana, SM e dels Ríos P. (2018) Manual de preparação CEDE PIR. Psicologia da saúde. Rendimento: 5ª Edição.
            • Gordillo, F., Arana, JM e Mestas, L. (2011) Tratamento da ansiedade em pacientes pré-operatórios. Revista Clínica de Medicina de Família.
            • Moreno, P. e Carrer, A. (2015) Detecção e ação na ansiedade pré-operatória imediata. Centro cirúrgico sem internação, Hospital Vall d’Hebron de Barcelona.

            Deixe um comentário