As 7 principais diferenças entre depressão, ciclotimia e distimia

Apesar de pertencerem à mesma categoria de transtornos do humor, a depressão e a ciclotimia e a distimia possuem características distintas que levam a diagnósticos distintos.

É necessário levar em conta todas essas diferenças para não confundir essas psicopatologias e poder usar as medidas adequadas para superar o transtorno a partir de um diagnóstico e um tratamento adaptado (sempre proposto pelos profissionais de saúde mental).


Neste artigo apresentamos a você as principais diferenças entre depressão, ciclotimia e distimiapara que você conheça suas características distintivas aproximadamente.

    Quais são esses transtornos mentais?

    Antes de citar as principais diferenças entre os termos, vamos ver como cada um é definido.

    A depressão é um transtorno mental que se caracteriza pela tristeza patológica como os principais sintomas, perda de humor, baixa autoestima, anedonia ou perda de prazer e diminuição da agilidade mental. Em muitos casos, a depressão também leva a pensamentos suicidas persistentes.

    A definição de distimia ou transtorno depressivo persistente é relativamente imprecisa, pois é entendida como depressão leve, mas com maior tempo de envolvimento. No entanto, também apresenta um perigo significativo para a integridade física da pessoa, pois leva a comportamentos autodestrutivos por meio de hábitos não saudáveis ​​e aumenta o risco de desenvolver outras psicopatologias.

    Em última análise, Ciclotimia é definida como labilidademudança de humor por toda parte, ou seja, de um estado triste para um estado relativamente eufórico.

      Principais diferenças entre depressão, ciclotimia e distimia

      Apesar de classificar os três transtornos mentais como afetos de humor, as características que definem os três termos são diferentes e darão origem a diferentes padrões de apresentação do comprometimento afetivo.

      1. Grupo de transtornos a que pertencem

      Como já apontamos, todas as três condições são classificadas como transtornos de humor. Dentro dessa classificação, existem dois grupos: transtornos depressivos e transtornos bipolares. No entanto, em referência à depressão maior e à distimia, essas duas condições são consideradas parte dos transtornos depressivos.

      Em contrapartida, a ciclotimia é definida como um tipo de transtorno bipolar com características quantitativas e qualitativamente diferentes das demais variantes, mas que, no entanto, está incluída nesse quadro clínico.

        2. Principais sintomas de cada transtorno

        O transtorno depressivo maior apresenta sintomas característicos: humor deprimido na maior parte do dia (tristeza patológica), diminuição do interesse ou da capacidade de sentir prazer (anedonia), perda ou aumento do apetite ou peso (alteração de mais de 5% em um mês), insônia (dificuldade para dormir) ou hipersonia (aumento da sonolência), inquietação ou lentificação psicomotora, fadiga ou sensação de perda de energia, sentimento de inutilidade e culpa, diminuição da capacidade de concentração ou pensamentos repetitivos de morte ou pensamentos suicidas. De todos esses sintomas, pelo menos cinco devem ser experimentados e um deles deve ser o número 1 ou 2.

        A distimia apresenta, como sintoma principal e deve estar presente, humor triste a maior parte do dia, maioria dos dias. Além dos critérios acima, você deve ter pelo menos dois dos seguintes sintomas: perda ou aumento do apetite, insônia ou hipersonia, falta de energia ou fadiga, baixa autoestima, dificuldade de concentração e tomada de decisões ou sensação de desesperança.

        Em última análise, sintomas depressivos e sintomas hipomaníacos devem estar presentes na ciclotimia sem preencher os critérios para diagnóstico de episódio depressivo ou hipomaníaco. Destes, a hipomania é caracterizada por um humor anormalmente elevado ou aumentado e aumento de energia ou atividade intencional anormal, bem como três ou mais dos seguintes sintomas: autoestima inflada e sensação de grandeza, diminuição da necessidade de sono (precisa de apenas três horas ), prolixo e muito falante, raciocínio rápido ou brainstorming, facilmente distraído, atividade psicomotora aumentada ou inquietação e envolvimento pesado em atividades prazerosas com consequências graves.

          3. Duração mínima de cada transtorno

          Além de mostrar sintomas diferentes, também são necessárias durações diferentes para poder diagnosticar cada distúrbio. Portanto, cinco dos sintomas acima devem estar presentes para a depressão por pelo menos duas semanas consecutivas. Por outro lado, nos dois casos de distimia e ciclotimia, o tempo necessário será maior, pois em ambos os casos são distúrbios de maior persistência e cronicidade.

          Para diagnosticar o Transtorno Distímico ou Transtorno Depressivo Persistente, que é o nome dado a ele na 5ª edição do Manual de Diagnóstico da Associação Americana de Psiquiatria (DSM 5), humor triste na maioria das vezes deve estar presente há pelo menos dois anos (um ano se o paciente for menor de idade). Note-se também que durante este período não pode haver mais de dois meses consecutivos sem apresentar os critérios A e B que se referem ao humor triste persistente e aos dois ou mais sintomas complementares que este deve manifestar.

          Com referência à distimia, um episódio de depressão maior pode ocorrer durante o período da doença, possibilitando o diagnóstico de distimia e esclarecer se o episódio depressivo está presente ou não.

          Como dissemos, a ciclotimia também é um transtorno persistente, mas neste caso bipolar, os sintomas devem estar presentes por pelo menos dois anos, pode ser único se o sujeito for criança ou adolescente. Além disso, durante esse intervalo de tempo de dois anos, os sintomas estiveram presentes por pelo menos metade do tempo e o indivíduo não ficou livre de sintomas por mais de dois meses.

          4. Idade de início de cada transtorno

          A idade típica de início da doença também é diferente. Em relação ao transtorno depressivo maior, a faixa etária em que a condição é mais provável de aparecer é de 18 a 29 anos. Por outro lado, as outras duas patologias geralmente aparecem mais cedo, no caso da distimia é comum o início ocorrer na infância (6-11 anos) ou adolescência (12-28) e a ciclotimia na ‘adolescência.

            5. Sexo em que cada transtorno é mais prevalente

            Em geral, os transtornos de humor são mais comuns em mulheres, mas no caso do transtorno bipolar, a prevalência entre os sexos é igual. Assim, tanto na depressão quanto na distimia haverá maior porcentagem de mulheres afetadas, na depressão com proporção 1,5 a 3 vezes maior nas mulheres do que nos homens, e na distimia com proporção duas vezes maior que a população feminina.

            Por outro lado, a ciclotimia quando está ligada à bipolaridade, a proporção de homens e mulheres afetados na população geral é igual, é verdade que se olharmos para a população clínica, ou seja, os sujeitos que vão em consulta e fomos diagnosticados com uma proporção maior de mulheres.

            6. Prevalência de cada transtorno

            Dos três transtornos, o mais comum é de longe o transtorno depressivo maior, o DSM-5 tem uma prevalência anual de 7%; essa porcentagem pode variar de acordo com o sexo ou a localização, pois, por exemplo, nas populações rurais essa prevalência diminui.

            No que se refere à distimia, o percentual do transtorno anual é de 0,5, embora na infância a prevalência dessa afecção seja maior do que a apresentada na depressão maior, pois em média o transtorno depressivo apresenta 2%; no lugar, a distimia atinge 6,4%.

            Por fim, a ciclotimia apresenta prevalência vital, que se refere ao percentual de indivíduos que já tiveram a doença em algum momento da vida, do 0,4-1%.

            7. Tratamentos recomendados

            Em relação ao tratamento, observamos que o modo de intervenção no transtorno depressivo maior e na distimia é semelhante, podendo o tratamento farmacológico ser realizado e psicoterápico.

            Diferentes drogas, como os inibidores da monoamina oxidase (IMAOs), foram testadas para o tratamento medicamentoso. que atuam principalmente aumentando a serotonina, a noradrenalina e a tiramina; tricíclicos que aumentam a noradrenalina, serotonina e dopamina e inibidores da recaptação de serotonina que aumentam a concentração desse neurotransmissor, sendo este último o mais utilizado, por apresentar menos efeitos colaterais.

            Mas está provado que tratamento medicamentoso por si só não é suficiente. Para maior eficácia, é necessário complementá-lo com tratamento psicológico. O resultado mais comprovado e melhor tem sido o tratamento cognitivo-comportamental, que utiliza tanto técnicas comportamentais (por exemplo, planejar atividades prazerosas e ativadoras para fornecer fontes de motivação e estímulos), quanto cognitivas (onde você trabalha a reestruturação cognitiva para melhorar a crenças disfuncionais do paciente).

            No lugar, os medicamentos usados ​​para tratar a ciclotimia serão mais semelhantes aos testados para transtorno bipolar, mas em doses mais baixas. Por exemplo, estabilizadores de humor, como carbamazepina ou lítio, podem ser prescritos. No que diz respeito ao tratamento terapêutico, também é utilizado o tratamento cognitivo-comportamental, embora se dê ênfase a outro tratamento que se concentre na esfera interpessoal e no ritmo social, pois em pacientes com essa psicopatologia é muito importante manter uma rotina de sono estável. alimentação e atividade para que a pessoa não se desestabilize.

            Referências bibliográficas

            • Jiménez, M., Gallardo, G., Villaseñor, T. e González, A. (2013) Distimia no contexto clínico. Revista Colombiana de Psiquiatria.
            • Cárdenas, EM, Feria, M., Vázquez, J., Palacios, L. e de la Peña, F. (2010) Guia de transtornos afetivos (depressão e distimia) em crianças e adolescentes. Instituto Nacional de Psiquiatria Ramón de Fuente Muñiz, México.
            • American Psychiatric Association (2013) Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (Quinta Edição). Mason: Barcelona.
            • Antequera, J. (2018) CEDE PIR Manual de Preparação: Psicologia Clínica Vol.1. CEDE: 5ª Edição.

            Deixe um comentário