As 12 ferramentas para avaliar os distúrbios da dança

Hoje, grande parte da população mundial vive em uma sociedade globalizada, que experimenta mudanças contínuas e em ritmo acelerado, por isso as pessoas muitas vezes têm dificuldade de se adaptar a elas e, com isso, surgem casos de ansiedade.

Considerando a alta prevalência de transtornos de ansiedade na população global, os profissionais estão cada vez mais exigentes para sua detecção e tratamento, portanto, passaram a desenvolver um grande número de instrumentos de avaliação de transtornos de ansiedade, bem como tratamentos psicológicos específicos.


Neste artigo vamos falar sobre as ferramentas mais utilizadas para avaliar transtornos de ansiedade, encontrar alguns para medir a ansiedade como uma construção geral, bem como para medir vários transtornos de ansiedade mais específicos (por exemplo, fobias, ansiedade generalizada, etc.).

    As ferramentas mais utilizadas para avaliar problemas de saúde

    Eles são as ferramentas de avaliação de transtorno de ansiedade mais comumente usadas em psicologia clínica.

    1. Questionário de ansiedade de risco (STAI)

    O Questionário para Medir o Estado de Ansiedade e Transtornos de Ansiedade, desenvolvido por Spielberger e colegas, é uma das ferramentas mais utilizadas para avaliar transtornos de ansiedade, sem falar que talvez seja o mais utilizado pelos profissionais.

    O estado de ansiedade é definido como um processo de intensa ativação emocional diante de um estímulo que a pessoa percebe como perigoso ou que o antecipou., ele, portanto, inicia certas ações a fim de se antecipar ou se proteger, como atos de fuga e evitar os riscos que considera correr caso enfrente a situação temida. Nesse caso, a pessoa se sente ansiosa em um determinado momento e geralmente se acalma quando o estímulo que considera perigoso acaba, mas ela não precisa estar predisposta a se sentir assim.

    No caso do disparo de ansiedade, os sintomas experimentados pela pessoa são bastante semelhantes aos experimentados em um estado de ansiedade; no entanto, neste caso, a pessoa tem mais probabilidade de se sentir ansiosa, pode até sentir sentimentos de ansiedade e preocupação sem nenhum estímulo no ambiente que os desencadeou. Nesse caso, pode-se dizer que quando é detectado um caso de ansiedade, é porque a pessoa avaliada costuma vivenciar estados de estresse de forma regular.

    Por outro lado, deve-se observar que o questionário de ansiedade STAI é composto por duas escalas de 20 itens cada; um para medir o estado de ansiedade e outro para medir a ansiedade. Além disso, seus itens são respondidos em uma escala Likert (de 0 a 3) e os escores podem variar de 20 a 80 pontos, sendo esse escore diretamente proporcional, em ordem crescente, ao grau de ansiedade sentido pelo avaliado. .

    É uma das ferramentas de avaliação do transtorno de ansiedade que também pode ser utilizada durante o processo de avaliação do Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), Fobia Social, Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) e Transtornos de comportamento (ATC), entre outros.

      2. Inventário de ansiedade de Beck (BAI)

      Este instrumento foi desenvolvido principalmente com o propósito de medindo ansiedade clínica ou estado de ansiedade prolongado ao longo do tempo. Ao contrário de outros instrumentos de avaliação de transtornos de ansiedade que também são utilizados para avaliar casos de depressão, como o IDATE, o BAI é responsável por mensurar a ansiedade de forma mais específica, pois seus elementos possuem conteúdos relacionados à diminuição da depressão.

      Este inventário de medição de ansiedade foi desenvolvido por Aaron Beck e Robert A. Steer, para medir a ansiedade em uma ampla variedade de pacientes clínicos e na população geral de 13 anos. Por outro lado, este inventário é composto por 21 itens que devem ser respondidos em escala tipo Likert com uma pontuação de 0 a 3 pontos por item, portanto, a pontuação máxima de ansiedade seria de 63 pontos.

      Os limites neste inventário para medir a ansiedade são os seguintes:

      • Ansiedade muito baixa: 0 a 21 pontos.
      • Ansiedade moderada: 22 a 35 pontos.
      • Ansiedade severa: 36 a 63 pontos.

        Outras ferramentas para avaliar transtornos de ansiedade

        Aqui estão alguns dos instrumentos mais comuns usados ​​para medir outros transtornos de ansiedade: transtorno de ansiedade generalizada, transtorno do pânico, fobia social e mutismo seletivo.

        1. Ferramentas de avaliação do transtorno de ansiedade generalizada (GAD)

        Essas são algumas das ferramentas de avaliação de transtorno de ansiedade generalizada mais comumente usadas.

        1.1 Questionário para o diagnóstico de transtorno de ansiedade generalizada (GADQ-M)

        A versão em espanhol deste questionário, desenvolvido por Sandín, é composta por 11 itens que são usados ​​para diagnosticar o transtorno de ansiedade generalizada em um curto espaço de tempo. É importante observar que seus itens estão voltados principalmente para informações sobre as características das preocupações do avaliador; embora seja baseado nos critérios do DSM-IV, uma vez que nenhuma edição nova ou revisada foi feita.

        1.2 Questionário de preocupações da Penn State (PSWQ)

        Este questionário contém 16 itens que são usados ​​para avaliar a preocupação patológica e generalizada, isto é, preocupação incontrolável e excessiva. Sua versão mais moderna é a de número 11 (PSWQ-11).

          2. Instrumentos para avaliar o transtorno do pânico

          A seguir, explicaremos resumidamente algumas das ferramentas de avaliação de transtorno de ansiedade que foram desenvolvidas mais especificamente para transtornos de pânico e agorafobia.

          2.1 Inventário de agorafobia (AI)

          A versão em espanhol deste questionário foi desenvolvida por Echeburúa e seus colaboradores e consiste em 69 itens que foram desenvolvidos para avaliar os sintomas da agorafobia.

          Este inventário é dividido em 2 partes:

          • Parte 1: Avalie a evitação, as sensações corporais e as cognições associadas.
          • Parte 2: Avalie uma série de fatores moderadores possíveis para essas respostas ansiosas.

          2.2 Questionário de Pânico e Agorafobia (CPA)

          Este questionário é composto por 40 itens para avaliar e diagnosticar transtorno de pânico e agorafobia, de acordo com os critérios do DSM-IV.

          As vantagens deste teste são as seguintes:

          • Ele permite que você detecte a gravidade dos ataques de pânico.
          • Ele permite o diagnóstico de transtorno do pânico e agorafobia.
          • É usado para detectar pânico, esquiva interoceptiva e agorafobia, entre outros.

          2.3 Questionário abreviado de transtorno de pânico (CATP)

          Foi desenvolvido por Sandín e seus colaboradores e revisado em 2015. É composto por 14 itens que avaliam três fatores relevantes do transtorno de pânico através de 3 escalas:

          • A gravidade do pânico.
          • Interpretações catastróficas diante do pânico.
          • Autoeficácia do indivíduo frente ao pânico.

          2.4 Questionário de Ataque de Pânico em Crianças e Adolescentes (CAPN)

          Esta é uma versão de 28 itens para avaliação e diagnóstico do transtorno do pânico, sendo uma versão desenvolvida especificamente para crianças e adolescentes.

          3. Instrumentos para avaliar fobias

          Nesta seção, examinaremos as ferramentas comumente usadas no campo clínico da psicologia para avaliar fobias.

          3.1 Inventário de medos da escola (IME)

          É uma das ferramentas de avaliação para transtornos de ansiedade, embora seja mais específico, porque se concentra mais nos sintomas de ansiedade experimentados em face de certos medos acadêmicos. Existem 3 versões diferentes, cada uma focada em um grupo populacional em um determinado estágio de desenvolvimento evolutivo.

          É utilizado para avaliar medos relacionados ao contexto escolar: medo de desconforto físico, fracasso escolar, punição, avaliação social, entre outros.

          3.2 FSSC-Questionário Espanhol sobre Medo das Crianças (FSSC-E)

          É composto por 80 elementos e tem uma versão resumida (25 elementos) e atualizada a partir de 2016, produzida por Sandín e seus colaboradores.

          É um questionário usado para avaliar medo do perigo, morte, animais, estranhos, medos sociais e medos médicos.

          3.3 Inventário de medo FSS-III-66

          A versão em espanhol tem 60 tópicos e é usada para avaliar as seguintes fobias: medos sociais, medos agorafóbicos, medos de pouca ou nenhuma familiaridade, medos de injetores de sangue, ferimentos e medos de animais.

          4. Instrumentos para avaliação do transtorno de ansiedade de separação (ASD)

          Aqui estão algumas das ferramentas mais utilizadas para avaliar os transtornos de separação.

          4.1 Inventário de sintomas de ansiedade de separação (SASI)

          Este questionário inclui 15 itens e é usado para avaliar retrospectivamente a ansiedade de separação em pessoas que já são adultas, embora se concentre na avaliação da ansiedade de separação causada em uma idade precoce.

          4.2 Questionário de ansiedade de separação na infância (CASI)

          Este questionário de 26 itens é destinado a crianças de 6 a 11 anos. Avalia essencialmente a ansiedade de separação, o desconforto da separação e a paz de espírito em face da separação. Ele também tem uma versão para os pais da criança responderem.

          4.3 Questionário sobre ansiedade de separação no início da hora (CASIT)

          Este questionário é composto por 24 itens e se destina a um grupo populacional muito pequeno (crianças de 3 a 5 anos). É aplicado pelos pais da criança e avalia a ansiedade de separação em relação ao sono, eventos diários ou a perda ou dano de um ente querido.

          Referências bibliográficas

          • Anarte, MT e Godoy, A. (2013). Diagnóstico clínico: caso de ansiedade. A R. Fernández-Ballesteros (Coord.). Avaliação psicológica: conceitos, métodos e estudos de caso (pp. 381-402). Madrid: Ediciones Pirámide.
          • APIR (2019). Manual de avaliação psicológica. Madrid: APIR.
          • Carrasco, MA (2013). Avaliação dos transtornos de ansiedade. Em MA Carrasco, I. Ramírez e V. del Barri (Coords.). Avaliação clínica: diagnóstico, formulação e contraste de distúrbios psicológicos (pp. 133-160). Madrid: Editorial Saiz i Torres.
          • COP (sf). Avaliação do inventário: BAI. Conselho Geral das Faculdades Oficiais de Psicólogos. Obtido em https://www.cop.es/uploads/PDF/2013/BAI.pdf.
          • Sandín, B., Valiente, RM e Chorot P. (2020). Transtornos de ansiedade. A. Belloch, B. Sandin e F. Ramos. (Coord.). Manual de psicopatologia (pp. 35-76). Madrid: McGraw-Hill.
          • Spielberger, RD, Gorsuch, RL & Lushene, RE (2015). STAI: Questionário de ansiedade de risco. Madrid: TEA Publishing.

          Deixe um comentário