Ajustando-se à aposentadoria

Entre os eventos vitais, a aposentadoria ocupa um lugar importante. A atividade laboral estrutura a vida do indivíduo, porque permite atender às suas necessidades, acessar serviços e facilitar seu desenvolvimento como pessoa. Além disso, em alguns casos, ajuda a dar sentido à própria existência.

O mundo do trabalho determina as medidas da vida, pois delimita o tempo dedicado ao trabalho e outras atividades, incluindo prazer e descanso.


Portanto, a profissão é um elemento fundamental na formação da identidade individual e, após a aposentadoria, o sujeito experimenta uma mudança radical o que limita suas possibilidades de interação social, saúde, estabilidade econômica (Fouquereau, Fernández, Fonseca, Paul e Uotinen, 2005).

    O processo de adaptação à aposentadoria

    Assim, a aposentadoria é um evento que ocorre em algum momento da vida, mas, mesmo assim, seus efeitos se estendem muito além do momento em que ocorrem (Rico, 1994). Com efeito, tem impacto desde o momento em que se prevê a reforma até bem depois de entrar em vigor.

    Além disso, é um processo de transformação, de adaptação, a uma nova situação vital com novos papéis sociais (Argulló, 2001; Conroy, Franklin e O’Leary-Kelly, 2014). Assim, Atchley (1975) propõe uma série de fases pelas quais uma pessoa pode passar ao se aposentar:

    • Reforma antecipada.
    • Lua de mel.
    • Desencanto-reorientação.
    • Estabilização.

    A essas fases, Agulló (2001) acrescenta uma ressocialização, na qual a pessoa restabelece seus papéis, adquire novos e adapta os anteriores.

      Variáveis ​​envolvidas na adaptação correta

      Entre as variáveis ​​associadas a uma boa adaptação à aposentadoria estão:

      • Aposentadoria voluntária (Ashforth, 2001), pois quando a aposentadoria é voluntária, a satisfação com a aposentadoria aumenta.
      • Por outro lado, Gómez e Martí (2003) sublinham que a situação económica é uma variável relevante uma vez que um nível de rendimento intermédio (entre 1000 e 2000€) funciona como fator de proteção contra a insatisfação provocada pela reforma.
      • Em relação ao estado civil, a presença do cônjuge influencia positivamente, sendo menor a adaptação dos solteiros ou viúvos (Kim e Feldman, 2000; Wang, 2007).
      • O momento do desmame também deve ser levado em consideração e é preferível que ocorra em um momento de estabilidade pessoal (George, 1993).
      • Além disso, uma boa saúde física, psicológica e social, bem como o desempenho de atividades e uma alta autoimagem influenciam positivamente a adaptação (Canes e García, 1989; De Zayas, 1996; Moen, Field, Quick e Hofmeiser, 2000).
      • Somado a isso, um dos fatores mais condicionantes, e ao qual mais atenção deve ser dada, é o planejamento da aposentadoria, que atua como fator de proteção (Cerezo e Topa, 2008).
      • O gênero, no entanto, não parece determinar a qualidade das experiências de vida neste momento (Wong e Shobo, 2016).

        O que é eficaz?

        Como você pode ver, a pré-preparação tem um efeito positivo na experiência de aposentadoria, narrativa e bem-estar (Conroy et al., 2014).

        Nesse ponto, programas que promovam a adaptação precoce a esse processo de mudança de vida tornam-se particularmente relevantes. Há evidências de que aconselhamento pré-aposentadoria tem impacto na redução da ansiedade ligada à insegurança económica e na reflexão, antecipação e ação para se adaptar a ela (Feldman, 2003).

        No entanto, há poucas evidências sobre a eficácia dos programas de reajuste previdenciário, apesar de pequenas experiências que vêm sendo implementadas por diversas entidades públicas e privadas, com especial ênfase na assessoria em questões econômicas e executivas. Além disso, algumas dessas experiências deixam de lado aspectos relacionados à vida familiar e à gestão do lazer e do tempo livre (Kleiber, Bayón-Martín e Cuenca-Amigo, 2012). Entre as entidades que desenvolveram cursos e programas de adaptação à aposentadoria estão, em nível estadual: CEATE, Unión Fenosa (Moragas, 2007), IMSERSO (Barrera, Malagón e Sarasola, 2008), Mapfre e EMagister (Villoslada-Manero, 2018). , UPV/EHU (Buiza-Bueno e Lizaso-Elgarresta, 1998).

        O acesso a esses programas é muito limitado. Então o que nós podemos fazer? Procure, ao máximo, ter a maior segurança emocional, social e econômica, planejando sua aposentadoria e levando em consideração a existência de diferentes momentos ou fases. Assim. é hora de preparar e ajustar nossas expectativas à realidademas sem esquecer que se abre uma nova etapa vital que pode trazer grandes momentos e novas ilusões.

        Autor: Borja Luque, psicóloga geral da saúde e sexóloga na psicologia vitalizante da saúde.

        Referências bibliográficas

        • Agulló, TM (2001) Idosos, atividade e trabalho no processo de envelhecimento e aposentadoria: uma abordagem psicossociológica. Madrid: Ministério do Trabalho e Assuntos Sociais, Secretaria IMERSO.
        • Ashforth, BE (2001). LEA organização e série de gestão. Transições de papéis na vida organizacional: uma perspectiva de identidade. Nova Jersey: Lawrence Erlbaum Associates Publishers.
        • Atchley, R. (1975). Ajuste à perda de emprego na aposentadoria. Revista Internacional de Envelhecimento e Desenvolvimento Humano, 6(1), 17-27.
        • Barrera, E., Malagón, JL e Sarasola, JL (2008) O papel das empresas na preparação para a aposentadoria. Jornal do Departamento de Trabalho e Imigração, 76 (1), 15-38.
        • Buiza-Bueno. Cy Lizaso-Elgarresta, I. (1998). Oficina de retiro em Hernani. Universidade do País Basco. Trabalho inédito.
        • Canes, C. e García, RM (1989). Perfil do Ancião do Ano 2000. Revista Espanhola de Geriatria e Gerontologia, 24 (1), 335-341
        • Cerezo, E. e Topa, G. (2008). Aposentadoria precoce da alta administração nas organizações: uma análise qualitativa. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 24(3), 389-416.
        • Conroy, S., Franklin, D. e O’Leary-Kelly, AM (2014). Turbulência ou oportunidade? Aposentadoria e adaptação por identidade. Em Ford, JK, Hollenbeck, JR e Ryan, AM (Eds.), The Nature of Work: Advances in Psychological Theory, Methods, and Practice (pp. 165-182). Associação Americana de Psicologia.
        • DeZayas, I. (1996). O desafio da proteção social para os novos aposentados. IV Conferência de Intervenção Social do Colégio Oficial de Psicólogos de Madrid, 3, 2365-2373. Madrid: Ministério dos Assuntos Sociais, Instituto Nacional de Serviços Sociais (INSERSO).
        • Feldman, D. (2003). Endgame: o desenho e a implementação de programas de incentivo à aposentadoria antecipada. Em Adams, G. e Beehr, T. (Eds.), Aposentadoria: razões, processo e resultados (pp. 83-114). Nova York: Springer.
        • Fouquereau, E., Fernández, A., Fonseca, AM, Paul, MC e Uotinen, V. (2005). Percepções e Satisfação com a Aposentadoria: Uma Comparação de Seis Países da União Européia. Psicologia e Envelhecimento, 20(3), 524-528.
        • George, L. K. (1993). “Perspectivas Sociológicas sobre Transições de Vida”. Revisão Anual de Sociologia, 19, 353-373.
        • Gómez, S. e Martí, C. (2003). A reforma antecipada e o seu impacto na pessoa, na empresa e no sistema de pensões. Universidade de Navarra, IESE, Cátedra SEAT em Relações Laborais. Recuperado em 3 de março de 2020, de http://www.iese. edu/research/pdfs/DI0522.pdf.
        • Kim, S. e Feldman, D. (2000). Trabalhar na aposentadoria: os antecedentes do emprego de transição e suas consequências na qualidade de vida na aposentadoria. Jornal da Academia de Administração, 43, 1195-1210.
        • Kleiber, DA, Bayon-Martín, F. e Cuenca-Amigo, J. (2012). Educação de lazer em preparação para a aposentadoria nos Estados Unidos e na Espanha. Pedagogia social, Interuniversity Review, 20, 137-176.
        • Moen, P., Field, V., Quick, HE e Hofmeiser, H. (2000). Uma abordagem ao longo da vida para a reforma e integração social. Em Pillemer, K., Moen, PE, Wethington e Glaswow, N. (Eds.), Integração social na segunda metade da vida (pp. 75-107). Baltimore: Johns Hopkins University Press.
        • Moragas, R., Rivas, P., Cristofol, J., Rodríguez, N. e Sánchez, C. (2007). Prevenção do vício. Preparação para a aposentadoria (II). Barcelona: Universidade de Barcelona.
        • Rico, MA (1994). Preparação para a aposentadoria: análise das variáveis ​​que permitem a satisfação e sua candidatura a um programa de intervenção. Tese de Doutorado Faculdade de Psicologia da Universidade de Valência.
        • OnlineVilloslada-Manero, H. (2018). Transição da vida profissional para a aposentadoria. Logroño: Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais da Universidade de La Rioja.
        • Wang, M. (2007). Perfil de aposentados em processo de transição e adaptação à aposentadoria: exame de padrões longitudinais de mudança no bem-estar psicológico de aposentados. Journal of Applied Psychology, 92(2), 455–474.
        • Wong, JD e Shobo, Y. (2016). As influências moderadoras da transição para a aposentadoria, idade e gênero nos estressores diários e no sofrimento psicológico. O Jornal Internacional de Envelhecimento e Desenvolvimento Humano, 85(1), 90-107.

        Deixe um comentário