A mulher que cheira a doença de Parkinson

Conhecemos a doença de Parkinson como a incapacidade física de se mover e falar normalmente. Um dos principais problemas da doença de Parkinsoné ser capaz de identificar prematuramente sua manifestação. Portanto, é muito positivo que um caso surpreendente na Escócia tenha dado alguma esperança aos pesquisadores.

Uma mulher, Joy Milne, só pode detectar esta doença pelo cheiro. Ela descobriu essa habilidade com seu parente mais próximo, seu marido, a quem notou uma mudança no odor corporal alguns anos antes.


    O que é a doença de Parkinson?

    A doença de Parkinson é uma doença que afeta diretamente o movimento físico do corpo humano. Sua causa é a morte ou degeneração de certos neurônios e regiões conhecidas de matéria escura. As regiões denominadas gânglios da base são particularmente afetadas, a função é garantir um bom controle dos movimentos.

    Assim, essa doença produz efeitos negativos na atividade física de qualquer pessoa, como rigidez, tremores, instabilidade postural ou lentidão na fala. 75% dos pacientes com esta doença têm mais de 65 anos, enquanto os restantes 25% são menores.

    A mulher que cheira a doença de Parkinson

    Um dos dramas mais notáveis ​​deste transtorno, é é quase impossível detectá-lo a tempo poder, pelo menos, evitar seu desenvolvimento na fase mais agressiva. Pesquisadores especializados nessas doenças afirmam que em 90% dos casos é impossível detectar qualquer tipo de sintoma antes que seja tarde demais.

    No entanto, recentemente começou a ser considerada a possibilidade de prevenir o desenvolvimento agressivo da doença de Parkinson. Uma mulher comum, com uma vida normal, mas com um excelente olfato, Joy Milne, da cidade de Perth (Escócia), viu como esse fato significou um grande avanço na pesquisa de doenças.

    Seu nome foi revelado quando a Universidade de Manchester (Inglaterra), descrente de tal acontecimento, decidiu convidá-la para verificar se era verdade o que ela dizia. Sra. Milne ele afirmou não ter detectado nem mais nem menos do que nem mais nem menos 6 anos antes do manifesto definitivo da doença de Parkinson em seu marido. E isso simplesmente cheirando uma peça antes de lavá-la.

    O teste final para prevenir

    A equipe que queria realizar a pesquisa, também da University of Perth, propôs reunir 16 pessoas, metade com Parkinson e a outra metade 100% saudável. Destes indivíduos foram retiradas roupas, calças, camisas e outros acessórios.

    Joy manipulou todas as peças, cheirou bem e sem pensar muito nisso, identificou com certos rótulos as pessoas que não teriam doença de Parkinson e aquelas que tiveram. O resultado foi retumbante. Ele estava certo de qualquer maneira, ele estava cheio. Anos depois, ele foi informado de que as exposições, classificadas como suspeitas, confirmavam seu presságio. Os proprietários acabaram desenvolvendo a doença.

      resultados encorajadores

      “Eu estava cético, realmente. Mas é graças a Joy que fizemos tanto progresso nesta área”, disse um dos professores da Universidade de Manchester envolvidos no estudo. Com uma técnica tão humilde e natural, Foram detectadas 10 outras moléculas que diagnosticam a presença da doença de Parkinson antes de se manifestar totalmente.

      No Reino Unido, 1 em 600 pessoas sofre de doença de Parkinson, e um total de cerca de 130.000 casos. O trauma que deixa os pacientes incapazes de detectá-lo piora seu estado. Muitos denunciam a falta de progresso há 25 anos, e pressionam o governo inglês a destinar mais recursos à pesquisa, por isso há uma grande urgência em se encontrar uma solução.

      No entanto, os cientistas dizem que é preciso ter cuidado com essa técnica do olfato, porque não é, de longe e apesar de seus resultados incríveis, o teste definitivo. Até agora, o caso de Joy Milne é excepcional, e em nenhum outro lugar do mundo uma técnica semelhante foi identificada ou outra pessoa com o mesmo dom foi encontrada.

      Deixe um comentário