8 curiosidades sobre a ansiedade que ajudam a entender esse fenômeno

“Ansiedade” é um termo muito utilizado em nossa sociedade, mas às vezes pode ser confundido com outros conceitos ou podemos não saber todas as informações relacionadas a esse fenômeno.

Neste artigo veremos algumas das curiosidades sobre ansiedade mais notável disso.


    Qual é a sensação de estar ansioso?

    O conceito de ansiedade é um dos mais amplamente usados ​​no campo da psicologia, embora em muitas circunstâncias a distinção possa ser confusa ou obscura de outros fatores, como medo, fobia, ansiedade ou estresse. . O sentimento de ansiedade está relacionado principalmente ao componente cognitivo e é definido como uma combinação difusa de emoções que surgem diante da possibilidade de um perigo ocorrer no futuro.

    Ou seja, existem diferentes características essenciais a levar em conta para entender a ansiedade como uma base cognitiva, relacionada às emoções e cognições e não tanto às respostas fisiológicas e ao surgimento do medo. Da possibilidade de um “evento futuro que pode ou pode não ocorrer, afetando a funcionalidade do sujeito que dela sofre e sendo inadequada, então considerada um transtorno ”.

      Curiosidades interessantes de ansiedade

      Ansiedade é um dos temas mais estudados e pesquisados ​​na área da psicologia e saúde mental; por isso temos amplo conhecimento sobre ele, levando em consideração também que os transtornos de ansiedade são um dos mais comuns na população.

      Aqui estão algumas curiosidades sobre ansiedade que achamos interessantes e das quais você pode não estar ciente.

      1. Normalmente nossas preocupações não são satisfeitas.

      A ansiedade surge do medo da possibilidade de um acontecimento no futuro, que é o que também entendemos como preocupação, o medo de que algo ruim possa acontecer. Pois bem, vimos que na maioria das vezes (com uma percentagem muito elevada, perto de 90%), essas preocupações ou medos não se concretizam ou não acontecem. Às vezes significa nós sofremos de desconforto desnecessário; nossas funções ou atividades da vida diária podem ser afetadas sem realmente nos dar quaisquer aspectos positivos.

      Foi demonstrado que na maioria das vezes nós, humanos, estamos preocupados com eventos muito improváveis, senão impossíveis, estamos até preocupados com eventos que já ocorreram no passado e, portanto, não podemos fazer mais nada. para repará-los. Essas preocupações são tão sérias que às vezes desenvolvem distúrbios que afetam de fato o indivíduo, causando grande desconforto e necessitando de intervenção terapêutica.

      É por isso que, em antecipação à nossa tendência de nos preocuparmos desnecessariamente, quando temos pensamentos de medo ou ansiedade. temos que nos perguntar se esse pensamento realmente faz sentido ou qual é a probabilidade de isso acontecer, para que possamos conhecê-los e trabalhá-los gradativamente e melhorá-los.

        2. Evitar não é a solução

        À medida que avançamos, devemos tentar estar cientes dos pensamentos ansiosos que surgem em nossa mente para que possamos trabalhá-los e reduzi-los, mas devemos enfatizar que a maneira de fazer isso não é evitá-los ou tentar negá-los eles. , uma vez que foi verificado que nenhum pensamento ou distúrbio desaparece ou diminui se tentarmos evitá-lo ou inibi-lo, só conseguiremos isso para aumentar e manter a preocupação ou crença que gera nosso desconforto.

        Então, o caminho certo é lidar com aquelas preocupações que nos incomodam para que possamos ter consciência delas e, a partir do seu conhecimento, podermos treiná-las para diminuir ou não serem tão disfuncionais, pois só quando aceitamos o que nos afeta, podemos enfrentá-lo. e para melhorá-lo, é somente enfrentando nossos medos e nossas inquietações que poderemos verificar se são racionais ou não.

          3. Existem 7 tipos de transtornos de ansiedade

          O conceito de ansiedade é dividido em diferentes categorias ou distúrbios, dependendo se o medo ou a preocupação são devidos.

          Assim, por um lado, temos o transtorno do pânico que se caracteriza por um medo intenso de ter um ataque de pânico, que é entendido como um medo elevado ou desconforto com sintomas de ativação fisiológica como tremores ou suor; agorafobia, que é definida como o medo de estar em um lugar onde possa ser difícil escapar ou obter ajuda se você estiver tendo um ataque de ansiedade; ou uma fobia específica, que é um medo intenso e desconforto com um estímulo específico, como cães.

          Também sendo transtornos de ansiedade, temos o Transtorno de Ansiedade Social, que está relacionado ao medo ou evitação de situações ou ações sociais em público; e transtorno de ansiedade generalizada, definido como a preocupação com diferentes situações ou eventos da vida cotidiana.

          Existem também dois outros transtornos de ansiedade relacionados à infância: transtorno de ansiedade de separação, medo de se separar de uma figura pendurada, como os pais; e mutismo seletivo que é a incapacidade de falar em algumas situações sociais enquanto o faz em outras.

            4. As mulheres têm duas vezes mais chances de sofrer de ansiedade

            Foi descoberto que as mulheres são o sexo com maior probabilidade de ter ansiedade duas vezes mais probabilidade de desenvolver um distúrbio da sede do que os homens. Essa porcentagem mais alta em mulheres foi observada tanto na população em geral quanto na população clínica e em todos os transtornos, como transtorno de ansiedade generalizada, transtorno de ansiedade social, fobia específica, transtorno do pânico e agorafobia.

            Deve-se notar que na população clínica (ou seja, indivíduos que foram diagnosticados com o transtorno), a porcentagem de homens e mulheres que sofrem de transtorno de ansiedade social é mais semelhante, se não for observada, ligeiramente superior à dos homens.

            5. É comum que a ansiedade apareça ao lado de outro transtorno.

            A comorbidade entre ansiedade e outro transtorno é comum; Em outras palavras, uma alta porcentagem de pessoas com ansiedade também tem outro transtorno mental, como depressão, transtorno somatomórfico, transtornos psicossomáticos, disfunção sexual, transtorno de abuso de substâncias ou alguma outra doença mental de ansiedade.

            Desta forma, verificamos como fobia específica é o transtorno de ansiedade com maior probabilidade de aparecer como um diagnóstico secundário de outro transtorno, mas se apresentado como o diagnóstico principal, o sujeito de probabilidade muito baixa apresentará outra condição. Em contraste, o transtorno de ansiedade generalizada é mais frequentemente apresentado como o transtorno primário e muito raramente como um transtorno secundário.

              6. A ansiedade pode ser funcional

              Aprendemos a relacionar a ansiedade com desordem ou desconforto; na sociedade, a ansiedade é entendida como um estado em que o sujeito vê sua funcionalidade prejudicada. Mas, embora a compreensão da ansiedade como um transtorno seja parcialmente correta, ela também pode ser adaptativa e ajudar o indivíduo a funcionar adequadamente.

              Como já apontamos, a ansiedade é a antecipação da possibilidade de um evento negativo no futuro; se essa previsão estiver correta e permitir que o sujeito tome medidas para prevenir esse evento, a ansiedade atuará funcionalmente. Pode levar a cognições e comportamentos que ajudam o indivíduo a sobreviver e protegê-lo. em face do perigo iminente.

                7. O exercício pode ajudar a reduzir a ansiedade

                Praticar esportes regularmente é saudável, com benefícios de curto e longo prazo. Por exemplo, há um aumento nas endorfinas, que é um tipo de hormônio ligado à redução do estresse e da dor, além de nos fazer sentir melhor e melhorar a capacidade pulmonar e cardíaca.

                Da mesma forma, esta prática também nos permite desconecte-se e livre-se das preocupações da vida cotidiana, pode até nos ajudar a ver fatos ou eventos de forma diferente depois de dar um passo para trás e ser deixado por um momento para se virar.

                8. A ansiedade geralmente aparece em uma idade precoce

                É comum que os transtornos de ansiedade apareçam na infância, adolescência e, em alguns casos, no início da idade adulta entre 20 e 40 anos, e são mais prováveis ​​de ocorrer antes dos 35 anos.

                Então nós vemos que a ansiedade se desenvolverá mais provavelmente quando o sujeito for mais jovem; Conforme você envelhece, os transtornos de ansiedade são menos prováveis ​​de ocorrer se nunca aconteceram antes.

                Referências bibliográficas

                • Sanz, LJ (2018). Manual de desenvolvimento CEDE PIR: Clinical Psychology Vol.1. CEDE: 5ª Edição.
                • Alonso, V. (2018). Manual de desenvolvimento CEDE PIR: psicologia clínica infantil. CEDE: 5ª Edição.
                • Serra, JC; Ortega, V.; e Zubeidat, I. (2003). Ansiedade, ansiedade e estresse: três conceitos para diferenciar. Universidade de Fortaleza, Brasil.

                Deixe um comentário