Superando a infidelidade: as 5 chaves para chegar lá

Muitos casais se perguntam se isso é possível superar a infidelidade depois de ter conhecido o envolvimento de um terceiro na sua relação, mas a resposta a esta questão depende principalmente do restabelecimento do vínculo de confiança entre os dois e do grau de afetação deste, pois em alguns casos está definitivamente prejudicado e a separação é a melhor solução para ambos.

A decepção é a emoção mais comum associada à infidelidadePois saber que estamos sendo enganados produz um feixe de sentimentos negativos em relação ao casal que, consequentemente, degradam a imagem que tínhamos até o momento dele, e restaurá-la nem sempre é fácil ou viável.


    Um relacionamento pode ser consertado após a infidelidade?

    Embora a infidelidade seja um assunto complexo de estudo, em parte por causa das diferentes dinâmicas culturais que existem nas sociedades humanas e suas implicações para a forma como o amor e as relações emocionais são compreendidas, enfocando esse fenômeno, mostram que as crises do parceiro que dão origem eles não precisam encerrar um tribunal ou um casamento, ou impedir que esses relacionamentos funcionem a partir desse ponto..

    Isso se deve, entre outras coisas, ao fato de que uma crise de infidelidade não deve revelar necessidades pessoais ou elementos fundamentais da personalidade do infiel. Assim como há uma série de padrões de comportamento anteriores que levam à infidelidade, é possível intervir nesses padrões de comportamento e nos aspectos contextuais que levaram a essa situação e “desativar”. Ninguém é infiel por natureza, mas aprende-se a ser infiel e tudo o que se aprende pode ser desaprendido.

    É claro que isso não significa que na prática a melhor opção seja sempre fazer todo o possível para evitar que alguém quebre as regras de engajamento mútuo que existem em um relacionamento; Às vezes é melhor romper o relacionamento e, de fato, nenhuma vítima de infidelidade deve se sentir culpada por decidir romper com a outra pessoa. Porém, vale a pena saber que em qualquer caso, não é impossível que o relacionamento avance.

    O contexto em que a infidelidade se desenvolveu é tão importante quanto a própria infidelidade, pois um deslize único em qualquer ocasião não é o mesmo que um alinhamento temporário no qual as relações com uma terceira pessoa nas costas se alternaram. . O último implicaria um contato além de uma simples aventura em que houve uma troca de sentimentos e, portanto, uma ação premeditada da pessoa envolvida em relação ao engano muito mais difícil de perdoar, vendo a confiança mútua muito afetada.

    Como vencer a infidelidade: as chaves para alcançá-la

    As aventuras ocasionais também não são decisivas para a superação da infidelidade, embora esses casos envolvam um estímulo em ações geralmente espontâneas e impensadas, nas quais as consequências dos atos não foram medidas. A pessoa enganada pode também perde a confiança em seu parceiro se depois do que aconteceu, ela não sabe se essa ação impensada poderia ser repetida novamente.

    Quais são os aspectos importantes para seguir em frente quando você sofreu uma infidelidade? Vamos ver.

    1. Sinceridade

    Sinceridade de ambos os lados é sempre a melhor forma de lidar com qualquer problema que possa surgir no casal, pois no caso da infidelidade, muitas são as condições que podem levar à busca de um estímulo externo nas relações pessoais, e ainda assim não o é. O caso. justificativa para a tomada de tais medidas, o ser sincero com o outro pode encorajar o trabalho conjunto sobre os pontos fracos do relacionamento ou que o outro considere falho em modificar e chegar a um acordo satisfatório para ambos.

      2. Explorar o significado da infidelidade juntos

      Nem todo mundo tem que experimentar e perceber a infidelidade da mesma forma. Na verdade, o mais comum é que, à primeira vista, essa crise do casal não é vista da mesma forma.

      Por exemplo, não é incomum perceber, em situações como essa, que a definição de cada pessoa do termo “infidelidade” é diferente., E isso para muitos não se limita a encontros físicos. Falar sobre isso ajuda aqueles que o fizeram a ter mais consciência do mal que cometeram.

      Claro, tenha em mente que o fato de alguém perceber que a outra pessoa tem um conceito de “infidelidade” mais amplo do que o dela não é por si só o fim da crise e não torna a dor que ela sente menos real. parceiro, e esse trabalho precisa ser feito para mostrar que ele é capaz de manter esse compromisso e reparar os danos causados.

        2. Dê tempo para reflexão

        Deixe espaço para a outra pessoa é também um aspecto necessário para saber se uma infidelidade pode ser perdoada, uma vez que a reação inicial ao engano é geralmente uma reação de rejeição e rejeição por parte do perpetrador, uma resposta que é induzida pelo choque das realidades representadas pelo contraste. da imagem do casal (muitas vezes idealizada) projetando-se no subconsciente, que a mente consciente tem que enfrentar – quando vemos que as coisas não são como pensávamos.

        3. Conheça a realidade

        Expor os fatos e conhecer os detalhes do problema faz parte do processo de recuperação para saber se uma infidelidade pode ser superada e, neste ponto, é essencial ser o mais sincero possível com ambas as partes. evite entrar em detalhes sórdidos que não ajudam a restaurar o vínculo de confiança, Conforme comparações sobre a intimidade mantida entre o casal e a terceira pessoa em questão.

        4. Romper (sinceramente) com a terceira pessoa

        Romper o relacionamento com a terceira pessoa (ou seja, com quem você teve um encontro físico íntimo ou não e que viola as regras de engajamento mútuo do relacionamento) é necessário em todos os casos de infidelidade, Embora quando isso acontecer ocasionalmente, provavelmente não seja necessário, pois a maioria dessas situações geralmente ocorre em ambientes relaxados, como festas e com estranhos com os quais você normalmente não tem contato.

        5. Evite ambientes que podem criar desconforto

        Se a terceira pessoa envolvida for uma pessoa do círculo próximo ao casal, pode ser necessário fazer mudanças na rotina juntos como a mudança de amigos ou de trabalho, para evitar situações tensas que nos levam a relembrar o que aconteceu, impedindo-o de virar a página num círculo vicioso de culpa e culpas.

        Comece do zero

        Superar a infidelidade é, em parte, saber como re-basear a relação nas bases da confiança. Portanto, uma vez que o casal tenha exposto a situação e discutido longamente o assunto, deixando de lado os ressentimentos iniciais, deve-se esclarecer que, se houver uma segunda chance, é para começar do zero graças a um compromisso assumido por ambas as partes, que implica que a pessoa que foi infiel é consistente com a oportunidade que lhe foi dada e não comete o mesmo erro novamente.

        Mas a outra parte também ele deve se esforçar para continuar sem olhar para trás, Evite qualquer menção ao ocorrido e caia em acusações ou culpas, pois um dos principais problemas que os casais muitas vezes enfrentam após vivenciarem tais situações é o clássico “perdoe, mas lembre-se”.

        Isso pode levar uma das partes a se lembrar constantemente de que passou oferecendo tratamento vexatório à parceira em forma de “vingança”. ser capaz de cair em violência psicológica e que a vítima geralmente aceita porque pensa que merece, resultando em uma troca de papéis em que a ‘vítima’ se torna uma vítima, talvez porque ela tenha pulado um dos pontos acima ou não tenha se fortalecido como deveria, embora dentro alguns casos em que os envolvidos não conseguem estabelecer o ponto zero de partida como âncora, a separação seria uma opção a ser considerada para não prolongar o sofrimento.

        Referências bibliográficas:

        • Atkins, DC; Baucom, DH; Jacobson, Nova Scotia (2001). Compreendendo a infidelidade: correlatos em uma amostra aleatória nacional. The Family Journal Psychology, 15 (4): páginas 735-749.
        • Beck, JG; Bozman, AW; Qualtrough, T. (1991). A experiência do desejo sexual: correlações psicológicas em uma amostra acadêmica. The Journal of Sex Research, 28 (3): pp. 443-456.
        • Christensen, A.; Atkins, DC; Yi, J.; Baucom, DH; George, WH (2006). Ajuste de casal e individual por 2 anos após um ensaio clínico randomizado comparando a terapia comportamental tradicional de casal com a integrativa. J Consult Clin Psychol, 74 (6): p. 1180-1191.
        • Díaz Morfa, J. (2003). Prevenção de conflitos de casais. Editorial Desclée de Brouwer, Coleção da Biblioteca de Psicologia.
        • Thornton, V. e Nagurney, A. (2011). O que é infidelidade? Percepções baseadas no sexo biológico e personalidade. Pesquisa psicológica e gestão do comportamento, 4: páginas 51-58.

        Deixe um comentário