Síndrome do coração partido: causas, sintomas e tratamento

Relacionamentos românticos podem se tornar uma montanha-russa de emoções. Momentos de euforia podem ser acompanhados em pouco tempo, desde temporadas ruins até crises de casal.

É por isso que às vezes algo que podemos chamar de “síndrome do coração partido” aparece. É claro que não se trata de uma doença, mas de um conjunto de sintomas que caminham lado a lado com uma dor emocional marcante que, por outro lado, não é tão incomum ao longo da vida e é vivenciada por muitas pessoas em um momento ou outro.


No entanto, só porque a síndrome do coração partido não é uma doença, não significa que devemos desistir de tentar mitigar seus efeitos; é perfeitamente legítimo querer estar bem e poupar-nos de muito sofrimento. Para fazer isso, temos que começar com uma definição.

O que é a síndrome do coração partido?

A síndrome do coração partido é o conjunto de estados e processos psicológicos pelos quais se expressa o desconforto gerado por uma decepção no amor ou por uma separação.

Isso pode ocorrer, por exemplo, em casos de amor não correspondido, depois de tomar conhecimento de uma infidelidade, ou depois de descobrir que a pessoa por quem sentimos algo não é o que inicialmente acreditamos.

Em suma, a síndrome do coração partido é composta de aspectos emocionais e fisiológicos (como ansiedade e estresse), cognitivos (como pensamentos recorrentes) e comportamentais (como o desejo de se reconectar fisicamente com aquela pessoa). Ou alguns tiques). por ansiedade).

    Como se sentir bem novamente depois de uma decepção

    Como sempre, quando se intervém no problema psicológico, há aspectos mais específicos que devem ser estudados caso a caso e outros mais gerais. O primeiro, caso o desconforto seja muito intenso e persistente, seria útil enfrentá-lo com o auxílio da psicoterapia, mas em muitos outros casos é possível focar em certas regras básicas para que a dor emocional diminua de forma mais eficaz. Graças às estratégias, ele se encarrega de se implementar.

    Vamos dar uma olhada em algumas das possíveis situações em que a síndrome do coração partido pode aparecer.

    1. A ruptura unilateral

    Nos casos em que nosso parceiro encerrou o relacionamento unilateralmente, duas coisas são constrangedoras: não gostar da companhia do parceiro da maneira usual e, ao mesmo tempo, indecisão sobre o que precisa ser feito.

    No que se refere a estes últimos, a médio e longo prazo, o melhor é que todos presumam que a relação acabou e que não cabe a nós restabelecer os vínculos de antes. Acredite que um pode fazer o outro voltar e que tudo acaba como o melhor dos tempos não só é irracional; é ter uma visão possessiva da outra pessoa.

    Portanto, neste cenário, nossos esforços devem ser focados em se sentir bem consigo mesmo, além de estarmos em um relacionamento ou não. Você pode achar este artigo útil:

    2. Infidelidade e dissonância cognitiva

    Tanto nos casos em que a outra pessoa cometeu uma infidelidade (entendida como uma transgressão dos pactos fundamentais sobre os quais se construiu a relação), quanto nos casos em que descobrimos uma faceta do outro que não conhecíamos e que rejeitamos, a ideia é semelhante : há novas informações que não correspondem às nossas crenças sobre o que pensávamos estar relacionado.

    Esse fenômeno de “fora de ajuste” entre ideias é chamado de dissonância cognitiva e pode levar a muita ansiedade.

    Nesses casos, precisamos refletir sobre o sistema de crenças em que se baseia nossa ideia de relacionamento e ver se o que agora sabemos é irreconciliável com nossos sentimentos. Para fazer isso, por exemplo, podemos explorar explicações alternativas do que está acontecendo, alguns que servem para chegar a uma conclusão oposta à que defendemos no início.

    Então, julgamos qual das explicações é a mais razoável e melhor descreve a realidade, de forma mais simples e sem deixar tantas cabeças para amarrar. Esse sistema de crenças, novo ou não, será o mais adequado para integrar essas novas informações e agir de acordo com elas.

    3. Amor não correspondido

    A síndrome do coração partido também pode ocorrer quando não havia nem mesmo uma relação de casal real.

    Nestes casos é importante foco na prevenção de crenças irracionais e infundadas minam a nossa autoestima, o que pode acontecer porque, ao perdermos de vista um possível cenário futuro que nos entusiasmava, podemos percebê-lo como uma perda pessoal, que fala da perda de nós mesmos por “falhar”.

    Precisamos ver o que aconteceu e como eram nossas expectativas para qe gradualmente começasse a viver em um mundo de faz de conta em que o relacionamento já havia começado a existir (muito antes de acontecer no mundo real).

    Da mesma forma, devemos nos perguntar por que nossa auto-estima não deve ser afetada se um relacionamento estável não é construído. com aquela pessoa em particular; afinal, muitas pessoas vivem perfeitamente sem nem mesmo saber ou saber de vista; ninguém está predestinado a conhecer uma determinada pessoa e nem as outras.

    Deixe um comentário