Por que não consigo parar de pensar no meu ex? 4 chaves para entender isso

O mal do amor é um dos fenômenos mais dolorosos que os seres humanos podem experimentar e que todos nós tivemos que experimentar.

Com certeza há muitas pessoas agora que estão passando por um momento ruim e ainda pensando na pessoa que amavam e com quem não podem estar.


O que acontece quando nosso parceiro romântico nos deixa?

Infelizmente, não é socialmente aceitável que um indivíduo sofra por outra pessoa, pois muitos associam isso a uma personalidade fraca. Na realidade, esquecer aquela pessoa especial, aquela pessoa que você amou, é um processo que tem suas fases e que você tem que se superar com o tempo. Porém, a falta de amor não é linear, pois podemos recuar e sofrer em momentos diferentes de nossas vidas. Com o tempo, entretanto, tudo melhora ou pelo menos dói menos. Mesmo que você não acredite, a maioria das pessoas usa-o dentro de casa.

Amor é como uma droga

Entender a falta de amor e desistir de pensar no seu ex nem sempre é fácil. E para entender que este não é um fenômeno linear e que pode haver recaídas, é preciso ter em mente que o amor, como as drogas, usa os mesmos circuitos neurais. É claro que não podemos explicar esse fenômeno apenas por fatores biológicos, porque os fatores culturais têm uma influência decisiva.

Mas esse amor é como uma droga, não é o que estou dizendo, mas sim um estudo da Faculdade de Medicina Albert Einstein, que buscou aprender mais sobre a falta de amor, concluiu que quando o amor é quebrado, assim como acontece para um viciado em drogas, A separação de um ente querido tem consequências graves para o nosso comportamento, Como comportamentos depressivos e obsessivos.

No entanto, amor e falta de amor são questões tão complexas que não há muito consenso entre os cientistas, mas ao longo dos anos foram tiradas conclusões de diferentes pesquisas que ajudaram a melhorar a compreensão desses fenômenos.

A dor do amor dói como a dor física

Mas o que exatamente acontece com o cérebro quando não estamos mais apaixonados? Alguns especialistas afirmam que a cultura tem grande influência em nossos gostos, por exemplo, se gostamos de quem é surfista ou de quem é sapiossexual. Mas conhecedores também avisar que existem coisas inexplicáveis ​​e que, como você viu ao longo de sua vida, você se apaixona e aponta. Às vezes não é necessário procurar uma explicação.

Mas quando nos apaixonamos o cérebro sofre de uma cascata neuroquímica na qual diferentes neurotransmissores e hormônios estão envolvidos, Como a serotonina, a norepinefrina (norepinefrina), a dopamina ou a ocitocina, entre outras, que são as causas que modificam a nossa percepção de vida. Quando estamos apaixonados, ficamos eufóricos, pensamos constantemente no outro, dormimos menos, etc.

Se você quer saber exatamente o que acontece quando você se apaixona, pode ler nosso artigo: “A química do amor: uma droga muito poderosa”

E claro, quando o amor se desfaz, a incompatibilidade neuroquímica causa uma mudança tediosa no comportamento até que se estabilize. Várias pesquisas concluíram que a mesma parte do cérebro que funciona como um processador físico da dor também tem a tarefa de processar a dor emocional.

Os psicólogos recomendam perder o contato com a outra pessoa para superar a separação. Em outras palavras, nesta situação “tudo ou nada” deve ser aplicado porque as vias cerebrais relacionadas à falta de amor (e ao vício em drogas) estão enfraquecidas.

Lembre-se do casal agora …

Além do comportamento obsessivo e depressivo característico da falta de amor nos primeiros meses, é comum lembrar o casal em certos momentos quando o tempo já passou. Aqueles programas que vocês assistiram juntos, um carro como o do seu ex, aqueles lugares que vocês estiveram juntos, aquelas músicas … podem lembrá-lo de quem foi seu parceiro.

Para entender isso, basta pensar no aprendizado associativo do condicionamento clássico, que pode nos lembrar do casal meses depois e que pode nos fazer recair e nos fazer sofrer quando pensamos que o tínhamos superado. Algo que também acontece com viciados em drogas. No caso do vício em drogas, esse fenômeno é denominado síndrome de abstinência condicionada.

Feridas abertas e sua aceitação

Mas demora muito para esquecer a pessoa que você ama? Bem, depende da situação de cada pessoa e da intensidade de seus sentimentos. Mas o que está claro é que, se você não aceitar a separação, a dor permanece. Nossas crenças são as culpadas por nos apegarmos a essa pessoa que não faz mais parte de nossas vidas. Se eles nos deixaram, a decisão do outro deve ser respeitar tudo e não nos amar.

A separação pode ter sido traumática e precisamos de mais tempo para esquecer essa pessoa. Talvez precisemos trabalhar em nós mesmos e em nossa auto-estima antes de encontrarmos outra pessoa especial. Mas o primeiro passo para esquecer seu ex é aceitar que acabou. Depois do seu ex, a vida continua. Está nas suas mãos seguir com a sua vida, distanciar-se emocionalmente da pessoa que já não está e consolidar a sua felicidade dentro de si, nas suas próprias escolhas e possibilidades.

Deixe um comentário