Perfeccionismo nos relacionamentos: como isso nos afeta e o que fazer

Perfeccionismo é uma qualidade que muitos manifestam, que tem seu lado bom, mas também seu lado ruim. Essa qualidade pode ter efeitos negativos não só no campo profissional, mas também no casal.

Ser uma pessoa que deseja que tudo corra bem, que tudo seja perfeito, pode ser uma verdadeira dor de cabeça para pessoas com gostos mais conformistas, no sentido de que elas não precisam se empenhar pela perfeição no que já é. Bom como é.


Estar em um relacionamento com uma pessoa muito perfeccionista pode ser difícil, especialmente se houver conflitos que façam com que um tenha expectativas muito altas sobre o relacionamento que o outro parece não estar atendendo. estamos nos aproximando perfeccionismo nos relacionamentos e quais são suas implicações.

    É perfeccionismo nos relacionamentos

    O perfeccionismo é frequentemente visto como um traço positivo e pode ser dado de forma adaptativa e funcional. Ser um bom perfeccionista, no sentido de querer que tudo dê certo, evitar todos os contratempos, e fazer com que tudo saia na perfeição, é desejo de muitos e possuído por poucos. Isso não significa que existam poucos perfeccionistas. São muitos, mas há perfis que longe de serem capazes de fazer as coisas direito, o que alcançam com suas altas demandas e baixa tolerância a erros é frustração, conflito e conflito, tensões.

    O perfeccionismo pode nos pegar, tornando-nos obcecados em fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para fazer algo certo, em detrimento da nossa saúde física e mental. O que muitos tentam trazer à tona o menor e o menos importante detalhe, perde tempo e se esgota física e psicologicamente. E isso não afeta apenas o indivíduo, pois, além disso, o ambiente próximo ao perfeccionista pode acabar se cansando de seus padrões absurdamente elevados e constantemente dizendo-lhe coisas que estão erradas.

    O perfeccionismo nos relacionamentos é especialmente prejudicial. Este golpe pode levar à situação paradoxal de transformar a vida amorosa em algo extremamente frustrante e decepcionante, fonte de conflitos e tensões de todos os tipos. Raramente uma pessoa deseja namorar alguém que diz que deseja, mas constantemente a lembra que está fazendo coisas erradas, que não segue seu método ou que tem muitas falhas.

      Perfis perfeccionistas diferentes

      Nem todos os perfeccionistas são iguais, portanto, a maneira como o perfeccionismo se manifesta nos relacionamentos varia. A seguir, falaremos sobre os diferentes tipos e suas implicações para as relações humanas.

      1. Quem oferece metas inatingíveis

      Um dos perfis de um livro perfeccionista é aquele que estabelece metas inatingíveis e irrealistas para si mesmo. São pessoas que definem metas que dificilmente alcançarão, o que as frustrará. Além disso, são indivíduos que não aceitam suas fraquezas e são muito críticos de si mesmos.

      É difícil para eles entender que somos todos humanos, que ninguém é perfeito e, portanto, têm defeitos que, por mais que tentem, é difícil mudar. À medida que continuam a se esforçar para mudar o que não pode ser mudado, eles passam por grande sofrimento emocional..

      Este perfil não significa necessariamente prejudicar a vida de um casal, mas é difícil namorar alguém que não consegue ver o lado positivo de si e que se frustra constantemente por ter objetivos muito ambiciosos, mas que não consegue alcançar.

      Depressão e ansiedade são dois problemas comuns neste perfil, além do comportamento obsessivo-compulsivo.

        2. Quem quer reconhecimento social

        Existe outro perfil perfeccionista que também é muito comum. Ele é alguém que quer agradar aos outros, que quer obter muito reconhecimento social. Ele quer ser aceito e evitar críticas. Não é bom ouvir frases negativas sobre ele ou suas ações.

        Pessoas com este tipo de perfeccionismo podem incorrer comportamentos obsessivos que lhes dão algum tipo de vantagem social. Por exemplo, se querem ser reconhecidos socialmente pelo físico, vão se matricular em uma academia e passar horas e horas treinando. Eles nunca ficarão felizes com a rotina de exercícios e tentarão escalar a dificuldade.

        Qualquer que seja seu comportamento obsessivo, o fato de o fazer permite que passem menos tempo como um casal. Além disso, se a sua obsessão é investir muita energia, como é o caso do exercício que acabamos de ver, este tornará você menos propenso a fazer atividades com ela, uma vez que estiver com seu parceiro, especialmente se você os vê como algo que leva tempo para melhorar aquela habilidade ou característica que você acha que lhe dará algum reconhecimento social.

          3. O detector de erro externo

          Por fim, temos o perfeccionista que vê os erros dos outros para atender às suas próprias demandas. É ele que pensa que ninguém está bem, só ele. Esse é o perfil que a maioria dos conflitos sociais pode trazer porque, ao ver os outros como pessoas que não sabem fazer as coisas corretamente, seguindo o seu “método”, ele inicia conflitos com qualquer pessoa. É o perfil que pode dinamizar a convivência de um casal.

          O Alien Error Detector critica constantemente a maneira como os outros fazem as coisas e não tolera os erros dos outros. No local de trabalho, é fácil reconhecer o chefe que nunca está feliz com seu trabalho ou o colega de trabalho que pensa que seus colegas são todos incompetentes. No âmbito do casal, seria o noivo ou a esposa que tentaria nos dizer, o tempo todo, como devemos fazer as coisas para fazer bem em casa.

          Nos relacionamentos, os perfeccionistas se irritam facilmente. Eles não toleram “erros” (que eles vêem como tal) e acusam os outros de sarcasmo azedo, calúnias e gritos ao descrever o comportamento errático da pessoa que afirmam querer. Como você pode imaginar, essa é uma atitude extremamente tóxica, prejudicial à saúde mental e à autoestima da outra pessoa, e que ele às vezes sofre maus-tratos.

          A pessoa que é apoiada por seu parceiro perfeccionista pode reagir de várias maneiras. Uma delas é que ele não fica sentado de braços cruzados, se recuperando e mostrando sentimentos de raiva e impotência. Se for alguém que precisa da aprovação dos outros, pode levar a discussões constantes, além da perda da autoestima se a pessoa em recuperação atribuir uma superioridade à pessoa perfeccionista ou se houver alguma dependência emocional.

            Como você lida com esse perfeccionismo sem prejudicar o relacionamento?

            Superar o perfeccionismo nos relacionamentos é complexo. Para isso, é preciso primeiro fazer com que o perfeccionista perceba como esse traço limita sua felicidade e condiciona o relacionamento com o namorado ou marido. Livrar-se do perfeccionismo é algo que exige um longo processo de autoconhecimento e reflexão, e é melhor ter ajuda de um profissional, principalmente um psicólogo parceiro.

            As duas recomendações a seguir podem nos ajudar refletir sobre como o perfeccionismo em nosso relacionamento pode ter afetado a felicidade.

            1. Analise os efeitos dessa característica em nosso parceiro

            Para superar esse tipo de perfeccionismo, é necessário analisar os efeitos que isso implica para o casal. Pode ser que cada vez que nosso parceiro faz algo, pensamos que ele fez algo errado, contamos a ele e surge um conflito. Também pode acontecer que, quando tentamos fazer algo da maneira certa (por exemplo, limpar o banheiro), passemos horas e horas nele, enquanto colocamos nossa vida amorosa de lado.

            Pode haver muitas coisas. A questão é que, depois de identificar e analisar esse comportamento perfeccionista problemático, nós podemos parar e pensar sobre quando fazê-los e quando pará-los. Não é fácil, mas é melhor do que estar ciente dos comportamentos perfeccionistas que afetam nosso relacionamento.

              2. Pense no que o perfeccionismo faz pelo nosso parceiro.

              Como mencionamos, ser um perfeccionista não precisa ser uma coisa ruim. Querer que as coisas vão bem e se esforçar para que assim seja não é em si uma coisa ruim, muito pelo contrário. Contudo, é quando se torna uma obsessão e um problema de relacionamento e de saúde mental quando você pode ver que se tornou algo prejudicial.

              Uma maneira de ver se nosso perfeccionismo é problemático para nosso parceiro é ver o que eles trazem para o nosso relacionamento e também o que eles trazem para fora. Às vezes, quando nos concentramos em uma meta exagerada, não percebemos quanto tempo perdemos fazendo isso quando não o passamos com nosso parceiro. Outros são a quantidade de conflito que nos faz querer que as coisas sejam feitas da maneira certa, ao invés da satisfação de ter tudo perfeito.

              Qualquer que seja a consequência específica, o ponto é que, se nosso perfeccionismo é mais uma desvantagem do que uma vantagem para nosso parceiro, então há um problema que temos que resolver. Com isso em mente, seria aconselhável ir à psicoterapia individual e de casal e tentar contornar o problema com um profissional.

              Referências bibliográficas

              • Stoeber, J.; Childs, JH (2010). “A avaliação do perfeccionismo autodirigido e socialmente prescrito: as subescalas fazem a diferença”. Revista de Avaliação de Personalidade. 92 (6): 577-585. doi: 10.1080 / 00223891.2010.513306. PMID 20954059
              • Smith, MM; Sherry, SB; Chen, S.; Saklofske, DH; Mushquaix, C.; Flett, GL; Hewitt, PL (2017). A perniciosidade do perfeccionismo: uma revisão meta-analítica da relação perfeccionismo-suicídio. Journal of Personality, 86 (3): p. 522 – 542. doi: 10.1111 / jopy.12333. ISSN 0022-3506. PMID 28734118
              • Limburg, Karina; Watson, Hunna J.; Hagger, Martin S.; Egan, Sarah J. (2016). A relação entre perfeccionismo e psicopatologia: uma meta-análise. Journal of Clinical Psychology. 73 (10): 1301 – 1326. doi: 10.1002 / jclp.22435. hdl: 20.500.11937 / 38934. ISSN 0021-9762. PMID 28026869

              Deixe um comentário