O mito da metade laranja: nenhum casal é ideal

As expectativas que temos de nosso parceiro e crenças irracionais eles podem causar grande ansiedade e criar muitas decepções. E se eu perdesse o trem e essa fosse minha única chance de ser feliz? Por que meu parceiro não está atendendo às minhas necessidades? Por que ainda não encontrei minha metade laranja?

é por isso Saber administrar um relacionamento é também, em parte, saber se adaptar às expectativas razoáveis para não cair no fundamentalismo do romântico que atrai a nós e uns aos outros. Vamos ver como atingir esse objetivo.


Enterre o mito da metade laranja

Em primeiro lugar, vale a pena pare de pensar no mito da meia laranja para que essa ideia não nos condicione. Essa visão dos relacionamentos românticos nos leva a ver alguém como uma extensão de seu próprio corpo, algo sem o qual não podemos funcionar bem porque não somos completos.

A imagem meio laranja não serve apenas para desafiar nossa capacidade de servir a nós mesmos e nos tornarmos um sujeito autônomo com capacidade de decisão, mas reduz o outro à condição de máquina projetada para ler nossas mentes e atender às nossas necessidades.

os resultados

Embora a metáfora semi-laranja possa soar muito romântica e terna, isso acaba sendo uma forma enganosa de preencher um vazio. De qualquer forma, se acreditarmos que o outro é uma extensão do nosso próprio corpo, é muito provável que acabemos pressionando essa pessoa a suprir nossas necessidades na esperança de que ‘ela pense e aja de acordo com essas necessidades.

Quando acreditamos irracionalmente que existe uma complementaridade perfeita, exigimos que nosso relacionamento se adapte, surpresos com a qualidade de nossas conexões e nosso acoplamento no início, quando é mais fácil percebermos apenas as facetas que apreciamos positivamente. Curtiu isso, superestimar a novidade e a juventude pode levar a uma sensação de perda quando a rotina aparece.

Então, no plano teórico, o outro nos completaria e nos faria sentir felizes e cheios de amor, mas na realidade a única coisa que fazemos é colocar expectativas demais no outro, o que gera conflitos, decepções, tristezas, etc.

O que fazer?

Vale a pena inverter a metáfora semi-laranja. Por que não deixar de ser uma meia-laranja dependente e infeliz e agir como uma laranja inteira emocionalmente autônoma e livre?

A chave é perceber que não precisamos de ninguém para nos fazer felizes, para nos livrarmos de nossas crenças e expectativas irracionais. Caso contrário, por que amamos nosso parceiro como ele é?

Os amantes vêm e vão, mas os mitos do amor se instalam. Se conseguirmos nos livrar dessas imposições culturais sobre o amor e o romance que vemos nos filmes, com certeza seremos capazes de valorizar nossos parceiros sentimentais como eles são: pessoas únicas e insubstituíveis, com erros e virtudes que, por qualquer motivo, gozaram da nossa confiança. Você tem que aprender a celebrar isso.

Deixe um comentário