Meu parceiro não me ouve: possíveis causas e o que fazer

Pode ser um pensamento comum perceber que nosso parceiro não está nos ouvindo, mas… Já avaliamos se estamos nos expressando bem e realmente comunicando o que queremos?

Muitas vezes o problema não é apenas um; como em qualquer processo em que duas pessoas estão envolvidas, tudo depende do que as duas estão fazendo. O receptor terá que ouvir, mas também o emissor terá que se explicar corretamente. Existem diferentes variáveis ​​que podemos considerar que nos ajudarão a melhorar a comunicação sem culpar o outro ou a situação que leva ao conflito.


Neste artigo vamos falar sobre as causas que podem levar a não se sentir ouvido em um namoro ou casamento e como estabelecer uma boa comunicação com nosso parceiro.

    Seu parceiro não te ouve? Causas de problemas de comunicação

    A boa comunicação é fundamental nos relacionamentos, especialmente nos relacionamentos, onde nosso objetivo é compartilhar a vida com essa pessoa e, portanto, passar a maior parte do tempo com ela.

    assim Uma das causas mais comuns de problemas de namoro, que podem até levar a um rompimento, é a falta de uma boa comunicação.. Na terapia de casal, é comum uma pessoa dizer que não se sente ouvida pela outra e, como em muitas situações, tende a culpar a outra pessoa por ter colocado o problema no outro.

    Mas muitas vezes a pessoa que entrega a mensagem que não se sente ouvida também tem alguma responsabilidade pela falta de comunicação. Podemos não estar nos expressando bem, podemos não estar usando as palavras certas, os gestos certos, o tom certo, ou pode não ser o melhor momento para se comunicar com palavras.

    Quando enviamos uma mensagem, é importante que tudo o que dissermos seja consistente. Informação não verbal, gestos, postura e movimento… Tudo deve ser adaptado ao conteúdo verbal que transmitimos. Aspectos paralinguísticos também devem ser levados em conta, como o tom de voz ou o ritmo da fala.

    Às vezes, caímos na falsa crença de que a outra pessoa deve entender e saber por que nos comportamos e agimos de uma maneira específica ou saber por que estamos com raiva, mas na maioria das vezes esse não é o caso. Portanto a melhor opção é expressar o que não gostamos, diga como nos sentimos ou o que nos deixou com raiva. Assim lidamos diretamente com a situação e damos a oportunidade de resolver as coisas e a outra pessoa explicar, porque talvez o problema não seja apenas falar o suficiente.

    Outro ponto a ter em conta, relacionado com a variável paralinguística, é a entonação errada e a maneira errada de nos expressar que usamos. Se entregarmos a mensagem, mas o fizermos com gritos e ataques, é muito provável que seu parceiro reaja da mesma forma e aja defensivamente, entrando em conflito e dificultando o acordo.

      Como estabelecer uma comunicação saudável com seu parceiro

      Agora que você sabe melhor quais são as razões pelas quais seu parceiro não nos ouve, ou seja, há uma falha de comunicação entre vocês, vamos começar a levantar alguns Estratégias para uma melhor comunicaçãoformas de tornar o relacionamento mais saudável e duradouro.

      E ter um relacionamento saudável não significa não ter diferenças, mas tê-las e poder enfrentá-las para chegar a um entendimento e, assim, poder superá-las.

      1. Pratique a escuta ativa com a outra pessoa

      Para uma boa comunicação, é tão importante falar quanto ouvir; muitas vezes esquecemos de deixar o outro falar, não respeitamos as lacunas, dificultando a comunicação.

      Podemos sentir que nosso parceiro não está nos ouvindo porque não estamos dando a ele a oportunidade de falar ou transmitir o que está pensando, entramos em um ciclo em que apenas conversamos um com o outro e não deixamos o outro falar. Portanto é muito difícil se sentir ouvido se não.

        2. Encontre o momento certo

        Quando passamos tempo com uma pessoa, quando é alguém com quem dividimos grande parte do nosso tempo, nós a conhecemos bem e sabemos quando é o melhor momento para conversar ou quando é melhor não. Como já dissemos, a comunicação é duas, para que se a pessoa que vai receber a mensagem não estiver predisposta a isso, a melhor opção será esperar e faça o seu melhor para criar as circunstâncias para falar.

        Por exemplo, se sabemos que nosso parceiro tem dificuldade para acordar e acordar de manhã, seria melhor iniciar a conversa algumas horas depois, para que ele seja mais receptivo.

          3. Aborde a situação com calma

          Para que a mensagem chegue ao destinatário corretamente, é essencial que a transmitamos com calma, sem gritar ou insultar. Precisamos ter certeza de que a outra pessoa não se sente agredida, para que possamos alcançar uma boa comunicação, que nosso parceiro nos ouça e chegue a um entendimento. Ao contrário, se atacarmos, só podemos criar conflitos e agravar a situação, sem que nosso parceiro concorde em nos ouvir.

            4. Ouvir não significa fazer o que queremos

            Podemos ficar confusos por não ouvi-los, não fazer o que queremos ou discordar de nós, mas nosso parceiro pode não ouvir, mas compartilhar nossa opinião ou não querer fazer o que dizemos. Nesta fase será essencial falar sobre as coisas para entender como todos veem os fatos ou como você pode abordar a situação para chegar a um acordo, o motivo não é o único.

            5. Seja assertivo

            Ser assertivo também é uma característica importante se quisermos estabelecer uma boa comunicação e fazer com que a outra pessoa nos escute. A assertividade é definida como a capacidade de expressar como nos sentimos e defender nossos direitos sem preconceito ou ser agressivo, mantendo um equilíbrio entre o respeito por si e pelo interlocutor. Desta forma e em relação à calma, tentaremos expor e defender o que pensamos, mas sem pisar no outro ou desprezá-lo, use seus argumentos e não entre em confronto.

              6. Primeiro pense no que você quer dizer

              Para expressar melhor a mensagem e realmente elevar o que queremos transmitir, a melhor opção é pensar primeiro no que queremos dizer e como queremos dizer. Se tomarmos o tempo para pensar sobre o que queremos dizer ao nosso parceiro, Também nos ajudará a entender melhor como e por que nos sentimos assim. e nos daremos tempo para refletir e nos expressar da melhor maneira possível, sem agir impulsivamente e sem emitir ideias desconexas.

              Cada pessoa pode usar técnicas diferentes, por exemplo, pode ser útil escrever em um pedaço de papel que você deseja levantar pontos para que não se esqueçam de você ou falar sobre isso com alguém em quem você confia antes de ver como se expressa no exterior e podemos dar-nos a sua opinião.

              7. Expresse como você se sente

              Não podemos esperar que nosso parceiro adivinhe o que estamos sentindo ou entendendo se não falarmos. É comum acreditar que os outros verão ou perceberão as coisas como nós, ou que com um gesto já entenderemos, mas geralmente isso não acontecerá, então será melhor comunicar realmente o que queremos, sem dupla intenção, sem esperar que o outro interprete de forma diferente.

              Por exemplo, em vez de conversar com nosso parceiro o dia todo porque achamos que ele não está nos ouvindo, é melhor fazer a pergunta diretamente, explicar a ele por que o sentimos ou o vemos dessa maneira e que ele também pode dar seu ponto de vista.

                8. Valorize também as coisas boas

                Tendemos a levantar questões em termos gerais ou absolutos, afirmando que nosso parceiro não está nos ouvindo, mas certamente há momentos em que chegamos a um bom comunicações; Então vamos tentar reforçar essas situações, vamos ver quais elementos ajudam para que isso aconteça de forma correta. É melhor pensar como um comportamento que acontece às vezes o uso de termos como “nunca” geralmente leva à rejeiçãoeles têm uma recepção ruim e provavelmente serão menos compreensivos e prestativos.

                9. Nosso parceiro não é nosso inimigo

                Uma ideia que devemos ter em mente é que nosso parceiro não é nosso inimigo, ou seja, mesmo que sintamos que ele não nos ouve ou que surge outra diferença, devemos ter em mente que nem ele nem nós estamos fazendo isso com a intenção de ferir o outro. Muitas vezes a situação se complica pelo fato de não falarmos, pois se o fizermos, é muito provável que percebamos que em nenhum momento foi a intenção do outro nos prejudicar.

                Referências bibliográficas

                • González, F., Guzón, JL, Castaño, R. e Iglesias, C. (2018) Comunicação no casal. Aspectos a melhorar. Educação em valores.
                • Fernandez, MA (2020) Um guia para melhorar o conflito de casais durante o bloqueio. Universidade Nacional de Educação a Distância.
                • Sánchez, R. e Díaz, R. (2003) Modelos e estilos de comunicação em pares: desenhando um inventário. Serviço de Publicações da Universidade de Múrcia, Espanha.
                • Villanueva, GB, Rivera, S., Díaz, R. e Reyes, I. (2012) Comunicação em pares: desenvolvimento e validação de escalas. Lei de Pesquisa Psicológica.

                Deixe um comentário