É possível perdoar uma infidelidade?

Um aspecto importante da infidelidade é o fato de que geralmente é dada em segredo. Portanto, geralmente é uma traição do compromisso acordado entre as partes envolvidas, os cônjuges. Este é um elemento chave para quebrar a confiança na qual o relacionamento é construído.

Quando ocorre a infidelidade, os “ofendidos” sofrem uma profunda ferida em sua autoestima que precisará ser curada. Um dos desafios mais difíceis que você enfrentará será perdoar o que aconteceu, quer você queira ou não restaurar o relacionamento.


O que é perdão?

O perdão é um processo que tem efeitos saudáveis ​​na pessoa que perdoa, promovendo assim a saúde mental. Contudo, perdoar é uma questão complexa que levará tempo, Desejo de perdoar, determinação e compromisso.

Nesse processo, teremos que mudar atitudes, pensamentos e comportamentos. Por meio dessa reestruturação cognitiva, seremos capazes de lidar com os sentimentos que foram violados e voltar ao normal.

O processo de perdão após a infidelidade

O primeiro passo será reconhecer o dano sofrido. É importante não tentar enganar minimizando o que aconteceu, por sua vez importará o acontecimento a partir do qual o “ofendido” terá a oportunidade de perdoar.

Ao analisar o que aconteceu, é necessário compreender as circunstâncias em que ocorre a infidelidade. Sabemos que as atribuições externas (atribuindo responsabilidade a circunstâncias externas à pessoa), instáveis ​​(variáveis) e específicas (concretas e específicas) da infidelidade facilitam o perdão perante atribuições internas (atribuindo responsabilidade ao caráter da pessoa). ), estável (inalterado) e global (generalizável) que o tornam difícil.

Você pode estar interessado em: “O que a ciência nos diz sobre a infidelidade?”

A segunda etapa é mostrar interesse em perdoar o que aconteceu, Pelo menos como uma possibilidade.

Equívocos sobre o processo de perdão

Para fazer isso, precisaremos analisar e reconhecer o que significa para nós perdoar, a fim de detectar quaisquer pensamentos ou ideias que possam interferir negativamente no processo de perdão. Alguns desses equívocos podem ser:

1. “Perdoar significa esquecer o que aconteceu”

A memória é uma função cerebral envolvida em todos os processos de aprendizagem humana. Quando aprendemos algo, não é apagado do nosso “armazém”, não podemos fazê-lo desaparecer. O fim não é esquecer o que aconteceu, então será lembrar sem nos machucar.

2. “Perdão é sinônimo de reconciliação”

Esta é uma das ideias mais difundidas na consulta: “Se ele não quiser voltar comigo é porque não me perdoou, se tivesse, estaríamos juntos.” “. O perdão não inclui necessariamente restaurar o relacionamento com alguémÉ necessário, mas não o suficiente.

3. “Perdoar é minimizar ou justificar o que aconteceu”

Quantas vezes já ouvimos frases como: “não tem”, “tenta ver o positivo”, “essas coisas acontecem”, …? O perdão não implica mudar a apreciação dos fatos; é, portanto, muito provável que seja sempre avaliado de forma negativa e injustificável. O que mudará, entretanto, é que se a avaliação dos fatos for negativa, a atitude para com o “ofensor” não implicará um desejo de vingança ou a necessidade de “devolver o dano causado” à acusação.

4. “O perdão é um sinal de valorização ou fraqueza”

Quando eles nos machucam, aprendemos que precisamos nos proteger daquela pessoa que nos machucou. A raiva é um mecanismo de defesa que nos protege uns dos outros (o ódio me permite ‘controlar’ parte do que aconteceu, faz você se sentir importante e restaura parte da perda de autoconfiança).

Mudando nossos pensamentos para que possamos perdoar

A terceira etapa que nos leva a perdoar, e envolve mudar nosso comportamento (o que fazemos) e aceitar a dor e a raiva. No caso da infidelidade, consiste em acabar com o comportamento destrutivo explícito e aberto (busca de vingança ou justiça, acusação contra o “agressor”, …) ou secreto e implícito (desejar mal ao agressor, pensar na traição e os danos infligidos …).

A quarta etapa é estabelecer estratégias de autoproteção.. O perdão não significa “fé cega no outro”, significa precisamente reconhecer que não há certeza de que isso não acontecerá novamente e que o risco faz parte do que significa viver e compartilhar a vida com o outro, mesmo que se tente. reduzir a probabilidade de recorrência. É importante não cair no controle excessivo que nos leva a ter um comportamento ciumento.

Supere uma situação complicada

Perdoar a infidelidade é, portanto, possível. No entanto, isso não significaria a retomada do relacionamento, é uma condição necessária, mas não suficiente.

Por outro lado, é importante dar-se tempo, o perdão só é possível depois de passar pelo processo de luto, que levará à perda de confiança tanto no casal quanto em si mesmo. – mesmo, dados os efeitos devastadores que isso tem no casal. auto estima.

Nós ajudamos você a: “Superar a infidelidade: as 5 chaves para alcançá-la”

Deixe um comentário