É possível avançar em um relacionamento após a infidelidade?

Depois de ter acompanhado no avião do profissional um casais que procuram aconselhamento com a necessidade de curar um vínculo quebrado devido à infidelidade por parte de um ou de outro, posso dizer que há formas de reconstruir o vínculo, a confiança.

Mas o caminho é longo e nem todos os casais estão prontos para seguir esse caminho. Ao longo do caminho, muitos casais simplesmente decidem desertar.


    O significado da infidelidade

    Para começar, é importante focar no que a fidelidade significa em termos ocidentais; para que possamos tecer o significado dessa falta em uma cultura punitiva e acusatória.

    Vamos entender o significado. A infidelidade é a escolha que vai contra os pactos implícitos e explícitos que compõem o vínculo.. Esta ação não se refere ao puramente sexual; o encontro carnal no plano de uma infidelidade é apenas uma das muitas causas que formulam esta realidade.

    Seja qual for a causa raiz da infidelidade, sim ou não, ela causa dor a quem a experimenta, e que o sofrimento seja mais ou menos atenuado de acordo com as expectativas, os projetos e principalmente a cultura que os acompanha. Mesmo assim, possuir um ainda está fora do alcance da pessoa média.

    Sempre acreditei que a fidelidade é uma escolha consciente baseada na conexão e que transcende o simples físico. O que acontece então quando todas as suas expectativas estão voltadas para esse outro, que se torna seu tudo, seu significado, sua razão profunda e sua única verdade; e então a infidelidade aparece? Uma traição que gera um trauma profundo no relacionamento. Mas não apenas se limita ao relacionamento, mas também o confronta com o que você é como ser humano; com seu conceito, com sua imagem, com seu valor como pessoa, com seu ego.

      A pergunta chave

      É hora de deixar ir e seguir em frente.

      Depois de entender o alcance da infidelidade, surge a pergunta: Vale a pena continuar a construir com essa pessoa que transgrediu os limites da minha confiança e recomendação? Nesta questão, muitos elementos vão ganhar valor, tais como: a família, os projetos, os sonhos e interesses que temos com o outro… Mas, sobretudo, a questão deve ser determinada pelo Eu. Pelo meu valor pessoal e pelo que o link significa para mim em relação às minhas intenções pessoais; é somente a partir deste lugar que é possível construir e concordar consigo mesmo diante do que se escolhe.

      Em nosso sistema, temos um senso de unidade profundamente enraizado, e é por isso que estamos imersos no desejo de manter, às vezes, relações insustentáveis; mas entendemos isso depois de passar pela dor da traição tantas vezes quanto possível.

        Em terapia

        Casais que chegam à terapia com a esperança de encontrar o perdão e recuperar um senso de confiança, conexão e conexão, eles enfrentam uma realidade desajeitada, dura e às vezes até desintegradora que nos chama à ordem, e é justamente a terapia, o fato de falar do desconforto, de colocar na mesa o que a gente evita ao máximo porque nos chama à responsabilidade de cuidar de nós mesmos. Num acto de responsabilidade e outros de desespero encontramo-nos diante de um terceiro no qual coloco toda a ilusão de reintegrar o meu mais elementar sentido de humanidade.

        Encontro após encontro eles começam a reconhecer, segundo o eixo terapêutico que o profissional consegue entrelaçar em seu discurso e em sua abordagem, os canais de introspecção necessários para que da individualidade surja a responsabilidade que um tem para com o outroe assim entender que é preciso mais do que comunicação, projeção, significado, amor, reconhecimento para tornar um relacionamento duradouro.

        Essa navegação leva o casal a se fazer perguntas diferentes e a integrar o propósito para que o dispositivo seja adaptado. Os acordos nunca podem nos fazer desistir, assumir encargos não naturais ou exigir mudanças inadequadas. Um relacionamento deve ser um equilíbrio perfeito entre duas pessoas que são escolhidas como projeto de vida.

        Nesse sentido, o espaço terapêutico nos permite integrar seus desejos, meus desejos, seus limites, meus limites e nosso acordo relacional.

        Só o movimento terapêutico multiplicado pelo movimento psíquico de cada um dos consulentes que compõem o casal consegue nos fazer avançar; não mobilizado pelo ego, mas pelo próprio amor. É então possível falar de uma reconciliação, isto é, de uma nova revisão do que somos como indivíduos em um sistema de casal.

        Como terapeuta de casais especializado, procuro acordos sustentados pelo amor, reconhecimento e sobretudo respeito. Busco integrar a individualidade do ser em um sistema que opera em um ambiente. Procuro borrar a culpa para focar no cuidado com o outro. Procuro uma consciência superior que me permita escolher sabiamente e agir de acordo com ela. Busco um fechamento que tenha apenas dois resultados: nos escolher novamente ou ser grato pelo que passamos, gerar aprendizados e seguir em frente.

        É preciso muita coragem para escolher.

        É preciso coragem para lidar com o desconforto.

        É preciso determinação para acreditar, confiar e construir em um mundo curto, fugaz, condicionado e temporário.

        Deixe um comentário