É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo?

A vida emocional da grande maioria das pessoas tende a ser bem alimentada com dúvidas sobre o que significa ter um parceiro e como desenvolver um relacionamento “normal”.

São pequenas questões que nos assaltam com menos ou mais intensidade e nos faz questionar se o vínculo de amor que nos liga à outra pessoa é genuíno ou se nossas necessidades e sentimentos correspondem ao que se supõe ser um relacionamento romântico tradicional. E uma das perguntas mais frequentes sobre isso é: há algum problema em querer duas pessoas ao mesmo tempo?


Neste artigo, tentaremos responder a essa pergunta, que, veja bem, é complicada.

    Um dilema moral sobre o amor

    A primeira coisa que precisamos entender ao abordar essa questão é que se está certo amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo é uma questão moral. O que isto significa? Bem, isso significa uma resposta a esta pergunta, para nos satisfazer, deve ser de natureza moralEm outras palavras, precisamos nos perguntar se é bom ou ruim amar duas ou mais pessoas ao mesmo tempo e se isso é compatível com um relacionamento.

    Esse fato deve ser observado, pois a pergunta inicial mascara a natureza da dúvida quando falamos sobre o que é “normal” e o que não é: tecnicamente, a normalidade é encontrada medindo-se o número de vezes que o fenômeno ocorre em humanos. Digamos que 80% dos humanos amou mais de uma pessoa ao mesmo tempo (porcentagem inventada). Estaremos satisfeitos com esta resposta? Bem, na grande maioria dos casos, não, porque o que realmente queríamos saber era se os legítimos se sentem assim ou de alguma forma se relacionam com aquelas pessoas que se sentem assim. Observar a frequência com que esse fato acontece em outras pessoas não nos dirá se é bom ou ruim.

    Mas essa não é a única ideia a considerar antes de responder à pergunta; há outro.

    O casal como construção social

    Vamos pensar por um momento sobre por que nos perguntamos a pergunta original. Se pensarmos sobre isso, é porque temos como certo que existe uma maneira de nos conectarmos com as pessoas que amamos, que são mais prováveis ​​de serem normais do que o resto das opções. Se tivermos dúvidas sobre se está certo querer várias pessoas ao mesmo tempo, mas não sabemos se é certo (romanticamente) querer apenas uma pessoa, é porque em nossa cultura, há muita pressão social que nos leva a estabelecer relacionamentos românticos com uma pessoa de cada vez.

    Agora, independentemente dessa influência social, há algo no design do nosso corpo que estabelece que devemos amar apenas uma pessoa romanticamente, da mesma forma que nosso corpo tem algo que nos impede de amar uma pessoa. Pare de ouvir a menos que nós cobrir nossos ouvidos. ? A resposta mais óbvia é não – a prova é que muitas pessoas percebem que desejam mais de uma pessoa. Nossa constituição biológica não nos impede de fazê-lo, o que nos impede até certo ponto é a influência social.

    Essa ideia de que existem “desvios afetivos” perversos da cultura que tornam uma monogamia supostamente programada naturalmente em nosso corpo incapaz de se expressar adequadamente é errônea e essencialista. Por exemplo, casos de infidelidade são comuns em muitas espécies animais que, em teoria, são monogâmicas (ou pelo menos tentam fingir). Na verdade, alguns estudos mostraram que o sucesso de certas formas animais depende em grande parte da combinação de monogamia com discretas infidelidades.

    Então, para entender se é bom amar duas ou mais pessoas, temos que nos perguntar se é legítimo ou não desobedecer essas regras sociais, e se é útil deixar que essas regras nos ditem como devemos gerenciar nossas emoções. .

    Diferencie entre sentir e agir

    Para responder à questão do caráter moral, precisamos nos perguntar se amar mais de uma pessoa romanticamente prejudica outras pessoas ou não. A resposta padrão é não. Porque? Porque, por um lado, nossos sentimentos dependem apenas de nós, e por outro lado, esses sentimentos não nos obrigam a nos comportar de uma forma que possa prejudicar os outros.

    Em outras palavras, podemos amar vários indivíduos sem que isso resulte em uma série de ações que não podemos controlar e que podem, portanto, prejudicar outras pessoas. Só porque um sentimento intenso nasce dentro de nós não significa que nos tornará um ser incontrolável e prejudicial, pois temos a capacidade de controlar a forma como expressamos nossas emoções.

    A importância da comunicação

    E o que acontece quando você está em um relacionamento monogâmico e começa a sentir amor por outra pessoa? É ruim? A resposta, embora possa vir contra você no início, novamente é não. Claro, isso é um fato que pode causar dor, mas não é uma coisa ruim do ponto de vista moral. Para que fosse assim, deveríamos ter escolhido entre a opção de amar outra pessoa ou não, mas isso nunca acontece.

    Isso não significa que essa paixão simultânea não possa nos levar a seguir um caminho moralmente impensado. Por exemplo, se sabemos que nosso relacionamento é baseado no compromisso e na ideia de nos apaixonarmos exclusivamente, isso significa que se começarmos a sentir algo por outra pessoa, precisamos avisar nosso parceiro. Do contrário, vamos traí-lo, e as consequências psicológicas disso podem ser muito graves, porque não só o relacionamento entra em crise, mas também a outra pessoa se sentirá menosprezada e com baixa autoestima, pensando que sim não. não é nem digno de saber a verdade e poder decidir o que fazer com o relacionamento.

    Resumindo: é possível amar várias pessoas?

    Em suma, se há uma coisa, devemos ser claros quando consideramos se é normal ouvir algo para várias pessoas ao mesmo tempo, é que não só se for normal, mas quando acontecer., Não podemos evitar isto. Um comportamento mais ou menos de acordo com um código de ética vai depender do compromisso que tivermos com as pessoas interessadas e do seu respeito ou não, para o que a comunicação é fundamental. Em alguns casos, como aqueles em que o amor e a vida emocional se expressam através do poliamor, a margem de manobra será muito maior e pode ser um assunto que não nos preocupará tanto.

    Quanto às normas sociais, elas afetarão nossa propensão a adotar um ou outro compromisso com aqueles nos quais nos amamos (a monogamia será quase sempre escolhida, na maioria), entretanto além disso, não temos que nos ater a issoPelo que foi dito acima: em nossos sentimentos, ou melhor, na forma como os vivenciamos subjetivamente, comandamos.

    Deixe um comentário