Coração de gelo: por que algumas pessoas têm dificuldade para expressar afeto

Há muito sabemos o quanto nosso bem-estar físico e psicológico pode desgastar devido à solidão, e que a expressão de afeto é a principal forma de criar laços que nos unem a outras pessoas além dos relacionamentos formais.

Contudo, muitas pessoas acham difícil expressar afeto, E eles automática e involuntariamente adotam uma atitude distante quando uma parte deles exige o oposto.


Por que isso está acontecendo? Como praticamente todos os fenômenos psicológicos, não há uma explicação única, pois são vários os caminhos que levam ao mesmo resultado, dependendo do caminho percorrido por cada um ao longo de sua vida. Contudo, existem causas muito comuns para este fenômeno que tem um grande impacto nos relacionamentos, E então veremos um deles.

    Problemas para expressar afeto

    A mente humana é um conjunto de contradições, e é por isso que podemos preferir uma opção à outra na teoria quando na prática fazemos o oposto. Isso acontece, por exemplo, adiando visitas ao dentista ou pulando as sessões de ginástica que pagamos, e também acontece no lado emocional de nossas vidas.

    Sabemos que conectar-se emocionalmente com alguém é uma coisa boa, E ainda, há muitas pessoas que no seu dia-a-dia preferem evitá-lo, rejeitando convites para namorar, evitando abraços intensos, renunciando a encontrar pessoas que demonstrem interesse, ou mesmo demonstrando interesse. Atitude indiferente para com a família que não pode ser explicado por grandes conflitos.

    Este curioso fenômeno foi enfrentado por uma equipe de pesquisadores americanos liderada por Anna Luerssen. Eles partiram de uma hipótese inicial: que, ao gerenciar relacionamentos de casal, cada indivíduo é movido por um dos dois objetivos prioridades mutuamente exclusivas.

    Esses objetivos são, por um lado, desenvolver um relacionamento satisfatório e, por outro lado, minimizar o risco de sentimentos de rejeição. Em geral, expressar afeto gera bem-estar, mas se interpretarmos que esse afeto não é recíproco, pode surgir um sentimento de vulnerabilidade e de pouco valor que fere a autoestima.

    Luerssen e sua família entenderam que uma pessoa com baixa autoestima tende a ser mais defensiva em seus relacionamentos românticos e, portanto, antecipando o alto risco de rejeição, será mais fácil para eles abrirem mão da ideia de um relacionamento muito íntimo. e relacionamento satisfatório. relação.

      experiência

      Para esta pesquisa, a equipe Luerssen contou com a participação de 60 casais atendidos em um laboratório de psicologia. Lá, os membros de cada casal foram separados e um papel foi oferecido a cada um deles: uma pessoa seria o “locutor” e a outra “o ouvinte”.

      Para os participantes que tinham que falar eles foram convidados a escolher 3 joias ou elogios para contar aos seus parceiros. As pessoas que os receberam, além de pedirem que ouvissem sem responder, foram informados que o parceiro havia optado por falar sobre “coisas que gosto muito no meu parceiro” a partir de uma lista de possíveis temas. Assim, eles acreditariam que as flores eram algo espontâneo.

      Após essa fase, os dois membros do casal preencheram questionários sobre como se sentiam com a atividade, passaram por um teste para coletar dados sobre seus níveis hormonais naquele momento, e os “falantes” preencheram um questionário. Questionário elaborado para mensurar seus auto estima.

      O poder nocivo da vulnerabilidade no casal

      De acordo com os resultados obtidos, pessoas com baixa autoestima tendem a oferecer elogios menos afetuosos e manifestam maior desconforto produzido pela experiência.

      Níveis de progesterona, Hormônio secretado em maiores quantidades em resposta ao comportamento afetivo e ligado à doença, não aumentou significativamente nessas pessoas, como geralmente acontece na maioria das pessoas. Na verdade, tanto as pessoas que “ouvem” casais com baixa autoestima quanto aquelas que se relacionam com casais com alta autoestima já experimentaram esse aumento repentino nos níveis de progesterona. Por outro lado, “falantes” com baixa autoestima tenderam a acreditar, em menor grau, que seu parceiro se beneficiaria com suas conquistas.

      Como isso é interpretado? Tudo parece indicar que as pessoas com baixa autoestima são muito mais orientado a objetivos para evitar sentimentos de rejeição, E que as ações que os expõem a este tipo de perigo causam um desconforto que não é compensado pelo bem que se acredita estar fazendo a si mesmo; daí o equívoco de que a outra pessoa se beneficia pouco com elogios, mesmo que os testes hormonais indiquem o contrário.

      Uma grande parte da solução para esses tipos de problemas emocionais e de relacionamento é, portanto, trabalhar a auto-estima e construir uma ideia realista e simples de si mesmo (um conceito de si mesmo). Assim, todos vão ganhar.

        Referências bibliográficas:

        • Luerssen, A., Jhita, GJ e Ayduk, O. (2017). Colocar-se em perigo: autoestima e expressão de afeto nas relações amorosas. Bulletin of Personality and Social Psychology, 43 (7), 940-956.

        Deixe um comentário