Como funciona a terapia de casais para problemas de comunicação?

Uma boa comunicação no casal pode ser um verdadeiro elemento terapêutico por si só. A realização dessa comunicação depende de muitos fatores, aspectos que podem ser cultivados no dia a dia da convivência do casal e nos quais se baseia a terapia de casal.

A melhor forma de evitar conflitos nas relações, ou agravá-los, é ter uma comunicação baseada na confiança, sinceridade e respeito mútuo, aspectos que, entre outras coisas, são reforçados em clínicas e cirurgias. técnicas de terapia de casal para problemas de comunicação. Vamos olhar mais de perto.


    Estas são as técnicas de terapia de casal aplicadas a problemas de comunicação

    A ideia de que a comunicação do casal envolve falar sobre coisas e contar tudo um ao outro está muito arraigada. Isso é parcialmente verdade, mas há muitas outras variáveis ​​a serem consideradas. Não só o que é dito importa, mas também como é dito e ouvido.

    A comunicação não é apenas palavras, mas também gestos, tons, linguagem corporal, emoção… Há muitos aspectos que definem a comunicação e pode ser tanto um ponto forte quanto um ponto fraco do relacionamento.

    Cada casal é único. Não há dois casais iguais, mas as chaves para uma boa comunicação e solução de problemas são constantes: ser direto, aberto e honesto sobre nossos sentimentos e como nos sentimos em relação ao relacionamento. Não dizer como nos sentimos, manter nosso desconforto e insatisfação com as coisas que nosso parceiro diz ou faz, só causará confusão e ressentimento. É por isso que é tão importante cuidar da comunicação em um relacionamento.

    Na terapia de casais, tentamos incentivar as seguintes estratégias no relacionamento, que podem ser usadas como técnicas ou estratégias eficazes para problemas de comunicação.

    1. Incentive a apreciação e a gratidão

    É essencial estabelecer uma melhor comunicação com um parceiro e evitar problemas relacionados ao reconhecimento. reconhecer o que o outro faz por nós e valorizar seus pontos fortes. Muitas vezes esquecemos que com a sua presença, nosso parceiro nos traz muitas coisas em nossa vida e nos apoia. Estar em nossas vidas faz toda a diferença.

    Ao reconhecer isso e deixar a outra pessoa saber, a outra pessoa se sentirá reconhecida e valorizada, sendo mais propensa a se abrir emocionalmente quando a situação exigir. Uma pessoa fala mais abertamente sobre o que a preocupa e como se sente quando percebe que seu parceiro é grato a ela por estar lá.

      2. Melhore a empatia

      Um aspecto fundamental em qualquer relacionamento humano: ter empatia. Coloque-se no lugar do outro, tentar entender seu ponto de vista, seus sentimentos e sua situação Isso nos ajudará a evitar cair na luta pelo poder de muitos relacionamentos quando se trata de debater ou negociar questões importantes. Esse é um dos aspectos mais trabalhados da terapia de casais, e ajuda muito na resolução de problemas por falta de comunicação.

      Por luta pelo poder designamos a situação tão frequente nos casais em que os dois tentam impor-se ao outro, sem o ouvir. A única coisa para eles é ter razão, não resolver o problema fundamental e, como ambos querem ter razão, as discussões se eternizam e o tom de voz sobe cada vez mais, sem chegar a um ponto comum. .

      O problema é que, quando se trata de namoro, você não perde um. Ter empatia com seu parceiro significa ouvi-lo, colocar-se no lugar dele. Claro que podemos expressar nossa opinião, nossas necessidades e nossos sentimentos, mas isso deve ser feito levando em consideração os sentimentos do outro e com o objetivo de chegar a um ponto comum. Não pretendemos vencer a batalha obtendo a “razão”, porque no final permanece muito subjetivo.

        3. Treinamento em gerenciamento de linguagem corporal

        A comunicação não é apenas palavras. A linguagem corporal é uma forma de comunicação real e não verbal que influencia muito quais informações são recebidas e como são recebidas. Saber expressar com um olhar, um sorriso ou uma piscadela o que sentimos pode funcionar a nosso favor na hora de evitar discussões.

        Expressões de carinho como abraços, beijos e carinhos, armas de amor que nos ajudam a manter o amor, não devem ser negligenciadas. A neurociência confirma: o toque humano libera hormônios como oxitocina, serotonina e dopamina, que promovem o bem-estar. Estar de bom humor aumenta a probabilidade de você discutir sem discutir ou ficar com raiva.

          4. Melhore a assertividade

          Mal podemos esperar para que nosso parceiro adivinhe nossas necessidades. Esperar isso só leva a mal-entendidos e discussões, conflitos que muitas vezes são o cotidiano dos terapeutas de casais. Tampouco devemos silenciar o que nos feriu ou perturbou, porque isso desperta desconfiança e desamparo no casal.. O silêncio punitivo não resolve os problemas do casal, mas os agrava.

          Na maioria dos casos, os problemas de comunicação são resolvidos conversando. A melhor maneira de resolvê-los e preveni-los é saber reconhecer e expressar suas emoções aos outros, sempre por respeito e sem recorrer a reprovações ou exigências. Com isso, poderemos criar uma atmosfera de confiança que facilitará muito a comunicação de qualquer aspecto a comentar.

          Além disso, nosso parceiro saberá o que sentimos e o que pensamos, evitando mal-entendidos. É essencial expressar o que está acontecendo conosco sem ofender o outro porque, caso contrário, é fácil que o problema crie raízes, congele até que reapareça uma situação que o traga à luz.

            5. Ensine-os a escolher a hora certa e o canal certo

            Para garantir uma comunicação eficaz, é muito importante saber escolher o momento certo para falar sobre quais assuntos. Vamos colocar desta forma: não pediríamos um aumento ao nosso chefe um dia quando o encontrarmos fazendo compras no supermercado? Obviamente não, por vários motivos: muito barulho, pouca privacidade, falta de formalidade…

            O mesmo vale para o mundo do casal: há coisas que são melhor ditas em um lugar privado e íntimo, com calma e sabendo muito bem o que dizer. Se tivermos que conversar com nosso parceiro sobre algo que achamos importante ou sensível, não pode ser feito às pressas ou em um lugar onde haja barulho e interrupções.

            Temos que ter cuidado como começamos a conversa. A frase típica “precisamos conversar” é muito, muito desaconselhável, especialmente se não especificarmos o quê. Assim que ouvimos essas palavras saírem de nossos lábios, nosso parceiro monta sua paranóia, isso gera incerteza, medo e antecipação de todos os tipos, mas acima de tudo ruim. É aconselhável dizer-lhe o que claramente, para que ele saiba o que esperar.

            E, claro, assista ao canal: esse tipo de conversa não é nada apropriado para mantê-la no telefone, muito menos no Whatsapp. Coisas importantes devem ser ditas pessoalmente.

              6. Não use palavras extremas

              Uma mensagem pode ser dita de maneiras muito diferentes, tanto que dependendo de como é dita, seu conteúdo muda involuntariamente. Dependendo de como nos expressamos, o conteúdo chega ao destinatário e é interpretado de uma forma ou de outra. Não devemos usar expressões duras ou palavras extremas ao falar sobre o que pensamos de nosso parceiro.

              Se falarmos sobre o juízo de valor contra nosso parceiro, usando palavras como “você sempre faz isso…” ou “você nunca faz o outro”, sobre cobrança, reclamação ou crítica, será inevitável que o outro feche o grupo e colocado na defensiva, pronto para atacar.

              Na terapia de casais, os pacientes são ensinados a transformar as reclamações e críticas de seu namorado ou cônjuge em mensagens de desejo, proposta e demanda mais fáceis de ouvir. Eles suavizam a mensagem mas sem sacrificar o seu conteúdo. Por exemplo, em vez de dizer:

              “Você nunca ajuda nas tarefas domésticas, você é um vagabundo.”

              Você pode dizer:

              “Me satisfaz muito quando você trabalha em casa, me ajuda a me sentir mais livre e organizada”

              Outro exemplo, em vez de:

              “Você sempre me culpa por chegar tarde em casa, pesado.”

              Transforme-o em:

              “Eu sei que você se preocupa quando demora um pouco para chegar em casa do trabalho, isso é algo que eu tenho e vou deixar você saber quando isso acontecer novamente.”

              Você procura apoio psicológico diante de crises conjugais?

              Se pretende iniciar um processo de terapia de casal, contacte-nos; Fr Psicomestre Cuidamos tanto presencialmente quanto através de terapia online e ajudamos as pessoas a superar seus problemas na área de gestão emocional, aprender novas formas de se comunicar e resolver conflitos, lidar com o estresse, etc.

              Referências bibliográficas

              • Ahluwalia, H.; Anand, T & Suman, LN (2018). Terapia matrimonial e familiar. Indian Journal of Psychiatry, 60 (4): pp. S501 – S505.
              • Biscotti, O. (2006). Terapia de casal: uma visão sistêmica. 1a. ed. Buenos Aires: Lúmen.
              • Christensen, A.; Atkins, DC; Yi, J.; Baucom, DH & George, WH (2006). Adaptação de casal e individual ao longo de 2 anos após um ensaio clínico randomizado comparando terapia comportamental de casal tradicional versus integrativa J Consultar Clin Psychol. 74 (6): 1180-91.
              • Christensen, A. & Dossb, BD (2018). Terapia Comportamental Integrativa de Casais. Opinião Atual em Psicologia, 13: pp. 111-114.
              • OnlineLepore, J. (2010). A ascensão da terapia conjugal e outros sonhos de melhoria humana. Nova York: The New Yorker.
              • O’Donohue, W. & Ferguson, KE (2006). Prática baseada em evidências em psicologia e análise do comportamento. O analista do comportamento hoje.

              Deixe um comentário