Casais resilientes: como são e o que os torna fortes e duradouros

Nenhum relacionamento é igual, mas se tem uma coisa que define os casais que são felizes para o resto da vida é a sua grande resiliência. Apesar dos conflitos, das adversidades, das pedras que podem estar no caminho, os casais que resistem não só superam os problemas como também se fortalecem.

Nos casais resilientes, seus membros entendem que cada um é um indivíduo livre, com suas opiniões, desejos e expectativas, mas também que a relação é uma questão de dois e que as decisões não podem ser tomadas de forma unilateral. Ambos se amam, se respeitam e se amam.


Hoje veremos a resiliência dos casais e suas características então, quem quiser melhorar seus relacionamentos, anote o que precisa fazer para conseguir isso.

    Como são os casais resilientes?

    Casais resilientes são muito flexíveis diante das adversidades da vida. Eles se moldam a qualquer situação que afete ambos os membros. Como se fosse um elástico, a vida pode testar o relacionamento, esticar os noivos, mas apesar disso, eles acabam voltando a uma posição de crescimento e evolução, uma posição de amor respeitoso e convivência harmoniosa.

    Mas antes de falarmos em profundidade sobre a resiliência dos casais, devemos primeiro esclarecer o termo chave que os define, o que é resiliência? Esta palavra muito popular refere-se à capacidade do ser humano de se adaptar psicologicamente às dificuldades e mudanças, superá-las e sair delas mais fortes do que antes.

    Transferida para o campo dos relacionamentos amorosos, a resiliência no casal é a capacidade de duas pessoas que se amam, se amam e querem viver juntas para se superarem, se adaptarem e superação das dificuldades, problemas, crises e desencontros produzidos pela convivência. Casais resilientes sabem tirar proveito dessas divergências, tornando-as não uma fonte de discórdia, mas uma oportunidade de crescer juntos e, portanto, fortalecer o relacionamento.

      Características deste tipo de casal

      Diversas características são atribuídas aos casais resilientes, assunto que tem gerado interesse científico nos últimos anos. No entanto, a principal característica dessas relações é a capacidade de lidar de forma harmoniosa, respeitosa e concordante com as dificuldades e problemas da vida que podem afetar potencialmente a vida de um casal.

      Esses relacionamentos são capazes de resistir ao conflito e não se romper. Sua resiliência, semelhante à elasticidade da borracha que discutimos anteriormente, é capaz de levar uma surra, sejam contratempos duros ou apenas golpes, adversidades que desgastam o relacionamento e depois voltam ao normal, à forma original do relacionamento.

      Podemos melhorar nosso relacionamento. É verdade que será preciso algum esforço, controlar nossas emoções diante de divergências e diferenças com nosso parceiro e tentar pensar que, embora sempre sejamos dois indivíduos, em um relacionamento são duas pessoas que são o mesmo vaso e que quando há swell, os problemas de um afetam o outro direta ou indiretamente. Portanto, se você deseja alcançar a resiliência de um casal, deve saber quais são as principais características desse tipo de relacionamento:

      1. Concordo em discordar de tudo

      Casais resilientes são relacionamentos em que a ideia de que, mesmo que estejam apaixonados, não vão concordar em tudo. Um casal são duas pessoas que, embora se amem, ainda têm suas opiniões, seus sistemas de crenças e sua interpretação do mundo.

      No amor verdadeiro há espaço para divergências e opiniões diferentes e entende-se que, para não ter opiniões diferentes ou mesmo opostas, se quer duas pessoas a menos. O afeto se manifesta aceitando-se, respeitando as abordagens do outro. É esta verdadeira aceitação que resolve conflitos e evita mal-entendidos.

        2. Compromisso real e sincero em entender o outro

        Em relacionamentos resilientes, ambos os membros estão cientes das necessidades e preocupações um do outro. Esses casais não minimizam a dor e o sofrimento um do outro com frases como “você não está se preocupando com nada” ou “você é um exagerado”. Ser sensível às emoções e ao desconforto do outro evita que isso se torne um problema maior ao longo do tempo.

        Mas deve haver um interesse real, dedicar tempo ao outro, ter vontade de ouvir, ser empático e ter boa capacidade de comunicação. Casais resilientes não esperam que o outro adivinhe o que está acontecendo com eles, muito menos use o silêncio punitivo quando há uma discussão. As preocupações de relacionamento são comunicadas com confiança. Diz o que você sente, o que você pensa e o que você precisa.

          3. Não procure os culpados, mas as soluções

          É comum que as pessoas em relacionamentos mundanos busquem a culpa após um conflito ou problema. É uma dinâmica tóxica, que longe de ajudar a situação a melhorar pode piorar a ponto de terminar o relacionamento depois de um tempo. É comum usar frases como “é sempre você…” ou “você nunca faz o que eu quero…”

          A pior coisa de um relacionamento é culpar a outra pessoa. Não podemos fingir que as coisas estão melhores se tudo o que fazemos é reclamar das coisas ruins que nos acontecem e culpar a pessoa que devemos querer. Isso não acontece em relacionamentos resilientes, onde os casais se concentram em resolver o problema, não em culpar, uma estratégia muito mais eficaz.

            4. Não tenha medo de mostrar suas emoções

            Casais resilientes não têm medo de mostrar como realmente se sentem. Nessas relações, as emoções são expressas e, longe de serem interpretadas como sinal de fraqueza ou vulnerabilidade, isso é feito como sinal de sinceridade genuína e confiança no outro. Expressar os sentimentos, necessidades e intimidade um do outro fortalece o relacionamento e cria confiança.

              5. Atitude positiva diante da adversidade

              Ser positivo e mostrar bom humor diante de qualquer problema da vida é um aspecto fundamental para viver bem, não apenas nos relacionamentos, mas em qualquer tipo de relacionamento humano e ambiente pessoal. No caso particular dos casais, o sentido de humor e a vontade de querer sempre trazer um sorriso a quem quiser para ajudar a relação a correr bemmesmo diante das situações mais desfavoráveis, como pobreza ou doença.

                6. Seja uma prioridade um para o outro

                Se há uma coisa que define relacionamentos felizes e estáveis, é que ambos se colocam em primeiro lugar. É um compromisso de longo prazo, então quem você está namorando se torna um dos aspectos mais importantes da sua vida. Nenhuma decisão é tomada unilateralmente. Nenhum decide pelos dois, porque nenhum é mais que o outro. A opinião da outra pessoa é sempre considerada antes de fazer qualquer coisa que diga respeito a ambos.

                São principalmente essas seis chaves que constituem a resiliência em um relacionamento. Com essas características em mente, podemos forjar uma história de amor que cura sempre que há um problema, aprende com as dificuldades e sai mais forte do que nunca quando a vida nos lança na adversidade.

                Referências bibliográficas

                • Fergus, Karen. (2015). Fundamentos teóricos e metodológicos da resiliência conjugal: identificando o “nós”. Resiliência do casal: perspectivas emergentes. 23-42. 10.1007/978-94-017-9909-6_2.
                • Gordon, AM, Impett, EA, Kogan, A., Oveis, C. e Keltner, D. (2012). Ter e manter: a gratidão promove a manutenção das relações nos laços íntimos. Journal of Personality and Social Psychology, 103(2), 257–274.
                • Lewandowski, GW, Jr., Mattingly, BA e Pedreiro, A. (2014). Sob Pressão: Os Efeitos do Estresse em Comportamentos de Relacionamento Positivo e Negativo. The Journal of Social Psychology, 154(5), 463-473.
                • Neff, LA e Karney, BR (2009). Estresse e reatividade às experiências cotidianas de relacionamento: como o estresse impede os processos de enfrentamento no casamento. Journal of Personality and Social Psychology, 97(3), 435–450.
                • Skerrett, K. e Fergus, K. (2015). Resiliência do casal: perspectivas emergentes.
                • Skerret, Karen. (2015). A resiliência do casal: uma visão da paisagem. Resiliência do casal: perspectivas emergentes. 3-22. 10.1007/978-94-017-9909-6_1.

                Deixe um comentário