Bondade, um problema em escolher um parceiro

Escolher um parceiro é uma das decisões mais tomadas, à qual parecemos dar mais importância e que pode ter mais consequências.

No entanto, a verdadeira compatibilidade é difícil de encontrar, e alguns podem dizer que muitos casais parecem ser o resultado de uma má decisão. Então, se a escolha do parceiro é tão importante, Por que essas eleições dão errado com tanta frequência?


A gentileza parece ser um obstáculo ao escolher um parceiro

Muitos dos estudos psicológicos sobre este assunto assumem características fixas como variáveis, tais como o nível de riqueza, dados objetivos sobre o físico, etc. No entanto, devemos também levar em consideração variáveis ​​que intervêm no campo e que existem apenas na relação pessoal que temos com os outros. Existe algo nesta forma de comunicação que nos influencia quando se trata de construir relacionamentos românticos? Nós já temos estudos esse ponto nessa direção.

Pesquisa

Uma equipe de pesquisa da Universidade de Toronto concluiu que uma das explicações para uma escolha infeliz de parceiro poderia ser, contada e debatida, a seguinte: nós somos muito legais.

Rejeitar alguém é uma dificuldade que você nem sempre está disposto a superar, e a empatia (ou cordialidade, gentileza ou cortesia) pode nos tornar muito abertos à possibilidade de namorar pessoas de todos os tipos, mesmo as incompatíveis conosco.

Tomando como ponto de partida o caso de que o ser humano possui tendências sociais que nos levam a nos colocar no lugar do outro e a ser amigos (ou, dito de outra forma, a evitar conflitos), a equipe fez um experimento para observar como essa predisposição à empatia afetou na escolha de um parceiro. Para isso, eles convidaram vários homens e mulheres como sujeitos experimentais, todos solteiros e interessados ​​em namorar. Cada um deles, individualmente, foram mostrados três perfis com vários dados sobre três pessoas diferentes.

O sujeito experimental então decidiu qual desses três perfis era o mais desejável como um encontro possível. Feito isso, o sujeito experimental recebeu mais informações sobre a pessoa que havia escolhido: era um conjunto de dados entre os quais existem características que a pessoa anteriormente designou como exclusivas, ou seja, eliminam a pessoa que possui essas qualidades como um possível parceiro.

Recebida a informação, foi perguntado à pessoa se ela teria interesse em contatar a pessoa descrita nos relatórios. Em outras palavras, se eles estivessem interessados ​​em ter a chance de namorá-la.

A importância de ter uma boa aparência

No entanto, a partir deste ponto o experimento foi dividido em duas variações. Algumas pessoas foram informadas de que a possível meia-laranja está lá, no laboratório, em uma sala ao lado dela. Outro grupo de participantes foi convidado a imaginar que essa pessoa estava na sala ao lado.

Isso significa que um grupo de participantes estava mais condicionado pela empatia do que o outro, sentindo aquela proximidade pessoal com alguém que, pelo menos no papel, não atendia às características desejadas.

Os resultados foram diferentes nos dois grupos?

Claramente diferente. No grupo daqueles que só precisavam imaginar a proximidade do outro, dificilmente 17% dos participantes disseram que queriam ver a outra pessoa.

Contudo, no grupo daqueles que pensavam ter a outra pessoa próxima, mais de um terço concordou. Além disso, quando questionados sobre o que os levou a tomar essa decisão, os cientistas encontraram uma combinação de interesse próprio e espírito de generosidade. A preocupação com o sentimento do outro influenciou claramente, em detrimento da predisposição para rejeitar possíveis parceiros.

No entanto, não é certo que essa tendência seja uma fonte de descontentamento. Claro, esse pode ser o caso se a empatia mascarar incompatibilidades significativas que vêm à tona à medida que o relacionamento progride, a ponto de essas questões assumirem mais importância do que o desejo de não machucar o outro. Por outro lado, também pode levar a relacionamentos românticos em que havia, a priori, apenas preconceitos e ideias banais sobre como deveria ser o parceiro ideal, o que, por sua vez, iria gradualmente construir empatia e laços emocionais. Como em muitas outras coisas, o tempo parece ser um fator decisivo na avaliação de um relacionamento pessoal.

Deixe um comentário