Apatia nos relacionamentos: como superá-la?

É sabido que, de um modo geral, as relações de casal geralmente começam com uma primeira fase de se apaixonar, que ao longo dos meses dá lugar a outra forma de viver esse vínculo, mais calma e menos apaixonada. No entanto, essa segunda forma de conviver diariamente com essa pessoa não deve ser confundida com um sentimento ligado ao impasse da relação: a apatia.

Neste artigo vamos falar sobre como a apatia pode desgastar um relacionamento e o que podemos fazer para combatê-la.


    Seu relacionamento está parado por causa de sentimentos de apatia?

    Vamos começar falando sobre as características e como a apatia afeta o namoro ou o casamento. Esse fenômeno psicológico é uma combinação de falta de motivação diante de qualquer atividade ou projeto vinculado a um importante contexto de vida (neste caso, a relação de casal), o que leva a uma atitude de passividade e desinteresse.

    Além disso, na maioria dos casos, está ligado a um certo achatamento afetivo, o que significa que há uma fraca predisposição para sentir emoções intensas advindas desse contexto de vida, como tristeza, raiva ou felicidade. Em outras palavras, quando estamos apáticos, é muito raro que um estímulo, uma ideia ou uma lembrança que nos passe pela mente possa nos fazer sentir significativamente bem ou mal; para o bem ou para o mal, sempre nos sentimos mais ou menos os mesmos.

    Este tipo de estagnação emocional, quando ligada a uma relação de casal, também produz uma estagnação de relacionamento: embora permaneçamos lá e não decidamos voltar ao celibato, do ponto de vista intelectual ou racional não podemos explicar (convincentemente muito antes de nós ) Por que ficamos com essa pessoa?apenas nos deixamos levar pela rotina e pela inércia de fazer o que fizemos durante esses meses ou anos de namoro ou casamento.

      Apatia não é o mesmo que tédio

      Embora tenham aspectos em comum, sentir-se apático em um relacionamento não é o mesmo que estar entediado. O tédio é um estado de espírito mais circunstancial e mais dependente das ações objetivas que realizamos; ou seja, pode ser administrado simplesmente por meio do acesso a maneiras de se engajar em hobbies estimulantes. Por outro lado, a apatia não surge do fato de não realizarmos ações específicas que nos ajudem a usar o tempo livre que temos de maneira produtiva, entre outras coisas porque quando nos sentimos apáticos, não temos motivação . As causas da apatia são mais profundas e baseadas em sentimentos mais abstratos do que a experiência de se concentrar em uma tarefa ou se expor a determinados estímulos.

      Em geral, o que nos torna apáticos é que não somos capazes de dar sentido ao que fazemos diariamente, não nos parece que traga ordem ou noção de progresso à nossa identidade; é por isso que quando estamos entediados, geralmente temos referências sobre o que poderíamos fazer para não nos sentirmos assim (mesmo que nos falte energia para começar ou não tenhamos meios), mas na apatia, não há tais referências sobre como sair dessa situação.

        Como lidar com a apatia em um namoro ou casamento?

        Como você pode adivinhar pelo que vimos até agora sobre apatia, sendo um experimento com causas e gatilhos tão complexos e abstratos, é muito difícil dar uma solução em pouco tempo ou fazendo mudanças superficiais na maneira como vivemos o dia hoje. Assim, como regra geral, a forma mais eficaz de resolver o problema é a consulta de um psicólogo, a realização de sessões de terapia de casal, pois desta forma irá beneficiar de um apoio personalizado adaptado às suas experiências, bem como a possibilidade de se expressar . com o apoio de um profissional que media e trabalha para que ambos possam dizer o que sentem.

        Mas deixando de lado os avanços que podem ocorrer por meio de um processo terapêutico, as dicas gerais que veremos a seguir também podem te ajudar.

        1. Converse com seu parceiro sobre o que está acontecendo com você

        Não é só que a outra pessoa tem o direito de saber o que você pensa do relacionamento; além disso, comunicar isso honestamente permitirá que você aja antes que a situação sem ter que enfrentar o medo de que a outra pessoa descubra o que está acontecendoalgo importante, pois as mudanças que você precisa fazer em sua rotina afetam a ambos e chamarão sua atenção.

          2. Entre na rotina de manter um diário

          Escrever sobre como você se sente diariamente é uma ótima maneira de melhorar o autoconhecimento e aprenda a distinguir entre sentimentos e emoções que geralmente surgem em sua vida diária. Colocar essas coisas em palavras e ler sobre elas permitirá que você entenda muitas das lógicas de como você se sente, e também permitirá que você detecte oportunidades para se “reconectar” com as coisas excitantes e motivadoras que seu relacionamento tem a oferecer. vocês. Dessa forma, cada vez mais você poderá identificar referências de como esse namoro ou esse casamento lhe proporcionará experiências significativas para o seu desenvolvimento pessoal.

          3. Crie novas rotinas e projetos que envolvam vocês dois

          Não se trata de fazer coisas motivadoras enquanto você está com seu parceiro, mas de fazer coisas emocionantes e significativas que o aproximam e que eles não seriam os mesmos sem a outra pessoa. Mas muitas pessoas não conseguem passar do desejo à ação; para evitar isso, é importante organizar um cronograma que delimite o início e o término dessas atividades (em vez de detalhar apenas os blocos de tempo dedicados ao trabalho e às obrigações domésticas).

          4. Em vez de apenas conversar, converse

          Nós nos entendemos por meio de conversas significativas sobre suas preocupações, medos, suas paixões, etc. Evite cometer o erro de presumir que já conhece a outra pessoa; Assim como você muda com o tempo, seu parceiro também muda, mas se você não se comunicar bem, essas mudanças podem passar despercebidas no curto e médio prazo.

          Quer contar com apoio psicológico para problemas de casal?

          Se você estiver interessado em ajuda psicológica profissional na forma de sessões individuais ou terapia de casal, entre em contato comigo. Meu número é Tomás Santa Cecília e sou psicóloga especializada no modelo de intervenção cognitivo-comportamental; Posso atender presencialmente no meu escritório localizado em Madrid ou através da modalidade online por videochamada.

          Referências bibliográficas

          • Bustamante, J. (2016). Sexualidade e terapia de casal: o casal em uma abordagem global. Madri, Espanha: UNED.
          • Christensen, A.; Atkins, DC; Yi, J.; Baucom, DH & George, WH (2006). Ajuste de casal e individual ao longo de 2 anos após um ensaio clínico randomizado comparando terapia comportamental de casal tradicional versus integrativa. J Consultar Clin Psychol, 74(6): p. 1180-1191.
          • Dattilio, FM & Padesky, CA (2004). Terapia Cognitiva de Casal. Bilbau: Editorial Desclée De Brouwer.
          • OnlineLevy, R. & Dubois, B. (2006). Apatia e anatomia funcional dos circuitos córtex pré-frontal-gânglios basais. Córtex cerebral; 16 (7): pág. 916-928.

          Deixe um comentário