Amor líquido: a mercantilização do amor no século 21

O amor líquido é a filosofia romântica dominante de nosso tempo.

Você provavelmente já ouviu falar do sociólogo polonês Zygmunt Bauman e seu conceito de “amor líquido” em algum momento de sua vida. A afirmação não poderia ser mais gráfica: o amor líquido, uma imagem que é a metáfora perfeita para algo comum em nossa sociedade: a fragilidade dos relacionamentos românticos.


Você tem coragem de comprar o livro Liquid Love de Zygmunt Bauman? Você pode fazer isso neste link

Amor líquido: definindo o conceito

Isso é típico da sociedade da informação e do consumo em que nos encontramos.
As pessoas valorizam mais a experiência atual, a liberdade não relacionada, Para o consumo ocasional e irresponsável e a satisfação imediata das necessidades corporais e intelectuais. Tudo o que não atende à exigência de imediatismo, de “usar e jogar fora”, é rejeitado.

O amor líquido, portanto, refere-se à fragilidade dos laços sentimentais, Alude à necessidade de não estabelecer raízes emocionais profundas com as pessoas que encontramos na vida, a fim de permanecermos emocionalmente distantes e, assim, sermos capazes de se integrar em um ambiente em constante mudança. No entanto, o amor líquido afeta não apenas o nosso relacionamento com os outros, mas também o nosso relacionamento com nós mesmos, pois Bauman acredita que vivemos em uma cultura que se distingue pela “liquidez da autoestima” dos indivíduos.

Artigo relacionado: “Amor maduro: por que o segundo amor é melhor do que o primeiro?”

Amar os outros começa com você mesmo

Muitas pessoas não entendem que, para amar profundamente outra pessoa, você deve primeiro amar a si mesmo. Essa, que é uma realidade que poucos questionam, geralmente não é a base sobre a qual muitos relacionamentos são construídos, sobre os quais prevalecem outros valores e necessidades que pouco têm a ver com o ser humano.

Essa é uma das deficiências de nossa cultura, que nos impulsiona a ter um companheiro, embora os indivíduos precisem se conhecer e construir sua autoestima antes de irem buscar apoio emocional e sentimental em outro ser humano. Isso nos leva à dependência emocional, ou seja, depender da aprovação e da estima dos outros para manter nossa autoestima, o que pode nos causar dor e desconforto.

Amor líquido na cultura individualista

A cultura ocidental, em muitos casos, não nos incentiva a construir relacionamentos de confiança duradouros, e muitas pessoas têm sérias dificuldades para se sentir acompanhadas e amadas. Esta tendência de não criar relacionamentos duradouros é explicada por
a grande responsabilidade e a transcendência que isso implicaria, uma “pedra de tropeço” que não estamos motivados a assumir.

Também pode ser devido ao medo de se sentir desapontado ou magoado. O medo do amor ou da filofobia muitas vezes nos incapacita e evita tudo o que parece comprometedor, impedindo-nos de formar relacionamentos fortes e profundos.

Conexão líquida contra o amor de longo prazo

Zygmunt Bauman desenvolve em seus numerosos ensaios várias teorias e reflexões sobre o amor em nosso tempo. Hoje, ele diz,
relacionamentos românticos dependem mais da atração física do que de uma conexão profunda em um nível mais pessoal. São relações marcadas pelo individualismo dos dois membros, em que o contato é efêmero, e isso é conhecido de antemão, o que aumenta sua condição de relacionamento esporádico e superficial. Um amor que nasceu para ser consumido e consumido, mas nunca para ser sublimado.

A ideia de amor líquido de Bauman coloca o individualismo de nossas sociedades em destaque, A busca constante pela satisfação imediata de nossos desejos, experiências descartáveis ​​e a mercantilização das relações pessoais. Daí a noção de amor líquido, numa sociedade que não quer manifestar emoções fortes e duradouras, mas prefere saltar de flor em flor em busca de prazeres fugazes e inofensivos. É o modo multitarefa aplicado ao mundo dos relacionamentos do casal.

O mundo virtual e sua influência no surgimento do amor efêmero

Talvez o surgimento das mídias sociais e das novas tecnologias tenha desempenhado um papel na consolidação dessa tendência que muitas pessoas sofrem. Vivemos em um mundo em constante mudança, onde o virtual e o real se fundem com surpreendente facilidade.

Às vezes, pode deixar as pessoas mais sensíveis desesperadasPorque o ritmo acelerado de vida torna extremamente difícil para nós nos conectarmos com outras pessoas em um nível emocional.

Valores mercantis, amores mercantis

Se mantemos relacionamentos com data de expiração, é porque a sociedade nos obriga a fazê-lo., Ter links mais fracos e flexíveis, fazer poucas raízes por onde vamos. É assim que somos educados, é assim que somos. Ensinamos as crianças que eles podem ter brinquedos e dispositivos tecnológicos se passarem no próximo exame e os apresentamos a uma cultura mercantil em que se deve sentir motivado pelas recompensas que recebe em troca de seu trabalho, cancelando assim as motivações intrínsecas e autênticas . gostos de cada pessoa.

Isso promove a sensação de que não apenas objetos, mas também pessoas são consumíveis e, portanto, objetivados para parceiros sexuais em potencial. Esta pessoa que nos atrai nada mais é do que um pedaço de carne para degustar, e não temos que nos preocupar com seus desejos, preocupações, necessidades, gostos … Como vamos nos conectar emocionalmente com alguém se estamos apenas interessados ​​em algo carnal?

Amor líquido e reificação

Outro dos grandes pilares sobre os quais ele sustenta o amor líquido é a reificação das pessoas. Em outras palavras, a tendência de perceber e valorizar as pessoas como objetos, coisas. Afinal, significa chegar a um fim: prazer físico, aceitação social dos outros, etc.

O amor líquido seria transmitido pela reificação porque dá a possibilidade de criar relacionamentos amplamente descartáveis. Portanto, a flexibilidade no relacionamento com os outros estaria associada à falta de empatia por eles.

Possíveis pensamentos para verificar o amor líquido

obviamente
devemos lutar contra a escala de valores de nossas sociedades para lutar contra o amor líquido e seus efeitos indesejáveis em nosso bem-estar. O ser humano não é um objeto à espera de ser consumido: pensamos, aspiramos, falhamos, sentimos … Para começar a derrubar a ordem estabelecida, devemos começar a nos valorizar mais e a sentir que somos dignos de ser respeitados e valorizado, assim como qualquer outro indivíduo.

O amor líquido pode ser divertido, mas também fugaz, o que pode nos fazer sentir um vazio existencial. Os consumidores estão sempre ansiosos para comprar mais coisas, mas isso não os deixa felizes porque o material sempre desbota eventualmente. Também queremos ser consumidores com relacionamentos pessoais?

Causas do amor líquido

1. Insegurança

Uma das causas do amor líquido é a insegurança e a baixa auto-estima. Se não nos consideramos plenamente capazes e merecedores de um relacionamento sério, leal e profundo, é difícil encontrarmos uma pessoa se ainda quisermos manter um vínculo estreito conosco.

2. Baixa autoestima

Continuando com o ponto anterior, a insegurança e a baixa autoestima são as duas faces da mesma moeda. Se procuramos apenas satisfazer temporariamente nossa necessidade de relacionamento, é porque não temos maturidade emocional suficiente para entrar em contato profundo com essa pessoa que nos atrai.
Não queremos comprometer nosso bem-estar emocional entregando-o muito rapidamente para alguém, O que é bom, mas pode nos machucar se pegarmos de um lado e colocar uma braçadeira do outro.

Por outro lado, se confiarmos um no outro, podemos avançar aos poucos, percebendo quais são os desejos do outro e podendo desenvolver bons sentimentos um pelo outro, com relacionamentos mais duradouros e estáveis.
O compromisso bem compreendido nasce da união de interesses e gostos, E também da ternura professada pelas duas pessoas.

3. Escravidão

Se quisermos ser mais felizes, disse Bauman,
devemos nos inspirar em dois valores universais: liberdade e segurança. Sair da escravidão é reconhecer que os dois valores mencionados devem coexistir em harmonia. É a chave do amor e uma das máximas para um casal romântico dar certo.

Deixe um comentário