A Teoria das Necessidades Complementares de Robert Winch

Robert Winch foi um sociólogo americano da década de 1950 desenvolveram uma teoria conhecida como “teoria das necessidades complementares” para explicar os fatores que influenciam a atração entre duas pessoas. para que se consolidem como casal sentimental.

A Teoria das Necessidades Complementares de Robert Winch originou-se de um de seus estudos em que procurou investigar os meios pelos quais ocorria a complementaridade entre os 25 casais que participaram do estudo. Ele determinou que para duas pessoas se apaixonarem a ponto de se verem como o casal certo, elas tinham que se complementar levando em consideração uma série de fatores que detalharemos mais adiante.


    O que é a Teoria das Necessidades Complementares?

    A Teoria das Necessidades Complementares de Robert Winch, localizada nos campos da sociologia e da psicologia social e voltada para o estudo da formação de casais, foi desenvolvida a partir de um estudo que Winch realizou com 25 casais a fim de investigar as maneiras pelas quais a complementaridade ocorreu na seleção de pares.

    O primeiro passo nesse processo de seleção de um potencial parceiro consiste em datas entre os dois membros, uma vez que previamente combinaram fazer essa data para a atração inicial que pode ser entre os dois.

    Os próximos passos na formação de um casal passariam por uma série de encontros entre os dois membros ao longo do tempo que tornou mais fácil para os dois se apaixonarem, o passo preliminar para estabelecer um relacionamento romântico.

    O próprio Winch propôs que, além de o namoro ser o primeiro passo para se apaixonar, a forma mais comum de conhecer esse parceiro em potencial com quem podemos ter mais complementaridade é acontecer nos ambientes em que evoluímos.

    Para que esse passo seja dado, segundo a teoria da complementaridade uma pessoa escolhe quem quer para ser seu parceiro procurando alguém que tenha necessidades complementares às suas; portanto, se cada um dos membros do parceiro potencial visse no outro que havia uma complementaridade consigo mesmo, ambos gostariam de dar o passo final na formação de um parceiro sentimental.

    Desenvolvendo a teoria das necessidades complementares, Winch também observou que as pessoas avaliadas, além de escolher pessoas complementares em termos de gostos, valores e hobbies como um parceiro em potencial, também focavam outros fatores como religião, raça, classe social, escolaridade, local de residência, etc. De acordo com essa teoria, quando esses fatores que acabamos de listar são comuns ou pelo menos bastante semelhantes, eles facilitam o casamento entre duas pessoas.

    Na teoria das necessidades complementares, tem-se qualificado aquelas pessoas que se enquadram nos fatores complementares de uma pessoa como o “Campo de Candidato Conjunto Elegível”, pode ser uma daquelas pessoas que vemos todos os dias (por exemplo, o garçom do refeitório onde costumamos tomar café todas as manhãs, um colega de classe ou colega, alguém que frequenta a mesma academia que nós, etc.).

      A ideia de pólos opostos

      É bastante comum ouvir a ideia de que “pólos opostos se atraem”, sendo um tema que Robert Winch também pesquisou. Embora seja verdade que eles podem ser atraentes, isso não significa que sejam duráveis. Embora não digamos que duas pessoas completamente diferentes não podem ter um relacionamento duradouro, porque colocá-los do lado deles pode encontrar um terreno comum e também existem outros fatores que talvez sejam mais importantes para que um relacionamento funcione a longo prazo, como confiança, apoio e respeito mútuo.

      O mesmo vale para o lado oposto, e é que mesmo que duas pessoas concordem na maioria dos fatores que consideram importantes para querer treinar um parceiro, isso não significa que o sucesso seja garantido e seja -o que, como sabemos , no campo dos relacionamentos nem tudo é baixo, cavalo e rei, mas é uma coisa bem mais complexa e são vários os fatores que influenciam se um relacionamento vai dar certo ou não.

      Quanto à ideia de que pólos opostos se atraem, a teoria das necessidades complementares passa a significar que A complementaridade é o que faz um relacionamento dar certo, para que cada membro do casal seja o suporte do outro em momentos de necessidade. (Por exemplo, quando uma pessoa chega de mau humor porque teve um dia difícil no trabalho, a outra pessoa pode estar lá para tranquilizá-la, quando uma pessoa está com raiva por algum motivo porque seu parceiro está lá para parar e ajudar um ao outro , pensar claramente antes de agir ou encorajar uns aos outros).

      Como pode ser visto, a teoria das necessidades complementares parte de uma ideia intermediária à dos pólos opostos e aqueles que afirmam que as pessoas que concordam em tudo terão sucesso como casal; ou seja, ter certos gostos, valores e até mesmo uma religião ou status social favorece a capacidade de duas pessoas se interessarem uma pela outra, mas também é importante que elas se complementem, como se concordassem em tudo e encontrassem não se encaixa, o relacionamento pode não durar tanto quanto se pensava originalmente.

      A teoria das necessidades complementares afirma que é essa complementaridade entre duas pessoas que promove o fortalecimento de seus vínculos como casal, portanto, além de serem fatores comuns importantes para que haja atração entre os dois, também funcionam as diferenças entre os dois. a seu favor, de modo que servem para se complementarem. E é muito comum que uma pessoa é atraída por outra que tem características diferentes das suas (por exemplo, uma pessoa tímida que se sente atraída por outra pessoa extrovertida e vice-versa).

      Alguns exemplos de pessoas que poderiam se tornar parceiras de acordo com a teoria das necessidades complementares seriam: uma pessoa confiante com uma pessoa insegura, uma sonhadora com outra mais focada no lado realista das coisas, uma pessoa carinhosa e outra mais fria, uma pessoa insegura pessoa com outra mais resoluta, e assim por diante. Ou seja, a complementaridade viria a dar, segundo essa teoria, fatores de personalidade ou formas de agir, tendo fatores comuns prévios como valores, crenças, etc.

      Resumidamente, é o feedback mútuo que pode ajudar um relacionamento a funcionar a longo prazo, ambos os membros sendo aliados no sentido de que cada membro apoia as preocupações do outro e o contrário também, podendo conseguir isso através da escuta ativa, para que saibam como podem apoiar-se mutuamente, se necessário, e também saibam quando a outra pessoa precisa de ajuda para saber como agir em determinado momento para poder dar esse apoio.

        Principais fatores que influenciam a atração entre duas pessoas

        Agora que vimos a teoria das necessidades complementares em termos gerais, vamos explicar alguns fatores importantes de atração mútua entre duas pessoas de acordo com várias teorias no campo da psicologia social.

        1. A semelhança na atração entre duas pessoas

        A teoria do equilíbrio de Heider afirma que duas pessoas que são semelhantes em vários fatores serão mais atraídas uma pela outra do que por outras com quem diferem mais do que semelhanças, estabelecendo um princípio de semelhança segundo o qual pessoas que se assemelham podem formar um sistema equilibrado e harmonioso, enquanto o inverso pode causar desconforto no nível psicológico.

        Por outro lado, grande parte das pesquisas realizadas nas últimas décadas no campo da psicologia social sobre a atração entre duas pessoas afirma que as pessoas tendem a se sentir mais atraídas por outras semelhantes em termos de atração. , atitudes, valores e crenças.

        Essa afirmação feita na psicologia social teria um ponto em comum com a teoria das necessidades complementares de Winch, pois essa A teoria também afirmava que as pessoas tendiam a ser atraídas por outras que eram semelhantes a elas em termos de uma série de fatores, embora posteriormente diferissem tanto quanto diferentes características de personalidade e modo de ser, sendo aquela coisa que forma essa complementaridade que ele estava falando sobre em sua teoria.

          2. Familiaridade com atração entre duas pessoas

          De acordo com algumas teorias da psicologia social da atração interpessoal, as pessoas tendem a ser mais atraídas por pessoas que lhes são familiares do que por pessoas que não nos são familiares, essa ideia também pode ser apoiada pelo efeito da simples exposição. Além disso, as pessoas tendem a prestar mais atenção em quem mora mais próximo, o que favorece o estabelecimento de uma conexão sentimental.

          Nesse sentido, a teoria das necessidades complementares também afirmava que um fator muito importante era o fato de as duas pessoas residirem na mesma localidade ou, pelo menos, seus locais de residência não serem consideravelmente distantes.

          Referências bibliográficas

          • Brubaker, J. (2016). Teoria das necessidades complementares. Dois: 10.1002 / 9781119085621.wbefs499.
          • Quadrat, I. (2013). Afiliação Interpessoal, Atração e Rejeição: Aspectos Centrais das Relações Interpessoais. A E. Gaviria, M. López & I. Cuadrado (Coords.). Introdução à psicologia social. Madrid: Editorial Sanz i Torres.
          • Schellenberg, J. e Bee, L. (1960). Um reexame da teoria das necessidades complementares na seleção de colegas. Casamento e convivência familiar, 22, p. 227-232.
          • Guincho, R. (1958). Mate-Seleção Um estudo de necessidades complementares. Nova York: Harper.

          Deixe um comentário