6 atividades relacionadas à terapia de casais

A terapia de casal é muito mais do que as conversas que ocorrem durante as sessões com o psicólogo. Na verdade, grande parte do progresso e progresso tem a ver com as atividades que o casal realiza sozinho, com base nas ideias e práticas realizadas na presença da terapeuta.

Engajar-se neste processo de fortalecimento do vínculo amoroso envolve a realização de certos hábitos e exercícios do dia a dia, para que a mudança para melhor se estenda a todas as áreas de convivência e não apenas ao que acontece.


Mas … quais são essas ações nas quais os dois membros do casal devem se envolver em seu cotidiano? aqui veremos um resumo das atividades típicas de um processo de terapia de casal, para conhecê-los melhor.

    Atividades usuais em terapia de casal

    Esses são alguns dos hábitos e atividades que se estimulam a serem realizados na terapia de casal, tanto nas próprias sessões quanto, sobretudo, entre eles, nas horas de convivência para a realização de ações cotidianas.

    Esta é uma abordagem do que costuma ser comum em tal processo, mas deve-se ter em mente que cada caso é único e que os psicólogos sempre adaptam nossas propostas de intervenção de acordo com as características próprias de cada pessoa, relacionamento e contexto em que o duas pessoas vivem.

    1. Traga um balanço do tempo que passamos juntos

    Um esforço consciente deve ser feito para passar algum tempo juntos; mas deve ser um tempo de qualidade, em que todos possam se concentrar uns nos outros sem pensar em outras coisas. Para isso você precisa assumir o controle de quando é hora de fazer o que, Para que em caso de problemas ou imprevistos, seja possível corrigir este horário e criar outro horário para estar com a outra pessoa.

    Não se trata de cronometrar constantemente o tempo comum, mas sim de planejar e garantir que durante a semana haja momentos em que seja possível estar juntos.

    Indignado, recomenda-se que esses momentos juntos tenham uma variedade de situações e experiências, Uma vez que lhe permite estar em contato com todas as facetas do outro e de você mesmo no contexto do casal. Por exemplo, se todos esses horários acontecem à noite e em casa, veremos um conjunto muito limitado de ações e atitudes, o que nos leva a ter uma visão simplista e bidimensional do relacionamento. Na terapia de casal, diferentes técnicas e estratégias são ensinadas para que seja mais fácil controlar melhor o tempo e evitar que a programação nos engane.

    2. Use as diretrizes de gerenciamento de discussão

    Seria irreal esperar que, graças à terapia de casal, as discussões entre os dois desaparecessem. O segredo é saber como lidar com eles da maneira adequada.

    É por isso que os psicólogos que tratamos em pares os treinam em uma série de atividades de gerenciamento de conflitos, para que não levem a confrontos ferozes ou para mostrar que nada está acontecendo (o que é também ou mais prejudicial do que uma discussão intensa). Trata-se de ser capaz de se expressar, de chegar a um consenso sobre os problemas a serem enfrentados e de encontrar compromissos para resolvê-los.

    3. Atividades de autoconhecimento

    Muito do progresso feito na terapia de casal depende de quão bem colocamos nossas mentes em ordem: nossas opiniões, interesses e preocupações, nossos valores, etc. Por isso, psicólogos ensinam muitos pacientes a realizar atividades diárias de autoconhecimento. Ter essas informações sobre você permite que você encontre uma correspondência melhor entre os dois.

    4. Treinamento em linguagem não verbal e expressão emocional

    Muitas vezes, parte do problema que leva as pessoas à terapia de casal é que surgem bloqueios na maneira como nos comunicamos e nos expressamos. Por exemplo, há casais em que se perdeu muita confiança e a ideia de estar perto e até mesmo vulnerável cria desconforto, Elementos-chave em um relacionamento afetivo e íntimo. Nesse sentido, a terapia é projetada para que todos possam aprender ou reaprender esses padrões de interação que vão além das palavras.

      5. Faça revisões semanais

      Cerca de uma vez por semana, é recomendável bater um papo em áreas onde o progresso foi observado, problemas adicionados ou pontos onde nenhum progresso foi detectado neste momento, Tanto em si mesmo quanto na outra pessoa. Ao fazer isso, você precisa seguir uma série de diretrizes para tornar essa conversa produtiva, não uma luta de ego.

      Por exemplo, sempre faça ao mesmo tempo e se pode estar no mesmo lugar (para criar algum tipo de protocolo), e explique o que se sente e se observa da forma mais transparente e descritiva possível, ou seja, para não gerar reações emocionais no outro (que também podem levar a acusações e repreensões), mas para que ele saiba como nos sentimos.

      6. Desenvolvimento de habilidades de compartilhamento de tarefas

      Essas atividades, tão típicas da terapia de casal, fazem parte da prática de habilidades de negociação e fazem parte do uso dos princípios da inteligência emocional, de forma que sejam consistentes com a seguinte ideia: conflitos de interesse não são sinônimos de conflitos.

      Rotinas eficazes de compartilhamento de trabalho estabelecem um equilíbrio entre os dois membros do casal, de modo que ninguém seja mais privilegiado ou beneficiado do que o outro. Isso é especialmente importante em casais com filhos.

      Você está interessado em terapia de casais?

      Se você está pensando em procurar ajuda em um centro de psicologia para fortalecer seu vínculo emocional ou superar uma crise de namoro ou casamento, entre em contato conosco. Fr Psicólogos avançados temos uma carreira profissional de duas décadas ajudando todos os tipos de pessoas e realizamos terapia individual para lidar com as formas de desconforto que afetam as pessoas separadamente e terapia de casal para resolver problemas de relacionamento. Você pode contar conosco em nossas instalações localizadas em Madrid ou usar o formato de videochamada online de terapia. Nesta página você encontrará mais informações sobre nós.

      Referências bibliográficas:

      • Atkinson, BJ (2005). Inteligência Emocional na Terapia de Casais: Avanços na Neurobiologia e na Ciência das Relações Intimas. WW Norton & Co.
      • Buss, DM; Haselton, M. (2005). A evolução do ciúme. Tendências em ciências cognitivas. 9 (11): páginas 506 a 507.
      • Campuzo Montoya, M. (2002). Casal humano: sua psicologia, seus conflitos, seu tratamento. México: AMPAG.
      • Dattilio, FM e Padesky, Califórnia (2004). Terapia cognitiva com casais. Bilbao: Editorial Desclée De Brouwer.

      Deixe um comentário