5 diferenças entre amor e encaprichamiento

Apaixonar-se é um turbilhão de emoções tão intensas que às vezes as pessoas sentem que não têm controle sobre tudo o que fazem ou dizem e ficam desamparadas. Essa sensação de caos geralmente se estende à sua capacidade de analisar seus próprios sentimentos por aquela pessoa.

E a questão é que, embora o amor seja uma coisa importante, isso não significa que estamos bem preparados para identificá-lo onde ele está acontecendo. É por isso que é muito útil conheça as principais diferenças entre amor e encaprichamiento.


    Principais diferenças entre encaprichamiento e amor

    Se temos que criar uma distinção teórica entre o encaprichamiento e o amante, pode ser o seguinte: no encaprichamiento não nos sentimos atraídos pela pessoa, mas pela ideia de que formamos deste ninguém, baseado principalmente em invenções e auto-ilusão.

    Enquanto no amor, embora o vínculo afetivo também seja fundamentalmente irracional, ele se baseia em experiências vividas juntos e não na ficção, no encaprichamiento há uma espécie de apaixonar-se por uma pessoa que realmente só existe em nossa cabeça e superficialmente se parece com alguém real. Isso significa que a única coisa que nos traz a pessoa que realmente existe é sua aparência e seu apelo superficial.

    Contudo … Como distinguir entre encaprichamiento e apaixonar-se diariamente? Para isso as definições teóricas não ajudam muito, haja vista que saber reconhecer esses fenômenos em nosso cotidiano é complicado, principalmente quando parte de nossa racionalidade foi desviada pelas emoções.

    Felizmente, existem descobertas que nos permitem encontrar diferenças concretas entre apaixonar-se e encaprichamiento. Vamos ver o que são.

    1. Contato com os olhos

    Algo tão simples como olhar fixamente com atenção é capaz de fortalecer laços emocionais duradouros, como os inerentes ao amor. Por isso que o tempo passa fazer contato visual espontâneo um com o outro é um indicador da força dos laços românticos. Na verdade, nos tipos de atração baseados apenas no físico, o olhar é mais direcionado para outras áreas do corpo, principalmente aquelas que possuem carga erótica.

    Na verdade, o fortalecimento dos laços românticos através do ato de se olharem nos olhos ocorre mesmo entre os humanos e alguns dos animais de que cuidam, como você pode ver neste artigo: “Será que existe amor entre as espécies? Uma investigação suporta o “sim”.

    2. Você usa o “nós” quase tanto quanto o “eu”

    O amor não se reflete apenas no que fazemos, mas também afeta o que dizemos; tanto no conteúdo do nosso discurso quanto nas maneiras como o expressamos. É por isso que faz sentido se concentrar em se a primeira pessoa do plural for usada mais do que o normal quando você fala sobre como se sente sobre o relacionamento.

    Isso indica que passamos de uma perspectiva totalmente pessoal para uma em que o compartilhado ganhou importância. Falamos um pouco mais do ponto de vista do casal, entidade que é mais do que a soma de duas pessoas independentes uma da outra.

    3. Suas personalidades são semelhantes

    Ao contrário da cultura popular, os pólos opostos não são atraídos, Ou pelo menos estatisticamente não tendem a fazê-lo durante relacionamentos de longa distância. As dificuldades associadas a muitos relacionamentos com alguém cujos hábitos, costumes e comportamentos estão longe do desgaste do próprio relacionamento.

    Porém, não é raro se apaixonar por pessoas muito diferentes de você, pois possuem um componente exótico que, à primeira vista, gera interesse e curiosidade, até mesmo um toque de exclusividade pela “raridade” do outro. ninguém.

      4. Você tem muito poucas e já tem fantasias relacionadas ao relacionamento

      O elemento determinante do encaprichamiento é a idealização. Visto que pouco se sabe sobre a outra pessoa, preenchemos as lacunas de conhecimento sobre ela com fantasias absolutamente otimistas sobre ela. E, embora não percebamos, essas fantasias marcam a forma como percebemos as ações dessa pessoa; então algo que acharíamos ridículo se nosso primo fizesse, parece adorável para nós se aquela pessoa especial o fizesse.

      Além disso, há evidências de que parte do recurso especial atribuído a outras pessoas é simplesmente que “são novas”, não as conhecíamos antes e. eles vêm em um momento em que estamos predispostos a encontrar um parceiro. Isso está intimamente ligado a um fenômeno psicológico observado em mamíferos em geral: o efeito Coolidge, que busca se relacionar com novos indivíduos.

      5. É bom se sacrificar pelo relacionamento

      No encaprichamiento é menos frequente que uma predisposição a realizar sacrifícios pela relação, enquanto no amor é relativamente normal em termos estatísticos. No entanto, é importante notar que não se trata de sacrifícios pela outra pessoa, mas pelo relacionamento, A unidade que forma o vínculo afetivo que une essas pessoas. Caso contrário, ainda seria a mesma pessoa comprometendo seu tempo, recursos e esforços para servir o outro, então estaríamos falando de uma relação tóxica assimétrica.

      Deixe um comentário