Susan Fiske: Biografia desta psicóloga social

Poucas psicólogas receberam a atenção que merecem, e você poderia dizer que Susan Fiske é uma das poucas que conseguiu receber a notoriedade que merece.

Grande especialista em fenômenos sociais do ponto de vista da psicologia cognitiva, esse psicólogo social tem contribuído para a ciência do comportamento de várias teorias sobre a cognição social, estudando aspectos como a formação do sexismo e preconceitos. Ele escreveu vários livros e artigos, todos os quais são altamente recomendados para leitura.


Mas, apesar de seu trabalho, ele continua sendo relativamente pouco conhecido fora deste campo de laciência. Vamos dar uma olhada em sua vida interessante através disso Biografia de Susan Fiske em formato de resumo.

    Breve biografia de Susan Fiske

    A seguir falamos sobre os principais fatos vitais que marcam a vida de Susan Fiske, uma psicóloga social que ainda vive e trabalha hoje para a divulgação deste ramo da ciência do comportamento.

    Os primeiros anos de sua vida

    Susan Tufts Fiske nasceu em 19 de agosto de 1952 nos Estados Unidos. O ambiente familiar de Fiske é formado por psicólogos e defensores dos direitos humanos, o que o marcou desde a infância em o interesse da psicologia social.

    Seu pai, Donald W. Fiske, era um psicólogo muito influente na Universidade de Chicago, enquanto sua mãe, Barbara Page Fiske, era uma importante ativista. Ela é irmã de Alan Page Fiske, um antropólogo da UCLA, e sua avó era sufragista.

    Em 1973, aos 21 anos, Susan Fiske ele começou seus estudos no Radcliffe College para obter um diploma em relações sociais. Ele obteve seu doutorado na Universidade de Harvard em 1978 com a Tese Atenção e ponderação do comportamento na percepção da pessoa.

    Ela atualmente mora em Princeton, New Jersey, com seu marido, o sociólogo Douglas Massey.

    carreira profissional

    Susan Fiske teve a oportunidade de trabalhar com a professora de Harvard Shelley Taylor, o que lhe permitiu estudar cognição social, focando principalmente em o efeito da atenção nas interações sociais. Depois de se formar, Fiske continuou a estudar e trabalhar na área de cognição social.

    Deve-se notar que, desde os primórdios da psicologia como ciência, os ramos cognitivo e social nunca chegaram a um acordo completo, podendo-se até dizer que hoje mantêm certo conflito.

    No entanto, Fiske conseguiu, por meio de seu trabalho, unir o melhor de ambos os ramos, especialmente quando tentou se aprofundar no estudo da cognição social. Como resultado, Fiske ele foi coautor do livro Social Cognition with Taylor.

    Um dos grandes fatos notáveis ​​de sua carreira profissional é o de dar uma opinião profissional no Prince Waterhouse vs. Hopkins de 1989.

    No caso, Fiske deu seu testemunho sendo o primeiro psicólogo social a testemunhar em um caso de discriminação sexual. Este evento despertou interesse na aplicação da psicologia em contextos jurídicos.

    Mais tarde, ele conseguiu trabalhar com Peter Glick, quando se preparava para estudar o vício nas relações homem-mulher, o que lhe permitiu desenvolver o que mais tarde seria a teoria do sexismo ambivalente.

    Uma das investigações mais interessantes que Fiske realizou foi a de analisar diferenças de gênero em publicações de psicologia social, Especialmente de um dos periódicos mais influentes na área, o Journal of Personality and Social Psychology.

    O achado desta pesquisa foi que os psicólogos sociais do sexo masculino tiveram um maior percentual de aceitação de seus artigos para publicação em comparação com as mulheres, embora a diferença não tenha sido muito maior (18% vs. 14%). Na verdade, ela pode perceber que o fator de impacto para as autoras é igual ao dos homens se você olhar o número de citações nos livros didáticos, além de serem as mulheres mais citadas por artigo publicado.

    Susan Fiske esteve envolvido na formação e constituição da neurociência social cognitiva, Um campo que estuda as bases neurais por trás de eventos sociais.

    Suas contribuições para a psicologia

    O trabalho científico de Susan Fiske é demonstrável com base em muitos livros, artigos e palestras que ela deu ao longo de sua carreira. Em cada um deles, aborda aspectos específicos do ramo social e cognitivo da psicologia, explicando várias teorias relacionadas, sobretudo, com o estudo da cognição social. Existem quatro teorias mais relevantes para toda a sua obra.

    1. Teoria do sexismo ambivalente

    Juntamente com Peter Glick, Fiske desenvolveu o Ambivalent Sexism Inventory (ASI), Ferramenta desenvolvida para registrar e entender preconceitos contra o grupo feminino.

    Este inventário tem dois componentes relacionados aos estereótipos contra as mulheres: sexismo hostil e sexismo benevolente.

    O sexismo hostil é expresso em particular contra as mulheres, Aquelas que não atendem às características da figura feminina mais tradicional ou que lutam por seus direitos.

    Por outro lado, sexismo benevolente se refere a comportamento superprotetor e paternalista em relação às mulheres que se conformam com a imagem tradicional de como uma mulher deve ser. A teoria defende que, na interação entre homens e mulheres, estas são obrigadas a se aproximar da imagem tradicional da feminilidade se quiserem que os homens prestem atenção a ela ou as ajudem a progredir no trabalho.

    Embora a relação privilégio-desprezo geralmente corra na direção homem-mulher, a teoria sustenta que homens e mulheres podem praticar ambas as versões de sexismo. No entanto, geralmente são os homens que exercem o sexismo hostil em primeiro lugar.

      2. Modelo de conteúdo de estereótipos

      O modelo de conteúdo estereotipado é uma teoria psicológica que as pessoas tendem a perceber grupos sociais de acordo com duas dimensões fundamentais: calor e competência.

      Calorosamente se refere a quão agradável e confiante o grupo é, enquanto com competência se refere à competência do grupo em atingir seus objetivos sociais.

      Essa teoria descobriu que pessoas pertencentes ao mesmo grupo social, por exemplo, a classe média americana, percebem os membros de seu mesmo grupo socioeconômico como pessoas mais amigáveis ​​e competentes do que os de outros grupos.

      Além disso, permite-nos compreender como as pessoas veem outros grupos que não têm tantos privilégios ou recursos económicos, como refugiados, pessoas em risco de exclusão … vendo-os como nem calorosos nem competentes.

      Portanto, existem estereótipos que são negativos em relação a outros grupos e positivos em relação às pessoas do mesmo grupo, Exagere as ameaças e benefícios de ambos os grupos.

      3. Teoria do poder como controle

      A teoria do poder como controle busca explicar como as classes que detêm o poder sobre a sociedade fazem que as pessoas se comportam ignorando ou ignorando os outros, Com base em como as elites mais ricas o estabeleceram.

      4. Padrão contínuo de formação de impressão

      Este modelo tenta explicar como as pessoas impressionam os outros. Teoriza-se que essas primeiras impressões são formadas a partir de dois fatores, sendo um a informação disponível e o outro as motivações de quem as percebe.

      Com base nesses dois fatores, ajudam a explicar a tendência das pessoas a seguirem critérios mais relacionados a estereótipos aceitos pela maioria da população ou a crenças individuais.

      reconhecimentos

      Susan Fiske recebeu vários títulos honorários de várias universidades ao redor do mundo, Incluindo a Universidade de Basel (2013), a Universidade de Leiden (2009) e a Universidade Católica de Louvain (1995).

      Em 2010 recebeu a APA com o Prêmio Distinguished Scientific Contribution Award. Em 2013, Susan Fiske tornou-se membro eleito da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.

      Ela serviu como presidente da Sociedade de Personalidade e Psicologia Social, Divisão 8 da APA, da Federação de Associações de Ciências Comportamentais e do Cérebro, da Sociedade Americana de Psicologia e da Fundação para o Avanço das Ciências do Comportamento e do Cérebro.

      Em 2014, foi realizada uma análise quantitativa na qual se concluiu que Susan Fiske era um dos pesquisadores mais eminentes da era moderna da psicologia, Classificado em vigésimo segundo.

      Ela também foi classificada em 14º na mesma varredura para Pesquisadores Vivos Top e foi considerada a segunda psicóloga feminina mais importante.

      Referências bibliográficas:

      • Fiske, ST (2011). Inveja, desprezo: como o estado nos divide. Nova York: Russell Sage Foundation.
      • Fiske, ST; Taylor, Shelley E. (2013). Social Cognition: From Brain to Culture (2ª ed.). Londres: Sage.
      • Fiske, ST (2014). Seres sociais (4ª ed.). Nova York: Wiley.
      • Fiske, ST; Taylor, SE (1978). Excepcional, atenção e atribuição: fenômenos superiores. Avanços na psicologia social experimental. 11. p. 249-288.
      • Fiske, ST; Taylor, SE; Etcoff, NL; Ruderman, AJ (1978). “Fundamentos categóricos e contextuais da memória e estereótipos da pessoa”. Journal of Personality and Social Psychology. 36 (7): 778-793.
      • Fiske, ST (1993). “Controlando os outros: o impacto do poder nos estereótipos”. Psicólogo americano. 48 (6): 621-628.
      • Fiske, ST; Glick, P. (1996). “Inventário de sexismo ambivalente: diferenciando sexismo hostil e benevolente”. Journal of Personality and Social Psychology. 70 (3): 491-512.

      Deixe um comentário