Paul Feyerabend: biografia deste filósofo

Quando pensamos na ciência como um todo podemos, em geral, ter uma ideia um tanto romântica de algo unificado em sua concepção, embora possa ser dividido em várias disciplinas, há grandes coincidências na forma como os dados são interpretados. a metodologia é usada para tentar explicar a realidade. Porém, este não é o caso: ao longo da história tem havido muitas maneiras de ver e fazer ciência, Passando por, entre outros, empirismo, racionalismo ou realismo científico.

Cada uma dessas perspectivas tem implicações de pesquisa diferentes e considerações diferentes sobre o que são as coisas, como devem ser estudadas e até mesmo que efeito a crença em uma dada teoria tem sobre os fenômenos observados. Uma das visões mais críticas é a do anarquismo epistemológico de Paul Feyerabend. É sobre esse autor que vamos falar neste artigo, no que vamos fazer uma curta biografia de Paul Feyerabend.


    Breve biografia de Paul Feyerabend

    Paul Karl Feyerabend nasceu na cidade de Viena em 1924, sendo o único filho de uma família de classe média em uma época caracterizada pela fome após a Primeira Guerra Mundial e pela inflação que pesava na economia do país. Como pai funcionário público e mãe costureira, foi levado à velhice devido às dificuldades da vida durante esse período.

    Desde a infância, ele mostrou grande inteligência. Ele estudou em um Realgymnasium em sua cidade natal, aprendendo ciências naturais, latim e inglês e obtendo qualificações muito altas. Da mesma forma, em certas disciplinas como física e matemática, ele parecia ter maior domínio até do que seus próprios professores. muito ele mostraria um comportamento excêntrico, irônico e sarcástico, A ponto de ser expulso da escola.

    Nessa mesma etapa vital, começou a adquirir um grande gosto pela leitura (inclusive livros de filosofia, matéria que começaria a se interessar e na qual se destacaria vários anos depois), o teatro e o canto (virá a tomar aulas neste último e participar de corais).

    Quando em 1938 a Alemanha anexou a Áustria ao Terceiro ReichSeus pais se alegraram, e o jovem Feyerabend (então adolescente) ficou impressionado com a oratória de Hitler, embora nunca se tornasse um apoiador extremista dos nazistas. De acordo com sua própria autobiografia, os anos antes da Segunda Guerra Mundial, nos quais observou mudanças políticas e perseguições étnicas, o deixaram perplexo.

    A segunda Guerra Mundial

    Em 1939, estouraria a Segunda Guerra Mundial, um ano antes de Feyerabend terminar o ensino médio. Depois de se formar em 1940, foi incorporado ao serviço de trabalho obrigatório introduzido pelos nazistas, os Arbeitsdienst. Depois de ser treinado na Pirmasens, seria enviado para a França, desempenhando a tarefa de cavar e preparar fossos. Nesse ponto, ele começaria a apreciar a ideia de ingressar no exército, especialmente na SS, pedindo para ingressar no front.

    Depois de deixar o serviço obrigatório, ele voltou a Viena, mas imediatamente se alistou no exército. Ingressou no Corpo de Pioneiros da Wehrmacht, recebeu treinamento militar e depois foi voluntário na escola de oficiais da Iugoslávia em 1942. Lá recebeu notícias duras, mas que não despertaram nele uma reação intensa: sua mãe morreu ao cometer suicídio. Sua autobiografia indica que ele esperava que a guerra acabasse antes que seu treinamento terminasse, mas não foi: Feyerabend seria enviado para a frente de batalha na Rússia.

    Recebeu a Cruz de Ferro de segunda classe em 1944, após ter levado a ocupar com sucesso uma aldeia sob fogo inimigo, sendo no mesmo ano promovido a tenente. Depois disso, ele será enviado para a Polônia em 1945, onde o exército nazista começará a se retirar à medida que os soviéticos avançam. Lá ele recebeu vários golpes nas mãos e nos intestinos, acertando um na coluna e o deixando paralisado. Ele foi enviado para um hospital em Apolda, onde passaria o resto da guerra se recuperando dos ferimentos. No entanto, embora ele tenha caminhado novamente o impacto da bala fez com que ele precisasse de uma bengala a partir de agora o resto de sua vida.

    Depois da guerra e ainda se recuperando, ele trabalharia temporariamente como dramaturgo em Apolda e no departamento de educação local. Conforme sua saúde melhorou e suas habilidades melhoraram, ele se mudou para Weimar. Lá ele ingressou em vários centros, como a Academia de Weimar, para fazer vários cursos de canto, teatro, italiano, piano, direção e vocalização.

    estudos universitários

    Em 1947, Feyerabend voltou a Viena, onde começaria a realizar estudos universitários. No início, ela estudou história e sociologia, pois outro de seus ramos favoritos, a física, parecia estar longe da realidade após as experiências da guerra. No entanto, seus estudos não lhe pareciam satisfatórios e ele decidiu deixar História e começar a estudar física na Universidade de Viena.

    Durante seus estudos, ele também recebeu cursos de filosofia, O que chamaria profundamente sua atenção. Ele inicialmente abraçaria uma visão positivista e empirista da ciência, embora o contato com profissionais como Ehrenhaft influenciasse sua visão posterior. Ele escreveu seu primeiro artigo em 1947, sobre ilustração em física.

    Em 1948 ele conheceu Karl Popper durante um seminário na Sociedade Austríaca de AlpbachAlgo que despertasse o germe de uma mudança de posição em relação à ciência. Continuou a frequentar as reuniões e seminários desta empresa, inicialmente como simples espectador, mas aos poucos passou a expor e até a atuar como secretário científico. Lá ele conheceria também Hollitscher, que o convenceria de que é o realismo que guia e possibilita o progresso da pesquisa científica e não o positivismo ou o empirismo. Nesse mesmo ano, casou-se pela primeira vez com uma estudante de etnografia chamada Edeltrud, embora não tenha demorado muito para se separar.

    Além do anterior, em 1949 ele também se tornou um membro do Círculo Kraft, Um grupo de estudantes e filósofos reuniu-se em torno da figura do único sobrevivente do Círculo de Viena, Victor Kraft, e a atividade foi baseada na discussão de tópicos filosóficos de uma perspectiva científica. Neste círculo encontram-se muitas personalidades de grande importância.

      Desenvolvimento de sua filosofia

      Após completar seus estudos, Feyerabend começou a escrever uma tese de doutorado com foco em eletrodinâmica, mas não conseguiu resolver uma série de problemas nesta área e optou por variar o assunto de sua tese da física à filosofia. Assim, e sob orientação de Kraft, obteve o doutorado em 1951 com a tese Zur Teoria der Basissätze, na qual discutiu as afirmações básicas subjacentes ao conhecimento científico de acordo com o positivismo lógico.

      Depois disso, e após rejeitar uma oferta para se tornar secretário de Bertolt Brecht, ele tentou ser aceito como discípulo por outro dos autores do Círculo Kraft, Wittgenstein. Embora tenha aceitado, ele infelizmente morreu antes que Feyerabend pudesse trabalhar com ele, em 51. Apesar disso, ele conseguiu trabalhar com Karl Popper, o defensor da falsificação (uma crença de que a veracidade de uma teoria, mas sua falsidade através da experimentação) e do racionalismo crítico inicialmente o convenceu, abandonando definitivamente o empirismo e o positivismo.

      Em 1952, Feyerabend apresentou suas idéias a respeito da mudança científica. Um ano depois, ele retornou a Viena, onde trabalharia em várias universidades e mais tarde como assistente de Arthur Pap. Este apresentaria a Herbert Feigl, quem influiria nas ideias de Feyerabend com sua postura realista (segundo o ponto de vista de Popper). Ele escreveu vários artigos filosóficos sobre mecânica quântica, De grande relevância que considerou que a teoria quântica não era incontestável.

      Em 1955 foi nomeado professor de filosofia da ciência na Universidade de Bristol. Um ano depois e após conhecer e ter seu pensamento influenciado por profissionais como David Bohm, Joseph Agassi e Philipp Frank, ele se casaria pela segunda vez com uma ex-aluna chamada Mary O’Neill, de quem também se separaria após um ano. ( não seria a última de suas esposas, tendo se casado quatro vezes na vida). Eles começaram a publicar alguns de seus trabalhos mais críticos sobre empirismo, abraçando o realismo científico e a visão de Popper e enquanto a interpretação de um relacionamento é determinada pelas teorias usadas para explicá-los.

      Mudar-se e morar nos Estados Unidos

      Em 1958, ele também recebeu uma oferta para trabalhar como professor na UC Berkeley, oferta que aceitou. Em 1959 foi nacionalizado como americano e em 1960 começou a trabalhar na Universidade da Califórnia onde, sob a influência de Kuhn, começou a usar exemplos históricos em seu trabalho. Em suas obras desse período, surge o conceito de incomensurabilidade, O que determina a impossibilidade de comparar duas teorias que não se beneficiam de uma mesma linguagem teórica.

      Participou das revoltas estudantis e um certo interesse pela política começou a crescer nele, encenando vários tipos de protestos e chegou mesmo a ser expulso da UC Berkeley depois de ultrapassar os alunos sem terminar. O curso como método de protesto. . Também o contato com o movimento hippie que predominou naqueles anos influenciou em seu pensamento. Em 65, participou de um seminário em Hamburgo, durante o qual seu pensamento acabaria por levar ao que mais tarde seria chamado de anarquismo epistemológico, que é uma de suas principais contribuições.

      Nesse contexto, e ao alternar suas obras em Berkeley com as da Califórnia (que ele acabaria abandonando em 1968) e mais tarde com outras em Londres, Berlim, Yale e Auckland, o pensamento do autor se afastou Everytime. posições e também se afastou do falseacionismo e do racionalismo.

      Ele conheceu Imre Lakatos em Londres, Com quem teria uma grande amizade que duraria até a morte deste. Com ele, ela planejou fazer uma publicação de debate acadêmico intitulada A favor e contra o método, fazendo de Lakatos uma defesa da concepção racionalista da ciência enquanto Feyerabend o atacava.

      No entanto, Lakatos morreu em 1974, sem terminar seu papel na peça. Feyerabend terminaria e publicaria o seu no livro Against Method, um ano após a morte de seu amigo. Neste post, eu abraçaria totalmente o anarquismo epistemológicoConsiderando que não existem regras metodológicas universais que gerem sempre o progresso da ciência e que é necessário variar a metodologia para se conseguir um desenvolvimento autêntico do conhecimento. Este post foi fortemente criticado, que apesar de uma resposta ativa levou a uma queda na depressão (como aconteceu depois da morte de Lakatos).

      Nos anos 80 Eu continuo a trabalhar em Berkeley, bem como em Zurique, Especialmente como professor de filosofia.

      Sua morte e seu legado

      A saúde de Feyerabend passou por vários altos e baixos ao longo de sua vida, mas seria na década de 1990, quando o agressor sofreu uma deterioração final. Em 1991, aposentou-se pensando em aproveitar a aposentadoria e escrever um último livro. No entanto, infelizmente, em 1993 ele foi encontrado com um tumor cerebral. Ele continua e termina de escrever o livro, sua autobiografia, intitulado Killing Time: The Autobiography of Paul Feyerabend. Em 1995 e após vários problemas, como um derrame, o tumor acabou causando sua morte em 11 de fevereiro de 1994, na clínica Genolier, na Suíça.

      Novamente suas ideias eram muito controversas e criticadas, O legado de Paul Feyerabend é de grande interesse para a ciência, pois sua ideia de anarquismo epistemológico e suas contribuições ao longo da vida permitem uma visão diferente da ciência e estimulam a necessidade de variar a metodologia geral. avanços.

      Referências bibliográficas:

      • Feyerabend, PK; (1996) Killing Time. University of Chicago Press. Chicago.
      • Tejada, JA (2017). Paul Karl Feyerabend: uma proposição anarquista em face do racionalismo científico. Pural, 1 (1): 3-52.

      Deixe um comentário