Milton Erickson: Biografia deste pesquisador da hipnose

Milton Hyland Erickson foi um renomado psiquiatra e hipnoterapeuta americano que, apesar do terrível sofrimento de sua vida, não o impediu de ter uma carreira distinta.

Ela entrou para a história ao revolucionar a concepção do subconsciente, além de usar a hipnose como ferramenta terapêutica em um contexto clínico sério.


Sinal de uma vida prolífica, fundou diversas organizações voltadas para o estudo da hipnoterapia, deixando sua marca nos campos da psiquiatria e da psicologia. Vamos dar uma olhada em sua vida através disso biografia de Milton H. Erickson em forma de resumo.

    Biografia de Milton H. Erickson: Quem era esse psiquiatra?

    Milton é conhecido por ter aperfeiçoado as técnicas hipnóticas além de um contexto puramente psicanalítico e pode ser extrapolado para outras correntes de psiquiatria e psicologia. Entre seus marcos vitais mais notáveis ​​estão o estabelecimento de organizações como a American Society of Clinical Hypnosis, bem como a participação no estabelecimento de outras instituições, como a American Psychological Association e a American Psychopathological Association.

    primeiros anos

    Milton Hyland Erickson nasceu em 5 de dezembro de 1901 em Aurum, Nevada, EUA. Sua família consistia em seus pais, sete irmãs e um irmão, todos imigrados para Wisconsin para trabalhar em uma fazenda familiar.

    Sua infância não foi um mar de rosas. Desde muito jovem, Erickson sofreu de várias doenças que tornaram sua saúde muito precária. Na verdade, se na idade adulta Milton H. Erickson admitisse que mal se lembrava de seus primeiros anos, e que muitas de suas memórias poderiam ser encapsuladas em uma espécie de “transe auto-hipnótico”.

    Aos 17 anos, Erickson contraiu poliomielite, Uma doença que com os remédios da época dificilmente se tratava, tirando a vida de muita gente. A poliomielite o deixou com graves consequências, perdendo grande parte de sua mobilidade a ponto de seus médicos acreditarem que ele não sobreviveria. Porém, essa experiência se mostraria fundamental para o desenvolvimento de sua carreira, marcada pela forte tenacidade e pelo combate às adversidades.

    Prostrado na cama por causa da doença, quase incapaz de se mover ou falar, Erickson começou a perceber o poder da linguagem corporal para se comunicar com os outros. Além disso, Milton H. Erickson afirmou que foi quando ele começou a ter o que chamou de “memórias corporais” de movimentos que ele poderia fazer facilmente antes de perder a mobilidade.

    Para lidar com a doença, Erickson ele começou a usar suas próprias memórias, para se concentrar nessas memórias corporais e gradualmente recuperar o controle de seu corpo. a ponto de poder falar e mover os braços normalmente.

    Seu médico o aconselhou a usar força de ponta e Erickson o ouviu, levando isso muito a sério. Tanto que, para se recuperar o mais rápido possível, planejava fazer uma viagem de não mais e não menos que 1600 quilômetros de canoa, com a intenção de fortalecer seu corpo intensamente e poder cursar a universidade. Depois dessa façanha perigosa, Erickson conseguiu andar novamente com uma bengala e frequentar a Universidade de Wisconsin para estudar medicina e psiquiatria.

      Formação acadêmica e contato com a hipnose

      Estudante em Wisconsin, Milton Erickson começou a documentar os efeitos da sugestão nos pacientes. Seria apenas uma questão de tempo até que ele descobrisse a hipnose, um campo relativamente desconhecido até mesmo para os psiquiatras, e talvez por causa de seu apelo místico ou interesse em saber mais sobre ela, ele começou a se aprofundar no assunto.

      O estudante de medicina e psiquiatria da época entenderia que ele poderia usar a auto-hipnose para combater a dor o que havia causado nele a poliomielite, que era terrivelmente intensa. Assim, por meio da auto-sugestão, Erickson ganhou melhor qualidade de vida por um tempo, o que levou a um maior conhecimento na área.

      Aos 30 anos, ele já havia ganhado alguma fama na psiquiatria americana. Seu trabalho com a hipnose e sua maneira particularmente notável de aplicá-la na terapia lhe renderam uma grande reputação.Isso permitiu que ele trabalhasse como psiquiatra enquanto trabalhava como professor em várias universidades.

      Iniciante em prática privada

      Em 1948, Milton H. Erickson mudou-se para Phoenix por motivos médicos, pois poderia desfrutar de um clima mais saudável lá. Infelizmente, depois de um ano, ele foi forçado a ensinar terapia em casa porque sua condição física se deteriorou e acabou tendo que usar cadeira de rodas, além de sentir dores constantes.

      Para combater esses desconfortos, o próprio Erickson usava técnicas de auto-hipnose todas as manhãs que reduziam a intensidade de sua dor. Assim, ele poderia lidar com as tarefas da vida diária de forma adequada. Foi por meio dessas técnicas e de sua forte tenacidade que Milton Erickson continuou a aperfeiçoar seus conhecimentos, dando grandes passos na psiquiatria.

      Uma das grandes contribuições dessa época foi fundar a Sociedade Americana de Hipnose Clínica em 1957., Servir como seu presidente por vários anos. Ele também fundou o American Journal of Clinical Hypnosis, que foi a primeira publicação nos Estados Unidos a levar a sério o assunto da hipnose, com Erickson como editor por uma década.

      últimos anos

      A condição física de Milton H. Erickson piorou com o passar dos anos. No entanto, ele continuou a levar uma vida profissional muito ativa. Na verdade, nas décadas desde seu início como terapeuta particular ele é o autor de centenas de artigos e cinco livros sobre hipnose clínica e sua aplicação. Entre os livros mais notáveis ​​estão Hypnotic Realities (1976) e The Man of February (1989), publicado postumamente.

      Ele não se desviou da vida universitária, continuando a dar seminários e a viajar pelo mundo. Como sua saúde piorou, ele recebeu seus alunos em casa e, de fato, alguns dias antes de sua morte, ele continuou a trabalhar com seus alunos em casa.. Como professor e terapeuta, ele era altamente respeitado na comunidade psiquiátrica.

      Um dos aspectos que o tornavam particularmente respeitado era a capacidade de lidar com casos muito graves, que nenhum outro terapeuta conseguia resolver. esta fez com que muitas das técnicas de Erickson fossem transferidas para outros tipos de terapia, O que torna a influência ainda hoje presente.

      Milton Hyland Erickson morreu em Phoenix, Arizona, Estados Unidos, em 25 de março de 1980, aos 79 anos, logo após a fundação da Milton Erickson Foundation e no meio dos preparativos para o que seria o maior encontro mundial de psicoterapeutas organizado Até a presente data. a conferência “A evolução da psicoterapia”.

      Teoria e hipnose

      Erickson ele insistiu muito no papel desempenhado pelo inconsciente. No entanto, sua forma de entendê-lo não é semelhante à do psicanalista Sigmund Freud, mas o vê como um reservatório de recursos pessoais para resolver o problema de cada indivíduo por si mesmo.

      Como comentamos, A abordagem de Milton Erickson à psicoterapia não era convencional na época., Até pelo próprio hipnoterapeuta. Seu método é tão especial e marcante que se tornou um ramo independente de outras disciplinas que usam a hipnose, chamando-o de “hipnose Ericksoniana”.

      A hipnose mais tradicional baseava-se na ideia de que podemos nos comunicar com o subconsciente em momentos específicos. Esses momentos são chamados de “estados de transe” e é por isso que os hipnoterapeutas mais convencionais tentam fazer com que sejam capazes de falar diretamente com o subconsciente de seus pacientes. Assim, podem aplicar sugestões e, dependendo de sua visão psicoterapêutica, provocar uma mudança de comportamento, de emoções e pensamentos.

      Essa não era a opinião de Erickson, que acreditava que o subconsciente estava sempre ouvindo e, portanto, era possível se comunicar com ela mesmo quando o assunto não estava em trânsito. Assim, portanto, todas as suas técnicas terapêuticas visavam atingir essa parte da mente, indiretamente e sem provocar resistência no paciente.

      Os hipnoterapeutas tradicionais usaram técnicas como relaxamento ou induções profundas para enfraquecer as defesas dos pacientes e, assim, induzir o estado de trânsito. Em vez disso, Erickson ele usou outras ferramentas, como conversar com clientes usando histórias metafóricasO que a princípio pode parecer fora do lugar, mas na verdade continha algumas sugestões hipnóticas ocultas que reverberaram em seu subconsciente.

      a confusão

      Entre as ferramentas usadas por Milton H. Erickson em sua terapia está a confusão, uma das mais famosas. Isso consistia em usar histórias aparentemente sem sentido ou usar outros recursos destinados a confundir a mente consciente do paciente. Assim, Erickson foi capaz de iniciar seus pacientes em um transe não tão intenso quanto o de outros hipnoterapeutas, sugerindo-os sem perceber.

      Entre as técnicas na confusão está a indução do aperto de mão. Erickson desenvolveu uma técnica que lhe permitiu confundir os pacientes simplesmente dando-lhes um aperto de mão. Isso parecia inofensivo, permitindo que ele introduzisse hipnose profunda no paciente, o que, de seu ponto de vista, permitia que ele trabalhasse em suas mentes.

      Por mais surpreendente que possa parecer, esse método funcionou muito bem para Erickson, tanto que até mesmo seus próprios conhecidos tiveram certo receio ao apertar sua mão para impedi-lo de hipnotizá-los. Outros terapeutas consideraram essa técnica tão útil que a incorporaram em suas terapias., Como é o caso do fundador da programação neurolinguística Richard Bandler.

      Erickson também usou a confusão boca a boca, usando técnicas como o falso dilema. Nessa ferramenta, o paciente é apresentado a duas opções convenientes para o psiquiatra, mas que dão a impressão ao indivíduo de que ele tem a capacidade de escolher o curso da psicoterapia, o que facilita muito a terapia e seus resultados.

      Referências bibliográficas:

      • O’Hanlon, WH, (1993), Deep Roots. Noções básicas de terapia e hipnose Milton Erickson, ed. Paidós Family Therapy, Espanha.
      • Robles, T. (1991), Tailored Therapy. Um seminário Ericksoniano com Jeffrey Zeig, ed. Milton Erickson Institute na Cidade do México, México.
      • Rosen S., (1991), Minha voz irá acompanhá-lo. Os contos didáticos de Milton H, Erickson, Ed. Paidós, Argentina.
      • Simon, FB, Stierlin, H. e Wynne, LC, (1988), Vocabulary of Family Therapy, eds. Gedisa, Argentina.
      • Zeig, J. (1991), Ericksonian Hypnosis Training, ed. Centro Mexicano de Programação Neurolinguística, México.
      • Zeig, JF, (1992), A Didactic Seminar with Milton H. Erickson, ed. Amorrortu, Buenos Aires.

      Deixe um comentário